Perito garante que Ihor Homeniuk morreu de asfixia lenta devido a fraturas de costelas

(dr)

Ihor Homeniuk

O perito que realizou a autópsia a Ihor Homeniuk declarou esta quarta-feira em julgamento que o relatório final da autópsia “conclui com segurança” que o ucraniano “morreu de asfixia lenta” provocada por várias fraturas nas costelas causadas por energia externa.

O médico legista Carlos Durão, que efetuou a autópsia de Ihor Homeniuk no Instituto Nacional de Medicina Legal e Ciências Forenses (INMLCF) prestou depoimento como perito durante a sétima sessão do julgamento em que três inspetores do Serviço de Estrangeiros e Fronteiras (SEF) estão acusados do homicídio qualificado, por morte à pancada, do passageiro ucraniano que se recusava a regressar ao seu país de origem após ser impedido de entrar em Portugal no aeroporto de Lisboa.

“A causa da morte é asfixia. Não tenho dúvidas”, disse o perito, que, ainda antes de iniciar a autópsia, resolveu alertar a Polícia Judiciária porque “só pela análise externa percebeu que algo não estava bem”, ficando logo com a perceção de que “não era possível” haver “morte natural” naquele caso.

Confrontado em contrainterrogatório pelos advogados de defesa com eventuais lacunas no relatório da autópsia, o perito excluiu qualquer possibilidade de a morte de Ihor Homeniuk ter resultado das manobras de reanimação cardíaca a que foi sujeito pelas equipas do INEM no aeroporto, excluindo também que a morte pudesse resultar de uma arritmia cardíaca ou dos efeitos de abstinência alcoólica.

O perito, que fala português do Brasil, disse ter a especialidade de medicina legal, mas não estar inscrito ainda no colégio da especialidade da Ordem dos Médicos em Portugal. Contudo, disse que efetuava autópsias no INMLCF desde 2007 após ser autorizado por esta instituição, depois de concluir cursos complementares que lhe certificavam essa capacidade.

Carlos Durão foi perentório em afirmar que houve infiltrações hemorrágicas nos pulmões de Ihor Homeniuk devido à fratura de costelas provocadas por forças externas, assinalando que havia sinais claros de “calçado” no corpo da vítima e um outro sinal de “calçado” noutra região corporal, embora de forma menos nítida.

Escreveu, aliás, no relatório, que o cadáver tinha marcas contundentes, “suscetíveis de terem sido efetuadas com um bastão ou um cassetete e a presença da equimose modelada com a forma de uma bota, que denuncia um provável pontapé”.

Além disso, o perito explicou que não foi necessário tirar radiografias ao corpo para comprovar as fraturas nas costelas porque estas eram bastante visíveis a olho nu, insistindo que as fraturas foram causadas por “pessoas externas” e não por outra razão, nomeadamente pelos meios invasivos de reanimação.

No total, terão sido detetadas oito costelas fraturadas, o que, segundo Carlos Durão, dificultava a respiração de Ihor, tanto mais que este terá permanecido durante horas algemado nas costas e deitado de barriga para baixo, o que acentuava e potenciava a dificuldade em respirar.

“Essa posição (barriga para baixo) causa maior esforço para respirar”, esclareceu o perito, continuando a responder a todas as dúvidas da defesa sobre a credibilidade do relatório final da autópsia.

“Gostava que todos fizessem a experiência em casa” de se deitarem de barriga para baixo com as mãos atrás das costas. “Todo o mundo vai ter dificuldades respiratórias, nós precisamos de ter a caixa torácica livre”, disse ainda, citado pelo jornal Público.

Na sua opinião, as fraturas nas costelas de Ihor Homeniuk causaram uma “instabilidade torácica” que o levarou à morte, não podendo precisar quantas horas seria preciso para que isso fosse fatal.

Segundo Carlos Durão, a morte de Ihor Homeniuk resultou de “causa violenta” e externa, tendo este passageiro ucraniano morrido por asfixia lenta.

O perito disse ainda não ter detetado lesões na língua da vítima, afastando a possibilidade de este ter morrido por “aspiração do vómito”, porque não havia sinais disso na traqueia.

Ainda de acordo com o diário, Carlos Durão traçou também vários cenários em que a morte de Ihor Homenyuk poderia ter sido evitada: se tivesse ficado imobilizado, com as mãos atrás das costas, durante várias horas, mas não tivesse sido agredido, “poderia ter morrido, mas seria pouco provável”; se tivesse sido agredido “mas fosse assistido no imediato, provavelmente ainda estaria vivo”; se fosse agredido sem estar algemado, mesmo que não tivesse tido assistência “a situação poderia ter tido outro desfecho”.

Durante a sessão desta quarta-feira foram ainda ouvidos dois inspetores do SEF que relataram pormenores relacionados com os acontecimentos que antecederam a morte do passageiro ucraniano que, na véspera, já havia recusado embarcar com destino a Instambul, rumo à Ucrânia.

