PGR de Angola quer julgar portugueses em Luanda (e admite ir atrás de outros “poderosos”)

Mário Cruz / Lusa

O procurador-geral da República de Angola, Hélder Pitta Grós, considerou, em entrevista ao jornal Expresso, que os os três arguidos portugueses envolvidos na investigação à empresária Isabel dos Santos devem ser julgados em Angola.

“Nós achamos que deveriam ser julgados em Angola, agora não sabemos qual será a posição que o Governo português virá assumir”, disse ao semanário, dando conta que, até agora, não houve nenhum pedido para que fossem julgados em Portugal.

O jornal Observador recorda que o acordo de extradição entre Portugal e Angola não prevê a entrega de cidadãos contra a sua vontade e, por isso, este cenário só se colocará se os três portugueses envolvidos nesta investigação não se opuserem.

Os dados divulgados no “Luanda Leaks” indicam três portugueses alegadamente envolvidos de forma direta nos esquemas financeiros de Isabel dos Santos: Paula Oliveira (administradora não-executiva da Nos e diretora de uma empresa offshore no Dubai), Mário Leite da Silva (CEO da Fidequity, empresa com sede em Lisboa detida por Isabel dos Santos e o seu marido), o advogado Jorge Brito Pereira e Sarju Raikundalia (administrador financeiro da Sonangol).

Destes, três foram constituídos arguidos: Mário Leite da Silva, Paulo Oliveira e Raikundalia.

Questionado sobre se admite investigar outras pessoas em Angola, como  como Manuel Vicente, Manuel Hélder Vieira Dias (Kopelipa), o general Leopoldino Fragoso Nascimento ou Fernando Miala, Hélder Pitta Grós respondeu afirmativamente.

“Sempre que tivermos factos que revelem isso instauraremos os devidos processos-crimes. Em relação a essas figuras, ainda não temos matéria suficiente (…) Desde que surjam factos relevantes para tal, não são só esses como todos”, disse.

PGR admite recorrer à Europol e Interpol

À agência Lusa, a quem deu uma entrevista também esta sexta-feira, o PGR de Angola disse que poderá recorrer à Interpol e Europol e a outros tipos de cooperação internacional, para as investigações de processos em curso ou que possam surgir.

“Quando há necessidade de recorrer à cooperação internacional temos que usar todos os instrumentos legais que existem e, portanto, Interpol, Europol e tudo o que for necessário iremos utilizar”, afirmou à Lusa Helder Pitta Grós.

Até agora, garantiu que não recorreu a essas autoridades policiais: “Neste momento, ainda não o fizemos”, mas “quando for necessário faremos isso”. Para o PGR angolano, Angola “está numa fase inicial de investigação aos factos que foram revelados recentemente. Por isso, “ainda não houve tempo suficiente para podermos para explorar tudo”, referiu.

Mas “o foco não está só” no processo que envolve a empresária Isabel dos Santos, garantiu o PGR de Angola, que está em Lisboa desde quinta-feira, dia em que se reuniu com a sua homóloga portuguesa, Lucília Gago. “Temos em trabalho muitos outros processos. E alguns até irão para tribunal mais cedo do que a conclusão deste”, considerou Pitta Grós.

Segundo explicou, porque processos como o que está em curso, “pela sua natureza e complexidade, necessidade de ter meios próprios para trabalhar nele, humanos principalmente, não são fáceis de um dia para o outro de serem concluídos e de serem submetidos ao tribunal”. “Os meios nunca são suficientes, porque as pessoas que incorrem nessa prática de ilícitos estão sempre muito mais à frente, por isso não podemos acompanhar o ritmo deles nem temos os meios e, como tal, é uma luta constante”.

Por isso, Hélder Pitta Grós admitiu que a PGR angolana tem pedido apoio, até mesmo de técnicos, a outros países na área da investigação. As férias judiciais, que ocorrerão em março em Angola, que acabam por suspender os prazos são, porém, para o PGR uma vantagem que a justiça angolana pode ter neste processo.

“Em termos práticos até ocorrem num bom momento para nós. Dá-nos mais tempo para a elaboração da ação principal, de podermos fazer uma ação melhor estruturada, melhor argumentada”, porque as férias acabam por suspender os prazos.

ZAP ZAP // Lusa

PARTILHAR

10 COMENTÁRIOS

  1. AhAHAhAh!
    Será que os pretos tem uma Justiçs de melhor “qualidade” que a portuguesa?!?!?!
    Ó hipopotamo vai lá tomar banho num charco de trampa!

  2. mas o que isto afinal?
    Portugal é um Provincia de Angola?
    Afinal o que é que esse tipo veio cá fazer?
    Veio chantagear Portugal e as Insitutições portuguesas?
    Não é “ingerencia nos assunto internos” de Portugal?
    Veio cá “dar ordens”?
    *Portugal vai expatrair portugueses para serem julgados por Paises Estrangeiros?
    O PR, mutio esbabacado com as suas origens Africanas, está a dar a “cobertura” à inteferencia e humilhação que este tipo está a fazer?
    A Van Dunnen, por via da suas origens raciais, está também a promover a traição ao Estado Portugues?
    Ponham todos mas é no olho RUA!

