Polícias saem à rua para reivindicar promessas do Governo. Chega e mais seis partidos vão ao protesto

José Sena Goulão / Lusa

Elementos das forças de segurança (PSP e GNR) manifestam-se esta quinta-feira, em Lisboa, para pressionarem o novo Governo a cumprir as reivindicações da classe e as promessas do anterior Executivo.

Sob o lema “tolerância zero”, a manifestação conjunta é organizada pela Associação Sindical dos Profissionais da Polícia (ASPP/PSP) e Associação dos Profissionais da Guarda (APG/GNR). Inicia-se às 13h00 no Marquês de Pombal e ruma até à Assembleia da República, com concentração marcada para as 16h00.

As forças de segurança reivindicam, entre outras exigências, melhores salários para a classe social, bem como melhor condições de trabalho.

Apesar de o ministro da Administração Interna, Eduardo Cabrita, se ter reunido na quinta-feira passada com os sindicatos mais representativos da PSP e na segunda-feira com a APG/GNR, as estruturas decidiram manter o protesto.

Em declarações ao semanário Expresso, o presidente da APG, César Nogueira, disse ter esperança que esta “maior manifestação de sempre das polícias”.

Esta quarta-feira, na véspera do protesto, a segurança foi reforçada junto à escadaria do Parlamento. Foram colocados blocos de cimento junto às grades da Assembleia da República e o estacionamento junto ao espaço foi limitado, relata a SIC Notícias, que fala em medidas de segurança inéditas.

As forças políticas também não se alhearam a este protestos. Segundo o Expresso, há sete partidos que vão ao protesto cumprimentar os manifestantes, entre os quais o PCP, o Bloco de Esquerda, o CDS, Os Verdes, Iniciativa Liberal, Chega e Livre.

O semanário recorda ainda que, no ano passado, quando foi levada a cabo uma manifestação semelhante da mesma classe profissional, apenas os bloquistas e comunistas apareceram para saudar as forças policiais.

PS e PSD ficam de fora. Numa nota enviada ao Expresso, os sociais democratas explicam que não vão apresentar cumprimentos aos manifestante, uma vez que “o PSD não tem a tradição de o fazer nem nunca o fez no passado, não vive destas aparições”.

A posição dos socialistas é natural por se tratar do partido que suporta o Governo. O PAN não respondeu ao semanário sobre este tema.

CDS e Chega levaram o assunto ao Parlamento

Recentemente, CDS e Chega levaram o assunto das carreiras das forças de segurança ao Parlamento. Os centristas apresentaram esta quarta-feira um projeto de lei que agrava as penas para crimes contra agentes das forças de segurança e uma resolução para seja atribuído um subsídio de risco a estes profissionais.

Se Portugal tem “um problema sistemático de ofensas a quem exerce autoridade, seja nas ruas ou nas escolas, tem de haver uma resposta política”, justificou Telmo Correia.

Além destas duas iniciativas, o CDS sugeriu ainda a criação de um grupo de trabalho, no Parlamento, para avaliar as condições de trabalho das forças de segurança em Portugal. O deputado centrista fez um duro ataque ao Governo pelo que considera falta de medidas tomadas para resolver os problemas das forças de segurança.

“Se agredir um polícia é agredir o Estado, como disse o ministro [da Administração Interna], ignorar anos a fio as reivindicações justas dos agentes das forças de segurança, é o quê? É obviamente pôr em causa o Estado e a liberdade de todos. E é isso que este Governo tem feito”, acrescentou.

Também o Chega, pela voz do seu deputado único André Ventura, falou esta quarta-feira no Parlamento sobre as forças de segurança, acusando o primeiro-ministro, António Costa, de mentir no primeiro debate quinzenal, que ocorreu a semana passada.

André Ventura tinha questionado António Costa sobre alegadas situações em que os agentes se viam obrigados a comprar o seu próprio material de trabalho, como por exemplo algemas, gás pimenta e coletes de proteção. Costa disse que a situação não correspondia à realidade, aconselhando Ventura a arranjar um informador melhor.

Nesta quinta-feira, conta o jornal Público, o deputado do Chega levou em mão fotocópias e faturas que polícias lhe enviaram para provar que tiveram mesmo de comprar o seu equipamento. Durante a sua intervenção, que durou cerca de três minutos e meio e que terminou sem quaisquer questões ou comentários das outras bancadas, Ventura disse que se vai juntar à manifestação “sem medo”.

“Estamos certo da história e não do lado dos que escondem a verdade”, disse, considerando ainda que há uma “enorme sombra” a pairar sobre o Governo.

Parece haver vontade de diálogo, diz Marcelo

O Presidente da República disse esta quarta-feira não estar preocupado com a manifestação, considerando que que parece haver vontade de diálogo entre Governo e associações representativas das forças de segurança.

“Eu não vejo razão nenhuma para estar preocupado, se houver a vontade, que parece haver, de contacto, de diálogo entre o Governo, de um lado, e as entidades associativas, sobre o estatuto das forças de segurança, que se deteriorou de facto, ao longo dos últimos dez anos”, afirmou Marcelo Rebelo de Sousa, em Lisboa.

“É público e notório que o Governo tem vindo nos últimos dias a ter contactos com associações representativas no domínio das forças de segurança, e penso que sobre o estatuto das forças de segurança no futuro”, referiu, a este propósito.

