PJ investiga segunda morte no SEF do aeroporto de Lisboa. Espancamento de Ihor durou 20 minutos

Mário Cruz / Lusa

A Polícia Judiciária está a investigar uma eventual segunda morte no Centro de Instalação Temporária além da de Ilhor Homenyuk, o ucraniano que morreu em março após agressões de três inspetores do Serviço de Estrangeiros e Fronteiras.

A notícia é avançada pela TVI, que refere que a Polícia Judiciária (PJ) está a investigar uma eventual segunda morte no Serviço de Estrangeiros e Fronteiras (SEF) do Aeroporto de Lisboa.

Foi uma mensagem trocada entre vigilantes do aeroporto que levou a PJ a investigar o caso. Na análise feita aos telemóveis apreendidos, o órgão apanhou uma mensagem trocada num grupo de conversação entre os vigilantes do aeroporto, onde uma funcionária da PRESTIBEL levanta a suspeita.

Este já é o segundo no meu turno“, lia-se na mensagem.

De acordo com a TVI, esta nova investigação surge após o Ministério Público (MP) ter extraído uma certidão para apurar eventuais crimes de falsificação de documento, uma vez que o auto de notícia da morte do cidadão ucraniano, em março, dá conta de que os inspetores do SEF declararam que a vítima sofreu uma doença súbita que lhe tirou a vida.

Em causa estará uma alegada falsificação do auto do óbito de Ilhor Homenyuk, que declarava que a morte fora por epilepsia.

No entanto, a autópsia refere que o cidadão ucraniano faleceu por asfixia mecânica depois de sucessivas agressões com socos pontapés e pancadas de bastões às mãos dos três inspetores do SEF. Nesta nova investigação, tanto o MP como a PJ temem que, num eventual segundo caso, as causas da morte tenham sido camufladas da mesma forma.

O Observador adianta que, até ao momento, não há registo de outra morte no aeroporto que possa explicar o conteúdo da mensagem, mas a PJ não afasta para já a tese de um segundo homicídio.

A nova investigação foi conhecida esta quarta-feira na sequência da acusação do Ministério Público aos três inspetores do SEF pelo homicídio de Ihor Homenyuk. Os inspetores vão responder, cada um, por um crime de homicídio qualificado em coautoria e crime de posse de arma proibida.

Espancamento de Ihor Homenyuk durou 20 minutos

O Expresso teve acesso à acusação do Ministério Público, que detalha que a entrevista ao imigrante ucraniano, que chegou a Portugal no dia 10 de março, foi feita por um inspetor que não falava a língua e por uma colega que fala ucraniano mas não está habilitada para fazer traduções.

Ihor Hamenyuk foi impedido de entrar em território nacional porque terá dito que queria trabalhar e não tinha visto para tal. No entanto, o procurador Óscar Ferreira considera que existem “sérias dúvidas” de que o ucraniano tenha, de facto, dito que vinha trabalhar.

Depois de ter regressado do hospital, por causa de um falso ataque epiléptico, Ihor recusou-se a apanhar um avião de volta a Istambul, de onde tinha vindo, e foi para o Centro de Acolhimento Temporário do SEF. Aí, foi algemado por inspetores do SEF e isolado na sala Médicos do Mundo.

Um enfermeiro administrou-lhe calmantes, mas, quando acordou, estava novamente agitado. “Sem terem autorização para tal“, dois seguranças da PRESTIBEL ataram-lhe as pernas e os braços com fita adesiva e chamaram inspetores do SEF, que substituíram a fita por lençóis. O MP diz que isto “aumentou o estado de ansiedade de Ihor”.

Às 8h15 do dia 12 de março, os inspetores do SEF dirigiram-se à sala, voltaram a algemar Ihor e “desferiram no corpo do ofendido número indeterminado de socos e pontapés”. “Também com um bastão extensível, continuaram a desferir pontapés e várias pancadas” enquanto “aos gritos lhe exigiam que ficasse quieto”.

De acordo com o Expresso, o espancamento durou vinte minutos. O MP diz que o “temor reverencial” dos seguranças impediu que a situação fosse imediatamente denunciada.

Às 16h43, dois inspetores do SEF foram à sala para tentar que Ihor embarcasse noutro voo, mas encontraram-no sem reação. “Decorridas algumas horas”, o INEM foi chamado e o óbito declarado às 18h40.

A autópsia dá conta de que Ihor morreu por causa de inúmeras lesões traumáticas e hemorragias internas “provocadas pelas agressões” dos três inspetores. O MP acusa-os de homicídio qualificado por considerar que se conformaram com as possíveis consequências fatais das agressões.

A pena para este tipo de crime é de 25 anos de prisão, o máximo previsto na lei.