  3. Que grande lata! Estes angolanos presunçosos e corruptos não quiseram que o chefe Manuel Vicente fosse julagdo em Portugal pelas presumíveis práticas corruptas que desenvolveu e agora veem pedir que os portugueses sejam levados para Angola para aí serem julgados? Inventaram o “irritante” para protegerem o conselheiro do atual presidente de angola, mas as autoridades portuguesas que se colocam sempre de cócoras perante os petrodolares angolanos que agora não valem nada, os diamantes e outras riquezas que se habituaram a sacar de lá têm de aproveitar esta oportunidade para mostrarem alguma dignidade. A esmagadora maioria dos dirigentes daquele país que pertencem todos ao mesmo partido organizaram-se com dinheiros públicos, daí que Portugal não se deve meter nesta guerra fraticida entre os corruptos de Angola.

  4. Se bem entendo os senhores de Angola sentem-se no dever de ter mais direitos que os outros, recusaram e fizeram guerra diplomática e económica contra Portugal com o caso do senhor Manuel Vicente, agora já lhes agradava caçarem lá os portugueses possivelmente até para os condenar a principais culpados de toda a corrupção que assolou o MPLA em que nas chefias todos se encheram e passaram a ser donos da riqueza do país. Grande lição como de facto no comunismo se é alérgico ao capital e como este é repartido a favor do povo. Nada disto surpreende a quem estiver um pouco mais atento ao rumo de África!.

  5. Acho bem!
    É entregar esses mafiosos a Angola, já que era de lá que esses bando de ladrões engravatados ajudaram a sacar os milhões!…

  6. A Isabel dos Santos disse que não foi ouvida, não teve direito a defesa, nem sequer sabe de nenhum Processo.
    E isto é que é a Justiça Angolana. Grande Justiça.
    E, querem “julgar” portugueses dessa maneira, “num quarto fechado e às escondidas”.
    Olhe que a “Defesa do Povo”, a “Defesa dos Trabalhadores”, a “Perseguição aos Poderosos” e a Perseguição aos Ricos”, em PT (penso eu) e na EUropa e no Mundo Civilizado NAO CONFERE Poderes especiais.
    E os tugas vão atrás de semelhante criatura.
    Diz-me com quem andas, dir-te-ei quem és.
    PT corre o risco de ser qualificado como Pais Africana da UE. Retornados aldraboes já cá temos aos montes, pelos menos.

RESPONDER

O mistério das anãs brancas com campos magnéticos incrivelmente fortes pode ter sido resolvido

Uma equipa internacional de cientistas acredita ter desvendado o mistério dos campos magnéticos incrivelmente fortes em anãs brancas: um mecanismo de dínamo. Um dos fenómenos mais marcantes da Astrofísica é a presença de campos magnéticos. Como …

Nova Iorque quer oferecer vacina aos turistas. Miami vai começar a vacinar no aeroporto

Em Nova Iorque os turistas irão receber a vacina da Johnson & Johnson e em Miami a vacina da Pfizer. Com o objetivo de reativar o turismo na cidade, as autoridades de Nova Iorque querem oferecer …

Carta misteriosa escrita por passageira do Titanic está a intrigar os peritos

Uma equipa de investigadores está a tentar desvendar um mistério que envolve uma carta que terá sido escrita por uma jovem a bordo do Titanic na véspera do naufrágio. Uma família encontrou a carta numa garrafa …

Violência na Colômbia preocupa comunidade internacional

Várias cidades colombianas continuam a ser palco de violentas manifestações contra o Governo do país, mas são reprimidas com força pela polícia e por militares. As manifestações começaram em forma de protesto contra uma reforma tributária …

Veterana de Bletchley Park tem um novo código da 2.ª Guerra para decifrar (mas precisa de ajuda)

Um casal que encontrou mensagens codificadas da II Guerra Mundial sob o assoalho está tentar decifrá-las com a ajuda do seu vizinho, um decifrador de códigos de Bletchley Park. John e Val Campbell encontraram um esconderijo …

"Caixas mistério" com animais de estimação geram indignação na China

Uma nova moda conhecida como "caixa mistério" ganhou popularidade na China. O método consiste em fazer uma encomenda através da internet e é enviada, pelo correio, uma caixa com um animal de estimação. Estas encomendas estão …

Arquivos da polícia do Estado Islâmico revelam como era a vida sob o califado

Arquivos da polícia do Estado Islâmico, conhecida como shurta, revelam como era a vida sob o califado. Os polícias eram tão bem pagos que não podiam ser subornados. Não é sempre que os regimes mirram …

Barco português detido por ancorar ilegalmente em águas da Malásia

Um navio mercante registado em Portugal está retido na Malásia por ter alegadamente ancorado em águas territoriais do país sem autorização, avançou esta sexta-feira a Guarda Costeira malaia. Num comunicado, Nurul Hizam Zakaria, diretor da agência …

”Eficácia e qualidade”. OMS aprova vacina chinesa da Sinopharm

A Organização Mundial da Saúde (OMS) aprovou, esta sexta-feira, o uso de emergência da vacina chinesa contra a covid-19 da Sinopharm. Trata-se da primeira vacina desenvolvida pela China a ser aprovada pela organização, lembra a agência …

Sem estado de emergência não pode haver confinamento de pessoas saudáveis

O constitucionalista Jorge Reis Novais defendeu hoje que sem estado de emergência que suspenda a garantia do artigo 27.º da Constituição não pode haver confinamento de pessoas saudáveis, até uma eventual revisão constitucional. Por outro lado, …