Pernil não seguiu para a Venezuela por falta de pagamento

chavezcandanga / Flickr

O presidente da Venezuela, Nicolas Maduro

Uma das empresas portuguesas que fornecem pernil à Venezuela esclareceu, esta quinta-feira, que o país tem em atraso o pagamento de 40 milhões de euros.

“A Agrovarius, empresa do Grupo da Iguarivarius, vendeu em 2016 para o Governo venezuelano, ao abrigo de um contrato, 14 mil toneladas de carne num valor de 63,5 milhões de euros. De forma a tornar possível o cumprimento do contrato a Agrovarius contratualizou com várias empresas, entre elas a Raporal, esse fornecimento”, explica a Raporal em comunicado, citado pelo Público.

A empresa denuncia que “ainda permanece pendente de pagamento cerca de 40 milhões de euros, dos quais 6,9 milhões de euros dizem respeito ao cumprimento do pagamento à Raporal”, acrescentando que “tem recebido de forma parcelar valores a abater na conta corrente referente a este contrato, sendo que a última ocorreu em agosto de 2017”.

Na mesma nota, a Raporal diz que foi recebida hoje pelo embaixador da Venezuela em Lisboa e que este responsável se comprometeu, em nome do país, “a realizar o pagamento integral em falta referente ao fornecimento de 2016, até Março de 2018”.

A empresa salienta ainda que foi fornecedora em 2016 e “que não forneceu em momento algum o Governo venezuelano no ano em curso”.

Por fim, a Raporal diz não ter “conhecimento de qualquer ato de sabotagem de Portugal” e confirma “que é a Venezuela que não tem cumprido pontualmente as suas obrigações de pagamento dos fornecimentos realizados em 2016”.

Em causa está a acusação do Presidente Nicolás Maduro, que acusou Portugal de ter sabotado o Natal venezuelano. “O que se passou com o pernil? Fomos sabotados e posso dizer de um país em particular, Portugal. Estava tudo pronto, comprámos todo o pernil que havia na Venezuela, mas tínhamos que importar e sabotaram a compra”, disse.

Em entrevista à TSF, o ministro dos Negócios Estrangeiros, Augusto Santos Silva, explicou que “o Governo português não tem, seguramente, esse poder de sabotar pernil de porco. Nós vivemos numa economia de mercado. As exportações competem às empresas”.

Não haverá consequências para a diáspora portuguesa

Durante a tarde, no lançamento do Relatório da Emigração (2016) elaborado pelo Observatório da Emigração, o governante disse não acreditar que haja consequências para a diáspora portuguesa com esta situação.

“Quanto a consequências sobre comunidade portuguesa residente na Venezuela, julgo que não haverá nenhumas, porque não faz sentido que haja. Os portugueses que trabalham na Venezuela e os seus descendentes são um grupo que contribui imenso para a economia e sociedade venezuelana”, declarou Santos Silva.

“Não há nenhuma interferência do Governo português nesta matéria, nem muito menos há qualquer embargo, boicote ou sabotagem que se possa falar”, acrescentou Santos Silva.

O ministro esclareceu que há uma plataforma bilateral com a Venezuela, como há com dezenas de outros países, em que “regularmente as partes, os Estados examinam em conjunto possibilidades, colocam questões, umas em relação ao cumprimento dos acordos e outras relativas ao cumprimento dos contratos”.

“As empresas portuguesas em causa já fizeram chegar ontem ao Ministério dos Negócios Estrangeiros a sua intenção de que as dificuldades que dizem sentir no cumprimento do contrato por parte da sua contraparte venezuelana sejam referidas, tratadas nesta plataforma”, sublinhou. “Temos, evidentemente, toda a disponibilidade para o fazer”.

O ministro português sublinhou que não há qualquer questão política envolvida no caso, sublinhando ainda que a única restrição em relação à Venezuela tem a ver com as sanções aprovadas em novembro no quadro da União Europeia, mas somente uma sanção está em vigor, sobre a exportação de um determinado tipo de armamento.

Santos Silva também indicou que o embaixador português em Caracas não foi chamado pelas autoridades venezuelanas para esclarecimentos e que não houve contactos entre os dois Governos sobre este assunto.

A Venezuela vive no momento uma grave crise económica, social, política e humanitária, com falta de alimentos e medicamentos, além de manifestações que deixaram neste ano várias dezenas de mortos.

Augusto Santos Silva lembrou ainda que “a grande maioria dos emigrantes na Venezuela e seus descendentes que regressam a Portugal ou se deslocam a Portugal fazem-no para a Região Autónoma da Madeira”, a região de origem de grande parte da comunidade portuguesa e lusodescendente que vive na Venezuela.