ZAP ZAP //

PARTILHAR

4 COMENTÁRIOS

  1. Há por ai demasiados vigilantes nos supermercados e outros locais armados em palhaços. Quando começarem a levar chumbo também ficam mais calmos

    • Realmente é verdade, o poder sobe-lhes à cabeça. Só porque têm um distintivo e licença de porte de arma julgam-se uns deuses, no fundo no fundo são uns ignorantes. Graças a Deus que não são a maioria caso contrário isto estava mesmo muito mal.

  2. Nem há espaço suficiente nos comentários para descrever a quantidade de crimes cometidos pelas criaturas do SEF e PRESTIBEL. Quererem enviá-lo embora sem terem uma razão legalmente válida para tal é logo à partida muito suspeito. Para além disso nenhuma das criaturas tinha qualificações para saber o que se passava com o Ucrâniano e até o enfermeiro que lhe administrou calmantes sem saber sequer se realmente o poderia fazer (pois a condição médica do referido Ucrâniano pelos vistos não era conhecida – há pessoas a quem alguns tipos de calmantes podem provocar ataques ou até funcionar ao contrário). Por fim a violência digna de um país sub-desenvolvido mostra que o SEF do aeroporto e a PRESTIBEL precisam de ser urgentemente investigados relativamente a todos os casos recentes ligados a todos os envolvidos neste episódio. Mostra igualmente que o SEF precisa de ser vigiado mais de perto pois estou certo de que se isto aconteceu haverão muitos casos de outros “Ucrânianos” que são espancados até aceitarem sair do país, mesmo que legalmente não tivessem obrigados a sair do nosso país (como era aqui o caso). Ao serem enviados para outro lado com eles vão as provas dos crimes de espancamento cometido. Quantos serão? Dezenas? Centenas? Milhares? Onde estão os outros Ihor que sobreviveram até hoje? Onde estão os outros Ihor que sobreviveram a viagem de regresso para morrer em outro país com as hemorragias internas?

RESPONDER

SOS Rio Paiva pede que se limite o número de visitantes à ponte e Passadiços do Paiva

A associação SOS Rio Paiva manifestou-se preocupada com o aumento da pressão turística e com a poluição, na sequência da inauguração da ponte suspensa em Arouca, e pediu que se limite o número de visitantes. A …

O seu antigo número de telemóvel pode ser usado para pirateá-lo

O seu antigo número de telemóvel pode ser usado para pirateá-lo, caso este ainda esteja associado a contas em sites ou redes sociais. Embora milhões de números de telemóvel sejam desconectados todos os anos, um novo …

Ataque à bomba contra escola feminina em Cabul faz 30 mortos e 79 feridos

A explosão de uma bomba junto a uma escola secundária para raparigas na zona ocidental de Cabul fez hoje pelo menos 30 mortos e 79 feridos, segundo um novo balanço feito pelas autoridades afegãs. “O número …

Tamám Shud. Exumação de corpo pode resolver um estranho mistério com 70 anos

As autoridades da Austrália aprovaram uma exumação do corpo de Tamám Shud - ou "Homem de Somerton" - e, em breve, o mistério de 70 anos pode estar resolvido. Em 30 de novembro de 1948, vários …

Costa, Von der Leyen na Cimeira Social no Porto

Vacinação no bom caminho com 25% da população da UE vacina

A Comissão Europeia anunciou este sábado que 200 milhões de doses de vacinas anticovid-19 chegaram já à União Europeia (UE) e 160 milhões de europeus já receberem a primeira dose, levando a que a vacinação …

Libertados nos EUA os primeiros mosquitos geneticamente modificados

Foi a primeira vez que mosquitos geneticamente modificados foram libertados nos Estados Unidos. O objetivo é suprimir populações de mosquitos transmissores de doenças. De acordo com o site Live Science, a empresa de biotecnologia Oxitec lançou …

Descobertos os restos de nove Neandertais numa gruta em Itália

Os restos de nove Neandertais foram descobertos na Gruta de Guattari, em San Felice Circeo, na costa entre Roma e Nápoles, onde já tinham sido encontrados vestígios da presença Neandertal, anunciou este sábado o ministro …

Leis draconianas na Malásia. Fahmi Reza foi detido por insultar a rainha com playlist no Spotify

A sátira desempenha um importante papel na sociedade. Na Malásia, as leis draconianas estão a reacender o debate em torno da liberdade de expressão. Fahmi Reza, um artista gráfico e ativista social malaio, foi detido no …

António Barreto

Portugal vai ter "um problema de cor de pele" (por muitos anos e com conflitos)

O sociólogo António Barreto considera que Portugal vai "ter um problema" de "cor de pele" e "por muitos anos". Uma ideia defendida numa entrevista onde se reporta para "o que se passa em toda a …

Um laboratório vivo. Há residentes "superimunes" à covid-19 numa pequena cidade italiana

A pequena cidade de Vo, no norte de Itália, tornou-se um dos primeiros locais com um surto de covid-19 da Europa em fevereiro de 2020. Agora, os cientistas descobriram que a cidade abriga um número …