“Petróleo branco” pode tornar Portugal em potência dos carros eléctricos

(dr) Dakota Minerals

Prospecção de lítio em Montalegre – instalação da empresa australiana Novo Lítio, antiga Dakota Minerals.

Portugal tem “muito potencial” para se tornar num líder de mercado na produção de baterias para carros eléctricos, graças às suas ricas reservas de lítio, o chamado “petróleo branco”. Mas não se pense que o lítio “vai fazer de Portugal uma economia rica”, alerta um especialista.

Martim Facada, especialista português em lítio do grupo Metal Bulletin, que avalia as cotações mundiais de minerais e metais, considera que a exploração de lítio vai criar “emprego qualificado e desenvolver as regiões em torno das minas”, mas “não vai fazer de Portugal uma economia rica”, alerta em entrevista ao Dinheiro Vivo.

“Portugal ainda está numa fase júnior na exploração de lítio, mas tem muito potencial“, considera o especialista numa altura em que o preço do quilo do carbonato de lítio, que é usado nas baterias eléctricas, se situa nos 23,30 dólares, escreve o jornal online.

Este valor elevado, que triplicou nos últimos anos, foi impulsionado pelo incremento na produção de carros eléctricos. E é neste âmbito que Martim Facada acredita que Portugal se pode tornar numa potência.

Mas para isso é preciso que haja “um acordo entre uma empresa que explore lítio em Portugal com uma fabricante automóvel“, cenário que poderá permitir depois “construir fábricas no país”, constata.

“Com os preços altos, os investidores estão interessados em aplicar alguns milhões no desenvolvimento de uma mina para depois, por exemplo, assinarem um contrato com fabricantes automóveis, como a BMW, Volkswagen, Mercedes ou Renault, e venderem em exclusivo os derivados de lítio com grau bateria”, explica o analista.

Martim Facada prevê que, nos próximos anos, “os grandes produtores vão continuar a ser chineses, mas a Europa já está a acordar e o mercado vai ganhar relevância”. “França e Alemanha tomaram medidas no ano passado, o que é bom para Portugal, porque está próximo dos consumidores“, considera.

O Governo português está a tentar estimular o sector e tem previsto lançar, até ao final de Junho, os primeiros concursos públicos para a exploração de lítio em Portugal.

A febre do chamado “ouro do século XXI” já originou uma guerra entre uma empresa portuguesa e uma australiana, por divergências quanto ao direito de exploração do lítio, que continua em tribunal.

ZAP //

PARTILHAR

7 COMENTÁRIOS

  1. O mais provável será ficarmos pela exploração em mãos estrangeiras e todo o minério sair porta fora sem que mais riqueza produza no nosso país, normalmente é assim que os políticos portugueses defendem os nossos interesses.

  2. É melhor se apressarem, porque já estão em desenvolvimento novas tecnologias que vão substituir o lítio nas baterias e que serão bem mais eficientes!

  3. A fabricação e reciclagem de baterias é ainda mais poluente que milhões de veículos a combustível, daqui a uns tempos também ficará notável..

    • Estou completamente de acordo com o que escreveu, mas pecou não por excesso mas por defeito. Uma das principais preocupações de muitos países industrializados tem sido a reciclagem das pilhas e baterias para retirar os metais pesados (venenosos – mercúrio, cádmio, …) da Natureza e possivelmente reutilizá-los. Portugal exporta pilhas e baterias (não de chumbo pois essas há muitos anos que as sabemos reutilizar) mas as novas alcalinas e as de polimeros de lítio e afins, que ardem nos telemóveis sem razões concretas. O futuro só poderá estar aí depois de ciclo de consumo e reciclagem, coisa que ainda não está.

RESPONDER

Benfica 2-0 Vitória SC | "Águia" vence e adia festa do Porto

Não foi esta terça-feira que o FC Porto festejou o 29º título de campeão nacional. Na recepção ao Vitória Sport Clube, o Benfica venceu por 2-0, num embate relativo à 32ª jornada da Liga NOS, …

Elon Musk lança concurso para ver quem consegue bater um caracol

O multimilionário, através da sua empresa especializada em construção de túneis, lançou um concurso mundial para ver quem é capaz de bater um caracol. De acordo com o jornal Daily Mail, Elon Musk lançou um concurso …

Covid-19. Tóquio quer pagar até quatro mil euros a bares que fiquem fechados

As autoridades de Tóquio, no Japão, estão a ponderar pagar um subsídio, que pode chegar aos quatro mil euros, aos bares que se mantenham fechados para conter a propagação da covid-19 na cidade. De acordo com …

Médicos franceses detetaram primeiro caso de bebé infetado no útero

Médicos em França pensam ter identificado aquele que será o primeiro caso confirmado de um bebé infetado com covid-19 no útero materno. De acordo com o site Business Insider, a equipa médica conta que a …

17 anos depois, Estados Unidos voltam a aplicar a pena capital a nível federal

Os Estados Unidos procederam, esta terça-feira, à primeira execução federal de um prisioneiro no "corredor da morte" em 17 anos, através de uma injeção letal. Daniel Lewis Lee, 47 anos, natural de Yukon (Oklahoma), foi executado …

Com o pretexto de paz, "senhor da guerra" vai ganhando poder na República Centro-Africana

O "senhor da guerra" Ali Darassa foi pago pelo presidente da República Centro-Africana e já influenciou a demissão de um ministro numa tentativa de manter a paz no país. A República Centro-Africana é um país atormentado …

Ministério Público acusa 25 arguidos pela queda do BES

O Ministério Público deduziu acusação, esta terça-feira, contra 25 arguidos, 18 pessoas singulares e sete pessoas coletivas, no âmbito do processo sobre a queda do Universo Espírito Santo. "O Ministério Público do Departamento Central de Investigação …

Agora, até o Toyota Corolla é um crossover

O Toyota Corolla Cross é o mais recente SUV da marca japonesa. Apesar de a marca estar a reforçar a sua gama de SUV, Portugal terá de esperar mais um pouco. Na semana passada, a Toyota …

Da Escócia à Grécia, Kleon pedalou durante 48 dias para regressar a casa

Um jovem grego, "preso" na Escócia devido ao cancelamento dos voos por causa da pandemia de covid-19, decidiu pedalar durante 48 dias consecutivos para conseguir regressar a casa. De acordo com a CNN, Kleon Papadimitriou, de …

Após fugirem da Venezuela, milhares foram obrigados a regressar por causa da pandemia (mas não é assim tão fácil)

Desde 2016, quase cinco milhões de venezuelanos deixaram o país, fugindo da pobreza e dos serviços sociais e de saúde em colapso. Agora, a pandemia de covid-19 forçou-os a regressar à Venezuela - se o …