“As últimas estimativas das autoridades regionais madeirenses, que foram apresentadas no decurso da discussão do orçamento regional na Assembleia Legislativa regional na semana passada, apontam para sete, oito mil retornos“, acrescentou.

ZAP ZAP // Lusa

PARTILHAR

4 COMENTÁRIOS

  1. Estes loucos da Venezuela é que sabotaram o seu próprio país!!
    Não pagam o que devem e ainda acham que tem razão!!
    Com estes caloteiros alucinados, a Venezuela está bem servida!…

  2. Pois este não quer pagar o que deve e queria pernil de borla, no entanto os seus compatriotas ficam sem pernil para o estômago e pelo caminhar que o país leva com tanta fome daqui por pouco tempo nem as venezuelanas têm pernil que preste para satisfazer os desejos dos seus compatriotas.

    • kkk… bela dica , nos tempos que correm de tao curta memoria dos portugueses… provavelmente maduro depositou na conta desse bandido que referes.
      e o dinheiro nao chegou ao costa!!!… quer dizer se calhar chegou mas retirando certas verbas , certos impostos, certas taxas, certos aumentos pontuais de distribuiçao , de armazenamento de importaçao…..! nao devai ter chegado nenhum ás empresas da distribuiçao dos porcos!!!!. quer dizer dos senhores porcos …. porque certos de porcos nem o pernil nem a lingua se aproveita

RESPONDER

Açores vão ter testes gratuitos em farmácias e rastreios laborais aleatórios

Os Açores vão passar a disponibilizar testes rápidos gratuitos para o despiste da covid-19 nas farmácias, testes de saliva para a testagem massiva aos alunos e rastreios laborais aleatórios, anunciou esta quinta-feira o secretário regional …

Uma morte e 377 novos casos nas últimas 24 horas. Rt e incidência recuam

O boletim da DGS desta sexta-feira dá conta de mais 377 novos casos em Portugal. Registou-se ainda mais um óbito. Nesta sexta-feira, dia 7 de maio, o país tem 22.421 casos ativos, menos 114 do que …

MP investiga morte de bebé que terá sido esquecido no carro em Lisboa

O Ministério Público instaurou um inquérito para averiguar as circunstâncias da morte de uma criança de dois anos que terá ficado esquecida no interior de um carro, em Lisboa. A mãe ter-se-á esquecido do bebé …

Governo está a preparar contestação de providência cautelar sobre Zmar

O ministro da Administração Interna afirmou hoje que já está a ser preparada a contestação à providência cautelar que suspende a requisição civil das casas do complexo Zmar, adiantando que o Ministério não foi ainda …

Subsídio europeu de 150 euros mensais para tirar 5 milhões de crianças da pobreza severa

Arrancou nesta sexta-feira, no Porto, a Cimeira Social promovida pela presidência portuguesa do Conselho da União Europeia. Um momento que o ex-ministro Pedro Marques aproveita para lançar a ideia de um novo apoio social de …

Banca empresta 475 milhões para Fundo de Resolução pagar ao Novo Banco

O sindicato bancário, composto por sete bancos, vai proceder ao financiamento do Fundo de Resolução para este cumprir a injeção de capital no Novo Banco já na próxima semana. O Jornal Económico avança, esta sexta-feira, que …

China suspende "diálogo económico" com a Austrália e denuncia "mentalidade de Guerra Fria"

Esta quinta-feira, o Governo chinês anunciou a suspensão "por tempo indefinido" de todas as atividades realizadas no âmbito da iniciativa "Diálogo Económico Estratégico China-Austrália". As relações entra a China e o ocidente estão cada vez mais …

Bolsonaro diz ter tido sintomas de reinfeção. China acusa-o de "politizar" novo coronavírus

O Presidente do Brasil admitiu na quinta-feira que teve sintomas de reinfeção pelo novo coronavírus "há poucos dias" e afirmou que tomou ivermectina, fármaco sem comprovação científica contra a covid-19. As declarações de Jair Bolsonaro foram …

"É fácil despedir". PCP quer mudar regime de despedimento coletivo e extinção de postos de trabalho

O PCP vai entregar na Assembleia da República esta sexta-feira um projeto de lei que visa limitar os despedimentos coletivos e a extinção de postos de trabalho, eliminando o despedimento por inadaptação. O objetivo do partido …

Páginas ocultas do PRR revelam "reedição da troika" na reforma aos hospitais

O Plano de Recuperação e Resiliência (PRR) prevê uma concentração das urgências da Grande Lisboa e Grande Porto, cortes nos gastos e uma gestão dos hospitais mais vigiada com imposição de objetivos financeiros. O jornal Expresso …