Quando se é pobre, arranjar um emprego ajuda pouco

Paulo Novais / Lusa

Ter um emprego não ajuda as pessoas em situação de pobreza a deixarem essa condição. A conclusão é de uma investigação levada a cabo em Lisboa, com famílias pobres, que constata que encontrar trabalho “não é suficiente” para garantir uma vida condigna.

O estudo “Barómetro de Pessoas que se Encontram em Situação Vulnerável”, elaborado pelo Dinâmia-CET (Centro de Estudos sobre a Mudança Sócio-económica e o Território) do ISCTE — Instituto Universitário de Lisboa, em parceria com o Observatório de Luta Contra a Pobreza na Cidade de Lisboa, vai ser oficialmente apresentado esta terça-feira, mas é antecipado pelo jornal Público.

O projecto acompanha várias pessoas em situação de pobreza, em Lisboa, desde 2011, prolongando-se até 2020.

Até agora, ou seja, em seis anos, das 47 pessoas seguidas, só duas “podem ser consideradas como tendo saído da pobreza”, depois de terem encontrado um emprego que lhes possibilita ganhar “um rendimento suficiente para uma vida condigna”, cita o jornal.

Por outro lado, se em 2011, 12 dessas 47 pessoas seguidas eram classificadas como trabalhadores pobres, em 2017, a classificação estendeu-se a 20.

Os investigadores concluem, assim, que “o trabalho não tira as pessoas da pobreza”, constata o Público. “A inserção no mercado de trabalho é mal remunerada e, embora melhorando a situação económica familiar, não é suficiente”, notam os investigadores.

“O combate à pobreza necessita forçosamente de uma mudança de paradigma”, apontam os autores do estudo, que falam dos elevados preços da habitação como um dos grandes problemas.

Os autores destacam que, embora o “impacto das políticas públicas” seja “positivo até certa medida”, não é suficiente para tirar as pessoas de situação de pobreza, dado o peso de factores como “o mercado de trabalho, a própria economia, o acesso aos serviços e outras coisas que ultrapassam as medidas de política pública”.

Além disso, “a acção dos dispositivos de assistência [da Segurança Social] parece estar insuficientemente articulada com as políticas de emprego“, constatam.

Assim, recomendam a “aposta nas políticas de emprego, nomeadamente por via do apoio ao micro-crédito, a par de orientações estratégicas nas políticas de saúde e protecção social, bem como um acompanhamento social que faça efectivamente a mediação entre os perfis de vulnerabilidade e os recursos disponíveis”, como medidas para resolver o problema.

ZAP //

PARTILHAR

9 COMENTÁRIOS

  1. É certo que nem todas as pessoas foram talhadas para trabalhar, mas a solução talvez passe por distribuir mais abonos e regalias para o mais pobres, mas também para todos aqueles que queiram viver do pensamento, criatividade, procriação e entretenimento, ou seja todos aqueles que não querem entrar no “mercado de escravos” e têm algo mais importante a dar a sociedade, fazendo-a crescer, gerar mais vida, mais oportunidades e fazendo-a sonhar todos os dias. A semelhança do que já se faz com o Desporto ao mais alto nível, um “hobbie tornado profissão”. Por exemplo e no caso de algumas pessoas menos ricas ou menos dotadas e conhecedoras do Letras/Matemáticas e afins mas que nasceram super dotadas para jogar a bola e reis e rainhas do entretenimento – o que se faz? Começa-se a dar oportunidades de os colocar em arenas (tipo gladiadores na arena) e ordenados baixos e depois conforme o talento e o trabalho, mais regalias, dinheiro e rios de dinheiro para que esse “hobbista” (desportista) possa dar frutos e motivo de orgulho a quem lhe paga (patrocinadores, clubes, empresas, sócios…) e assim fazer sonhar o Operário. O Operário tem de trabalhar para quem se sacrifica em condições extremas em favor da sociedade, mas em todas as áreas para haver justiça e equilibrio laboral. Cada “formiga operária” devia sustentar 15 ou 20 “cigarras” e neste momento Portugal está muito longe disso.

  2. Afinal os pobres não são pobres apenas por serem preguiçosos? O trabalho não tira realmente as pessoas da pobreza? Isto é realmente surpreendente! (Not!)

  3. É preciso o Dinâmia-CET para constatar o óbvio! O que será que vão constatar a seguir? Que os pobres não têm dinheiro e que o ricos têm muito? Eh pá… Fazem estudos daquilo que realmente interessa. Não percam tempo a “inventar a roda” porque ela já foi inventada.

RESPONDER

Tony transformou autocarro em Arca de Noé para salvar animais do Florence

Enquanto muitos americanos fugiam do furacão Florence, um camionista de 51 anos fazia o percurso inverso com uma missão em mente. Dentro de um autocarro, Alsup transportou mais de 60 animais da costa da Carolina …

Mais de 500 rinocerontes mortos na África do Sul este ano

A caça furtiva na África do Sul causou a morte a 508 rinocerontes, entre janeiro e agosto deste ano, o que significa um decréscimo no número de espécimes caçados, em relação a 2017, anunciou o …

Número de mortos em naufrágio na Tanzânia sobe para 170

O número de pessoas que morreram no naufrágio de um navio de passageiros no lago Vitória, na Tanzânia, subiu para 170, de acordo com os meios de comunicação locais. As operações de resgate recomeçaram na manhã …

Há um satélite-pescador no espaço

O Satélite britânico RemoveDebris está a navegar no espaço desde junho e lançou com sucesso uma rede em órbita com o objetivo de capturar material que anda à deriva em redor da Terra. O satélite-pescador britânico …

Governo cumpriu “rigorosamente” acordo com setor do táxi

O Ministro Ambiente, João Matos Fernandes, disse este sábado que o governo cumpriu “rigorosamente” o acordo que assinou com a duas associações que representam os taxistas para a modernização do setor. "Não é verdade que se …

Juízes defendem acórdão que desvaloriza violação de mulher inconsciente

A Associação Sindical dos Juízes Portugueses sai em defesa dos dois magistrados, um dos quais o presidente da entidade, que assinaram o acórdão que desvaloriza a gravidade da violação de uma mulher inconsciente, numa discoteca, …

Salas para maiores de 18 anos levam à demissão do director de Serralves

O director artístico do Museu de Arte Contemporânea de Serralves, João Ribas, demitiu-se do cargo depois de a administração ter limitado a maiores de 18 anos uma parte da exposição dedicada ao fotógrafo norte-americano Robert …

Isabel do Santos desmente ação contra João Lourenço mas processo deu entrada no Supremo

Isabel do Santos, filha do antigo Presidente da Angola, desmente ter entrado com uma ação contra o atual Presidente João Lourenço. No entanto, o processo cível contra o Estado deu entrada no Supremo. De acordo …

Arqueólogos fazem "descoberta do Século" no Tejo (e tem pimenta)

Uma equipa de arqueólogos da Câmara Municipal de Cascais, do Projeto Municipal da Carta Arqueológica Subaquática do Litoral, descobriu uma nau que terá naufragado entre 1575 e 1625, e que é considerada a “descoberta do …

ADSE adia implementação de novas regras para tentar acordo com privados

Os hospitais privados e ADSE continuam com o braço de ferro, mas, por agora, os privados não vão deixar de operar beneficiários da ADSE. O boicote anunciado esta manhã foi adiado. Esta manhã, o o semanário …