Petróleo derramado no Brasil foi extraído de três campos venezuelanos, diz Petrobras

A Petrobras assegura que as análises realizadas ao petróleo derramado no litoral do nordeste do Brasil revelam que se trata de uma mistura extraída de três campos na Venezuela.

A estatal brasileira Petrobras disse, este sábado, que as análises feitas pela empresa ao petróleo derramado no litoral do nordeste do país concluíram que se trata de uma mistura extraída de três campos na Venezuela.

O diretor de Assuntos Corporativos da Petrobras, Eberaldo Neto, declarou em conferência de imprensa que a estatal analisou cerca de 30 amostras do petróleo recolhidas das praias nordestinas brasileiras.

“Fizemos análise em mais de 30 amostras e concluímos que é de três campos venezuelanos, um ‘blend’ [mistura] do petróleo de lá”, afirmou Eberaldo Neto à imprensa, num encontro que tinha como intuito detalhar os resultados da companhia no terceiro trimestre. “A origem do derrame é outra coisa, entendemos que foi na costa brasileira”, acrescentou o diretor de Assuntos Corporativos, frisando que as investigações apontam como provável origem um navio.

O gestor disse ainda que a Petrobras acompanha desde setembro, ocasião em se começaram a avistar as primeiras manchas de petróleo na costa brasileira, as ações de recolha da substância.

O petróleo entrou “numa corrente marítima que vem da África” e que no estado de Pernambuco “se bifurca”, situação que levou o petróleo tanto para a costa norte com para a sul de todo o litoral nordeste, esclareceu.

“Provavelmente foi um navio que por ali passou e as autoridades estão a investigar”, disse Neto, que também apontou, como igualmente já tinham dito membros do Governo e da Marinha, que o petróleo se move para uma profundidade que não é possível ser detetada por satélites, radares ou através de navios ou aeronaves.

“É praticamente impossível conter esse petróleo com barreiras e outros instrumentos, e o mecanismo de captura da substância apenas ocorre quando a maré e a corrente a atiram para a praia”, explicou.

Na quarta-feira, por decisão de Jair Bolsonaro, o Brasil pediu formalmente à Organização dos Estados Americanos que a Venezuela se manifeste acerca do derrame, segundo anunciou o ministro da Meio Ambiente, Ricardo Salles, numa mensagem por rádio e televisão.

Em 10 de outubro, a petrolífera estatal venezuelana PDVSA negou ser responsável pelas manchas de petróleo que já poluíram mais de 130 praias no nordeste do Brasil, em resposta às acusações de Ricardo Salles.

O último balanço do Ibama, órgão regulador do meio ambiente do Governo brasileiro, indica que os resíduos de petróleo já atingiram 201 localidades em 74 municípios dos nove estados do nordeste do Brasil. No total, 525 toneladas de petróleo foram recolhidas.

Segundo o comandante de Operações Navais da Marinha, almirante Leonardo Puntel, que visitou o estado de Pernambuco no domingo, o derramamento de petróleo teve origem “no Oceano Atlântico, entre 500 a 600 quilómetros” da costa brasileira.As manchas de petróleo no mar e nas praias brasileiras já mataram tartarugas marinhas, pássaros, golfinhos e crustáceos.

Segundo especialistas, o petróleo nas águas do Atlântico da costa brasileira ameaça espécies animais, algumas delas em risco de extinção como o peixe-boi, e pode contaminar a cadeia alimentar.

// Lusa

PARTILHAR

1 COMENTÁRIO

RESPONDER

Estados Unidos podem vir a acusar Cilia Flores, mulher de Maduro, por narcotráfico

Os Estados Unidos podem vir a acusar formalmente a mulher do presidente venezuelano, Nicolás Maduro, por crimes de tráfico de droga e corrupção. A notícia foi avançada esta quarta-feira pela Reuters, que cita quatro fontes diferentes. …

PSD quer lay-off até final do ano e Estado menos "dorminhoco"

O PSD apresentou hoje um conjunto de 26 "ideias e sugestões" na área social, incluindo o prolongamento do 'lay-off' simplificado até ao final do ano, a reafetação de recursos na administração pública e um Estado …

Trump prepara ordem executiva contra redes sociais. Quer reduzir proteções legais das empresas

O Presidente norte-americano, Donald Trump, vai assinar esta quinta-feira uma ordem executiva sobre as redes sociais, anunciou a Casa Branca, dois dias depois de o Twitter ter assinalado mensagens de Donald Trump com alertas de …

Mais 13 mortes e 304 novos casos. Reabertura da economia em Lisboa questionada

Embora a região Norte continue a ser a mais afetada pela pandemia, a situação na região da Grande Lisboa tem piorado. O Governo está a estudar o adiamento de algumas medidas de reabertura da economia …

Queixas de consumidores sobre vendas online sobem 250%

A Associação de defesa de consumidores Deco recebeu 3.500 reclamações relativas a compras online entre janeiro e maio, um aumento de 250% face ao número registado em igual período do ano anterior. Paulo Fonseca, da Deco, …

Alto político russo demitido por Vladimir Putin recorre ao Supremo

Um alto responsável político russo, demitido pelo Presidente Vladimir Putin em janeiro devido a acusações de vários escândalos, contestou a decisão perante a mais alta instância judicial do país. É a primeira vez em vinte anos …

Moratória do Estado poderá ser alargada ao crédito pessoal e aos emigrantes

O Governo está a preparar uma revisão da moratória pública do crédito, que será estendida no tempo e incluirá outras categorias de financiamento, passando ainda a abranger as casas dos emigrantes e o crédito ao …

Lone Star põe Novo Banco em Espanha à venda

O presidente executivo do Novo Banco já terá informado os trabalhadores da sucursal espanhola que o negócio vai para a frente. A notícia foi avançada, esta quarta-feira, pelo jornal El Confidencial. O fundo norte-americano Lone Star …

Autoridades preparam encerramento dos cafés no bairro da Jamaica para conter surto

As autoridades de saúde estão a preparar o encerramento dos cafés no bairro da Jamaica, no Seixal, para conter o surto de covid-19 detetado entre os moradores. A informação foi avançada à agência Lusa pelo delegado …

Aviação continua a despedir. EasyJet vai dispensar um terço dos trabalhadores

A companhia aérea britânica EasyJet anunciou a redução de 4.500 postos de trabalho, quase um terço dos seus efetivos, para fazer face à pandemia. A EasyJet, cuja atividade está parada há semanas, diz que desta forma …