Os três inspetores do SEF – Duarte Laja, Luís Silva e Bruno Sousa – estão acusados de homicídio qualificado de Ihor, punível com penas até 25 anos de prisão.

Os arguidos negam, no entanto, a acusação de homicídio qualificado e referem que nem sequer agrediram Ihor Homenyuk, usaram apenas a força necessária para conter um “passageiro” que estava a ter um “comportamento autodestrutivo”.

O crime terá ocorrido a 12 de março de 2020, dois dias após o cidadão do Leste ter sido impedido de entrar em Portugal, alegadamente por não ter visto de trabalho. Após ser espancado, terá sido deixado no chão, manietado, a asfixiar lentamente até à morte. Dois dos inspetores respondem ainda pelo crime de posse de arma proibida (bastão).

Isolar passageiros naquela sala era “prática habitual”

O antigo diretor de fronteiras de Lisboa, afastado na sequência do homicídio de Ihor Homeniuk, admitiu que colocar passageiros que se “portavam mal” na Sala Médicos do Mundo era “prática habitual” e regulamentada, avança o Observador.

“Não tendo um sítio adequado para colocar uma pessoa, o único que não tem pessoas é a Sala Médicos do mundo. Tenho de retirar de lá tudo o que possa magoar. Está regulamentado e é prática habitual. Está previsto no regulamento”, disse Sérgio Henriques.

Além disso, o ex-diretor considerou “perfeitamente normal” que Ihor Homeniuk tenha sido algemado. “Os inspetores têm formação minimamente adequada em termos humanos para lidar com pessoas”, disse, explicando que “quem algema tem de comunicar à hierarquia”, que, neste caso, seria o inspetor-chefe João Diogo e o inspetor de turno João Agostinho.

ZAP ZAP // Lusa

PARTILHAR

RESPONDER

O "aeroporto do amanhã" está abandonado no meio de um pântano dos Estados Unidos

Era para ser o "aeroporto do amanhã", um centro intercontinental para aviões supersónicos com seis pistas e conexões ferroviárias de alta velocidade para as cidades vizinhas. Hoje, é pouco mais do que uma pista no …

Facebook remove (acidentalmente) página oficial de Ville de Bitche, uma remota cidade francesa

O Facebook apagou a página de Ville de Bitche, uma remota cidade francesa. O município passou um mês a apelar à rede social para repor a página. "Recebemos uma mensagem no Facebook e também percebemos que …

NASA escolheu SpaceX de Elon Musk para a próxima missão tripulada à Lua

Elon Musk fecha contrato de 2,9 mil milhões de dólares para levar o Homem novamente à Lua. O contrato é a mais importante vitória da SpaceX e reforça a posição da empresa como parceira …

Benfica 1-2 Gil Vicente | Galo canta e silencia águia na Luz

STOP. O Gil Vicente visitou na tarde deste sábado o Benfica e saiu do palco da Luz com os três pontos na bagagem e a “cantar de galo”, ao vencer por 2-1, num duelo relativo …

"Longa vida à monarquia." Realeza britânica tende a viver mais três décadas do que a população geral

As diferenças na longevidade de alguns membros da família real em comparação com a população em geral são extremamente grandes, mas não incomuns. O príncipe Filipe, marido da rainha Isabel II e o consorte mais antigo …

Abominável (e falso) Homem das Neves. Líder russo usou Yeti para atrair turistas para a Sibéria

Um dos líderes regionais mais antigos de Vladimir Putin confessou ter encenado avistamentos falsos de Yetis numa tentativa de encorajar o turismo na Sibéria. Aman Tuleev, um dos líderes regionais de longa data do Presidente russo …

Irão já está a enriquecer urânio a 60%

O Irão avisou e já está a cumprir. Menos de uma semana depois de ter acusado Israel de um ataque contra a sua principal central nuclear, o país diz estar a enriquecer urânio com uma …

Salvini vai a julgamento em Itália por bloqueio de migrantes em navio

Matteo Salvini, líder do partido de extrema-direita italiano Liga, vai ser julgado por acusações de sequestro pela sua decisão de impedir o desembarque de 147 migrantes resgatados no Mediterrâneo pela Open Arms, em agosto de …

Maldivas ponderam oferecer vacinas aos turistas

As Maldivas estão a ponderar dar aos turistas a vacina contra covid-19 quando chegarem para férias, de modo a incentivar o turismo. As Maldivas estão prontas para enfrentar a concorrência acessa assim que o turismo reabrir …

SOS Racismo diz que SEF atentava contra direitos dos imigrantes e aplaude extinção

O Governo decidiu extinguir o SEF e substituí-lo pelo novo Serviço de Estrangeiros e Asilo, com diferentes moldes de funcionamento. A associação SOS Racismo congratulou-se este sábado com a extinção do Serviço de Estrangeiros e Fronteiras …