PJ investiga segunda morte no SEF do aeroporto de Lisboa. Espancamento de Ihor durou 20 minutos

Mário Cruz / Lusa

A Polícia Judiciária está a investigar uma eventual segunda morte no Centro de Instalação Temporária além da de Ilhor Homenyuk, o ucraniano que morreu em março após agressões de três inspetores do Serviço de Estrangeiros e Fronteiras.

A notícia é avançada pela TVI, que refere que a Polícia Judiciária (PJ) está a investigar uma eventual segunda morte no Serviço de Estrangeiros e Fronteiras (SEF) do Aeroporto de Lisboa.

Foi uma mensagem trocada entre vigilantes do aeroporto que levou a PJ a investigar o caso. Na análise feita aos telemóveis apreendidos, o órgão apanhou uma mensagem trocada num grupo de conversação entre os vigilantes do aeroporto, onde uma funcionária da PRESTIBEL levanta a suspeita.

Este já é o segundo no meu turno“, lia-se na mensagem.

De acordo com a TVI, esta nova investigação surge após o Ministério Público (MP) ter extraído uma certidão para apurar eventuais crimes de falsificação de documento, uma vez que o auto de notícia da morte do cidadão ucraniano, em março, dá conta de que os inspetores do SEF declararam que a vítima sofreu uma doença súbita que lhe tirou a vida.

Em causa estará uma alegada falsificação do auto do óbito de Ilhor Homenyuk, que declarava que a morte fora por epilepsia.

No entanto, a autópsia refere que o cidadão ucraniano faleceu por asfixia mecânica depois de sucessivas agressões com socos pontapés e pancadas de bastões às mãos dos três inspetores do SEF. Nesta nova investigação, tanto o MP como a PJ temem que, num eventual segundo caso, as causas da morte tenham sido camufladas da mesma forma.

O Observador adianta que, até ao momento, não há registo de outra morte no aeroporto que possa explicar o conteúdo da mensagem, mas a PJ não afasta para já a tese de um segundo homicídio.

A nova investigação foi conhecida esta quarta-feira na sequência da acusação do Ministério Público aos três inspetores do SEF pelo homicídio de Ihor Homenyuk. Os inspetores vão responder, cada um, por um crime de homicídio qualificado em coautoria e crime de posse de arma proibida.

Espancamento de Ihor Homenyuk durou 20 minutos

O Expresso teve acesso à acusação do Ministério Público, que detalha que a entrevista ao imigrante ucraniano, que chegou a Portugal no dia 10 de março, foi feita por um inspetor que não falava a língua e por uma colega que fala ucraniano mas não está habilitada para fazer traduções.

Ihor Hamenyuk foi impedido de entrar em território nacional porque terá dito que queria trabalhar e não tinha visto para tal. No entanto, o procurador Óscar Ferreira considera que existem “sérias dúvidas” de que o ucraniano tenha, de facto, dito que vinha trabalhar.

Depois de ter regressado do hospital, por causa de um falso ataque epiléptico, Ihor recusou-se a apanhar um avião de volta a Istambul, de onde tinha vindo, e foi para o Centro de Acolhimento Temporário do SEF. Aí, foi algemado por inspetores do SEF e isolado na sala Médicos do Mundo.

Um enfermeiro administrou-lhe calmantes, mas, quando acordou, estava novamente agitado. “Sem terem autorização para tal“, dois seguranças da PRESTIBEL ataram-lhe as pernas e os braços com fita adesiva e chamaram inspetores do SEF, que substituíram a fita por lençóis. O MP diz que isto “aumentou o estado de ansiedade de Ihor”.

Às 8h15 do dia 12 de março, os inspetores do SEF dirigiram-se à sala, voltaram a algemar Ihor e “desferiram no corpo do ofendido número indeterminado de socos e pontapés”. “Também com um bastão extensível, continuaram a desferir pontapés e várias pancadas” enquanto “aos gritos lhe exigiam que ficasse quieto”.

De acordo com o Expresso, o espancamento durou vinte minutos. O MP diz que o “temor reverencial” dos seguranças impediu que a situação fosse imediatamente denunciada.

Às 16h43, dois inspetores do SEF foram à sala para tentar que Ihor embarcasse noutro voo, mas encontraram-no sem reação. “Decorridas algumas horas”, o INEM foi chamado e o óbito declarado às 18h40.

A autópsia dá conta de que Ihor morreu por causa de inúmeras lesões traumáticas e hemorragias internas “provocadas pelas agressões” dos três inspetores. O MP acusa-os de homicídio qualificado por considerar que se conformaram com as possíveis consequências fatais das agressões.

A pena para este tipo de crime é de 25 anos de prisão, o máximo previsto na lei.