O que pedem as forças de segurança

O gabinete de Eduardo Cabrita afirmou, em comunicado, que está em “preparação, em diálogo com os sindicatos e as associações profissionais, a nova Lei de Programação das Infraestruturas e Equipamentos para as Forças e Serviços de Segurança do MAI [Ministério da Administração Interna], para a período pós-2021, dando continuidade ao diploma que, desde 2017, permitiu instituir um novo modelo de gestão estrutural e plurianual de investimentos a realizar nas várias valências operacionais”.

Propõe ainda a definição de um Programa Plurianual de Admissões, “por forma a garantir o rejuvenescimento das Forças de Segurança”, a “preparação de um diploma específico sobre Segurança e Saúde no Trabalho aplicável às Forças de Segurança” e a “análise e revisão de suplementos remuneratórios, incluindo a questão do pagamento faseado dos suplementos suspensos entre 2011 e 2018”.

Estas são também as reivindicações das organizações que esta quinta-feira se manifestam, contudo, os seus líderes consideram que estas propostas não são suficientes ainda para desmarcar a manifestação, reiterando que o primeiro-ministro e o próprio ministro ao longo dos quatro anos da legislatura anterior tiveram tempo de analisar e estudar os problemas e que agora é tempo de agir o mais brevemente possível.

Entre as reivindicações que motivaram o protesto e além dos aumentos salariais está também a atualização dos suplementos remuneratórios, que “há mais de 10 anos que não são revistos”, o pagamento de um subsídio de risco e mais e melhor equipamento de proteção pessoal. Os polícias exigem também uma fiscalização das condições de higiene, saúde e segurança no trabalho e que seja cumprido o estatuto na parte referente à pré-aposentação aos 55 anos.

A ASPP/PSP e a APG/GNR sublinharam que o novo Governo “não pode escudar-se na falta de conhecimento dos problemas nem desvalorizar as promessas feitas nos últimos quatro anos”, lamentando que, até ao momento, não tenha sido dada “uma palavra sobre o futuro destas instituições”.

ZAP // Lusa

PARTILHAR

1 COMENTÁRIO

  1. O que é que os fascizóides do PCP, Bloco de Esquerda, Os Verdes, e Livre vão fazer à manifestação? Que me lembre são esses os partidos que se põem do lado dos criminosos e dos bandidos e contra as forças policiais.

RESPONDER

Idosa de 93 anos recuperou de Covid-19 (e há 6 crianças em estado grave no Dona Estefânia)

Uma mulher de 93 anos que esteve internada em Lisboa, com Covid-19, recuperou da infecção ao cabo de 11 dias. Enquanto isso, há seis crianças com idades entre 4 meses e 17 anos que estão …

"Grande erro" da Europa é não usar máscaras, considera especialista chinês

George Gao, diretor dos Centros de Controlo e Proteção de Doenças da China (CDC), considera que o "grande erro" da Europa no combate à pandemia de covid-19 é o facto de as pessoas não usarem …

Obama critica de Trump. "Cada um de nós deve exigir mais dos nossos líderes"

O ex-Presidente norte-americano, Barack Obama, considerou esta terça-feira que o seu sucessor, Donald Trump, ignorou os avisos sobre os riscos de uma pandemia do novo coronavírus, e recordou o mesmo comportamento quanto às alterações climáticas, …

Covid-19. Hotel cinco estrelas na Austrália vai acolher sem-abrigo

A Austrália vai levar a cabo um projeto piloto que visa retirar das ruas alguns sem-abrigo e transferi-los para hotéis de luxo, protegendo-os assim do novo coronavírus oriundo da China (Covid-19).  O projeto, Hotels With Heart, …

Red Bull equacionou infeção voluntária dos seus pilotos

Um responsável da Red Bull admitiu que propôs aos pilotos da marca austríaca, que participa no Mundial de Fórmula 1, uma estratégia de infeção voluntária de covid-19, visando ficarem imunes no início da temporada. Helmut Marko …

TAP avança com lay-off para 90% dos trabalhadores (e reduz atividade para cinco voos semanais)

Numa mensagem enviada aos seus funcionários, a TAP revelou que vai mesmo avançar com um processo de 'lay-off' para 90% dos trabalhadores e com a redução do período normal de trabalho em 20% para os …

Estado vai devolver 3 mil milhões em reembolsos do IRS

O Estado vai devolver 3 mil milhões de euros aos contribuintes em reembolsos do IRS, cuja entrega arranca esta quarta-feira e se estende até 30 de junho. A informação foi avançada pelo ministro de Estado, …

Há quatro infetados no sistema prisional. Estão todos em isolamento domiciliário

O Ministério da Justiça revelou esta terça-feira que aumentou para quatro o número de infetados com covid-19 no sistema prisional e que estão todos em isolamento domiciliário segundo indicação da saúde pública. Em comunicado, o Ministério …

Sousa Cintra diz que Rafael Leão "não ficou no Sporting porque foi apertado"

Sousa Cintra, ex-líder da SAD do Sporting no tempo da Comissão de Gestão, lamenta a rescisão do jogador Rafael Leão, considerando que "ele não continuou porque foi apertado". O jovem jogador foi, recentemente, condenado a …

Portugal tem há cinco dias os mesmos 43 recuperados. DGS e especialistas explicam porquê

Portugal regista, desde o passado dia 27 de abril, os mesmos 43 recuperados da Covid-19, segundo os boletins epidemiológicos diários da Direção-Geral da Saúde. Questionado pela agência Lusa sobre a estagnação no número de altas hospitalares …