“A perceção da opinião pública é que a decisão da Operação Marquês colocou em causa o prestígio do sistema judicial”

Pedro Nunes / Lusa

A ex-procuradora-geral da República, Joana Marques Vidal

A ex-procuradora-geral da República (PGR) deu uma entrevista, publicada esta segunda-feira, na qual abordou temas como a Operação Marquês e as novas propostas anti-corrupção.

Caso José Sócrates

Na entrevista ao jornal online Observador, Joana Marques Vidal considerou que a forma como a opinião pública reagiu à decisão da Operação Marquês “foi muito negativa” e “acentuou a desconfiança”.

“Esta reação de incompreensão deve levar-nos a uma reflexão sobre a comunicação da nossa atividade e até sobre o funcionamento do sistema judicial. Ao mesmo tempo também colocou a Justiça na ordem do dia – pelas piores razões, diria eu”, declarou.

“A perceção da opinião pública é que a decisão colocou em causa o prestígio e a compreensão sobre o funcionamento de todo o sistema judicial”, acrescentou a ex-PGR.

Questionada sobre as críticas à existência de megaprocessos, a ex-procuradora-geral da República disse que, apesar de a sua extinção parecer ser a solução para todos os problemas, “na realidade, não é”.

“Haverá sempre processos que, pela complexidade e prolongamento no tempo dos factos subjacentes, terão sempre uma dimensão acima da média. Outra questão é a forma como os tribunais julgam e investigam este tipo de processos altamente complexos. É fundamental que os juízes tenham peritos como assessores durante a fase de julgamento para entenderem todos os mecanismos, nomeadamente os circuitos financeiros, que fazem parte dos autos”, explicou.

Sobre as novas propostas anti-corrupção, a ex-PGR alerta que esta nova colaboração premiada “seja monitorizada”.

“É fundamental que exista uma avaliação periódica – de dois em dois anos ou de três em três, como for – sobre a forma como está a ser aplicada: se está a ser útil ou se, por alguma razão, coloca em causa os princípios fundamentais do Estado de Direito.”

Esta monitorização, no seu ponto de vista, é muito importante para, “em último caso, reformular os objetivos da própria estratégia”.

Marques Vidal acredita que esta colaboração premiada “pode promover essa maior celeridade”, mas alerta que “não é uma solução milagrosa para resolver o problema da morosidade processual”.

“É mais um instituto para ter uma melhor Justiça. Mais do que lutar contra a morosidade, a colaboração premiada pode ajudar-nos a ter uma melhor descoberta da verdade na realização da investigação criminal e dos julgamentos – para que estes sejam mais eficazes e mais profundos. Mas, atenção, nem sempre a colaboração premiada conseguirá alcançar aqueles objetivos de eficácia processual”, destacou.

Esta entrevista, no qual foram abordados muitos outros temas, foi publicada esta segunda-feira, dia em que Joana Marques Vidal foi eleita presidente do Conselho Geral da Universidade do Minho.

ZAP //

PARTILHAR

3 COMENTÁRIOS

  1. Prestígio!??!?!??!??! Qual prestígio??
    O sistema judicial é caquético e corrupto! Não tem prestígio nenhum! Pelo contrário é um cancro!

RESPONDER

"Não quero ser arrogante: o melhor médio da Premier League sou eu"

Yves Bissouma joga no Brighton e tem despertado o interesse de clubes ingleses de outro nível. Cresceu no Mali ao serviço do Majestic SC, passou pelo AS Real Bamako antes de rumar à Europa. Começou por …

Tratamento inovador para cancro pesa nos orçamentos do IPO de Porto e Lisboa

Os custos associados ao tratamento de cancros do sangue com células CAR-T estão a ser suportados apenas pelos hospitais autorizados a aplicá-la, no caso, os IPO do Porto e de Lisboa. De acordo com o Jornal …

Gravuras descobertas no Tibete são as mais antigas da arte pré-histórica. Foram feitas por crianças

Uma equipa encontrou antigas pegadas e marcas de mãos feitas por crianças no planalto tibetano. Esta descoberta traz novos detalhes sobre a presença humana no local. O estudo, publicado na revista Science Direct, revela que estes …

Comissão nos EUA desaconselha terceira dose da Pfizer a maiores de 16 anos

Uma comissão consultiva da agência reguladora dos EUA para os medicamentos e a alimentação (FDA, na sigla em inglês) pronunciou-se esta sexta-feira contra a aplicação de uma terceira dose da vacina Pfizer contra a covid-19 …

Santos Silva quer preços da eletricidade na agenda da UE

O ministro dos Negócios Estrangeiros, Augusto Santos Silva, defendeu esta sexta-feira que a União Europeia (UE) tem de colocar em agenda o problema do aumento dos preços da eletricidade no continente, alertando que a reação …

Já há uma calculadora que prevê o risco de se ser infetado com covid-19 (em diversos cenários)

Já existe uma ferramenta online que calcula o risco de se ser infetado com covid-19. Chama-se microCOVID, baseia-se em dados recentes, analisa diferentes cenários e foi desenvolvida por um grupo de amigos. Numa altura em que …

Alargamento de teletrabalho não deve abranger empresas de menor dimensão

O Governo defendeu esta sexta-feira, na Concertação Social, que "as empresas de menor dimensão" devem ficar excluídas da medida que prevê o alargamento do teletrabalho a pais com filhos menores de oito anos, sempre que …

Costa acusa oposição de “absoluta impreparação” por não saber o que é o PRR

O secretário-geral do PS, António Costa, acusou esta sexta-feira a oposição de “absoluta impreparação” por não saber o que é o PRR, nem a “missão patriótica” que consiste em pô-lo “em marcha para o bem …

Asteroide que dizimou dinossauros permitiu que as cobras evoluíssem (e se espalhassem pelo mundo)

As cobras devem, em parte, o seu sucesso na Terra ao asteroide que atingiu o planeta há 66 milhões de anos e levou à extinção dos dinossauros, aponta um novo estudo. Além da extinção dos dinossauros …

Novo modelo geofísico ajuda a prever furacões com origem no Golfo do México

Ao analisar a temperatura da atmosfera, que se encontra a vários quilómetros acima da Terra, os investigadores descobriram uma forma de prever quantos furacões podem afetar o Golfo do México no verão e no outono. Os …