ZAP ZAP //

PARTILHAR

4 COMENTÁRIOS

  1. Há por ai demasiados vigilantes nos supermercados e outros locais armados em palhaços. Quando começarem a levar chumbo também ficam mais calmos

    • Realmente é verdade, o poder sobe-lhes à cabeça. Só porque têm um distintivo e licença de porte de arma julgam-se uns deuses, no fundo no fundo são uns ignorantes. Graças a Deus que não são a maioria caso contrário isto estava mesmo muito mal.

  2. Nem há espaço suficiente nos comentários para descrever a quantidade de crimes cometidos pelas criaturas do SEF e PRESTIBEL. Quererem enviá-lo embora sem terem uma razão legalmente válida para tal é logo à partida muito suspeito. Para além disso nenhuma das criaturas tinha qualificações para saber o que se passava com o Ucrâniano e até o enfermeiro que lhe administrou calmantes sem saber sequer se realmente o poderia fazer (pois a condição médica do referido Ucrâniano pelos vistos não era conhecida – há pessoas a quem alguns tipos de calmantes podem provocar ataques ou até funcionar ao contrário). Por fim a violência digna de um país sub-desenvolvido mostra que o SEF do aeroporto e a PRESTIBEL precisam de ser urgentemente investigados relativamente a todos os casos recentes ligados a todos os envolvidos neste episódio. Mostra igualmente que o SEF precisa de ser vigiado mais de perto pois estou certo de que se isto aconteceu haverão muitos casos de outros “Ucrânianos” que são espancados até aceitarem sair do país, mesmo que legalmente não tivessem obrigados a sair do nosso país (como era aqui o caso). Ao serem enviados para outro lado com eles vão as provas dos crimes de espancamento cometido. Quantos serão? Dezenas? Centenas? Milhares? Onde estão os outros Ihor que sobreviveram até hoje? Onde estão os outros Ihor que sobreviveram a viagem de regresso para morrer em outro país com as hemorragias internas?

RESPONDER

Peru está a investigar se a lixívia pode curar a covid-19

O congresso do Peru votou para investigar se beber ou injetar uma lixívia industrial poderia curar a covid-19. A moção foi aprovada com 49 votos a favor e 39 votos contra. Está a ser criado um …

Há vestígios de ouro nesta imagem de satélite

As operações de mineração num dos maiores depósitos de ouro da Rússia, em Aldan, incluem um método que deixa rastos na paisagem. E são visíveis do Espaço. A imagem de satélite, tirada em setembro de 2019, …

Dezenas de corpos de vítimas de covid-19 encontrados nas margens do rio Ganges

Ciclone Tauktae faz pelo menos 33 mortos na Índia (e paralisa vacinação contra covid-19)

Pelo menos 33 pessoas morreram e quase cem estão desaparecidas na Índia, devido ao impacto do ciclone Tauktae, esta terça-feira. O país também registou o maior número de mortes diárias provocadas pela covid-19. Centenas de milhares …

Cientistas criam dispositivos de testagem que produzem resultados em tempo recorde

Cientistas criaram dispositivos que permitem detetar infeção com o coronavírus SARS-CoV-2 num segundo ou em menos de 30 minutos, conforme a técnica usada, revelam dois estudos distintos divulgados esta terça-feira na imprensa da especialidade. Investigadores das …

CP está a vender bilhetes com 80% de desconto

A CP tem uma nova campanha, que entra em vigor esta terça-feira, através da qual disponibiliza cerca de 17.920 viagens com descontos até 80% nos comboios intercidades. De acordo com o jornal Público, os bilhetes abrangidos …

Mais de 40 pessoas, quase todas crianças, no hospital de Beja com vómitos

Um total de 35 crianças e seis adultos oriundos de diversas escolas do concelho de Beja deram esta terça-feira entrada no Hospital José Joaquim Fernandes, naquela cidade alentejana. A notícia foi avançada por fonte hospitalar, que …

Novo Banco. "Não era um banco bom, foi preciso fazer dele um bom banco", diz Centeno

O governador do Banco de Portugal, Mário Centeno, afirmou esta terça-feira que o Novo Banco “não era um banco bom” e “foi preciso fazer dele um bom banco”, recordando o “legado do BES” que marca …

Ensino superior com vagas especiais para lusodescendentes

O Governo alargou o contingente especial de acesso ao ensino superior dirigido a emigrantes e seus familiares permitindo que, no próximo ano letivo, se possam candidatar todos os lusodescendentes, de nacionalidade portuguesa e residentes no …

Países admitem criação de lotaria europeia do património

A ministra portuguesa da Cultura, Graça Fonseca, disse esta terça-feira que os Estados-membros da União Europeia (UE) admitem a criação de uma lotaria europeia do património, como a que arranca hoje em Portugal, para angariar …

Costa pede fim dos ataques de Israel a enclaves palestinianos

O primeiro-ministro, António Costa, defendeu hoje o fim dos ataques de Israel aos enclaves palestinianos na Cisjordânia e na Faixa de Gaza, para que se possa regressar a um caminho em que “a paz seja …