Pela primeira vez, Boeing assume falhas no simulador do voo do 737 MAX

Bill Abbott / Flickr

Boeing 737 Max da companhia americana Southwest.

Pela primeira vez desde os dois acidentes aéreos registados com o seu modelo 737 MAX, a Boeing reconheceu a existência de falhas no software do simulador usado para treinar os pilotos do aparelho, garantindo que os problemas foram agora corrigidos.

A Boeing admitiu, pela primeira vez, que havia falhas no software de simulação que foi usado para reproduzir as condições de voo dos aviões 737 MAX, que estiveram envolvidos em dois acidentes de aviação mortais nos últimos seis meses. A notícia foi avançada pelo The Financial Times este domingo.

De acordo com a empresa de aviação, o simulador de voo foi incapaz de reproduzir algumas das condições. “A Boeing fez correções no simulador do 737 Max e disponibilizou informação adicional aos operadores para assegurar que a experiência de simulação é representativa de todas as diferentes condições de voo”, afirmou fonte oficial.

Estas mudanças foram feitas para melhorar a simulação de carga de força na roda de compensação manual. A Boeing está a trabalhar proximamente com fabricantes e reguladores nestas mudanças e melhorias, bem como para assegurar que o treino dos clientes não é interrompido”, acrescentou ao matutino.

Apesar de a possibilidade de existência de problemas nos sistemas de simulação usados pelas companhias aéreas para treino dos pilotos já ter sido noticiada pelo The New York Times, esta é a primeira vez que a empresa admite estar a trabalhar em correções.

Há dois meses, o Departamento dos Transportes do Governo dos EUA lançou uma auditoria à certificação do Boeing 737 MAX 8, após dois desastres em que morreram 346 pessoas. Um 737 MAX 8 da Etiópia Airlines despenhou-se em 10 de março a sudeste de Adis Abeba, provocando a morte dos 157 ocupantes. Menos de seis meses antes, em outubro do ano passado, a queda de um outro aparelho da Lion Air provocou 189 mortos, na Indonésia.

As falhas apontadas à Boeing são uma das mais graves crises reputacionais que a empresa já teve de enfrentar na sua história. Segundo o Público, no passado mês de Abril, a empresa norte-americana, que em conjunto com a Airbus domina há várias décadas o sector da construção aérea no mundo, anunciou uma quebra de 13% nos lucros registados no primeiro trimestre deste ano.

A proibição de utilização do modelo 737 MAX foi a razão dada para estes resultados, cuja deterioração poderá prolongar-se pelos trimestres seguintes.

ZAP //

PARTILHAR

RESPONDER

Cientistas criam algoritmo para identificar covid-19 a partir do som da tosse

Investigadores de vários países criaram um algoritmo que afirmam poder identificar se uma pessoa tem covid-19 a partir do som da sua tosse. Cientistas do México, Estados Unidos, Espanha e Itália, liderados por uma equipa do …

Para proteger o fundo do mar, novo sistema permite atracar vários barcos com uma só "âncora"

Quando vários barcos se amontoam numa enseada durante a noite, cada um deles lança uma âncora que pode potencialmente danificar os corais e a vida marinha no fundo do mar. O sistema Seafloat foi criado …

Japão e Estados Unidos assinam acordo de cooperação para exploração da Lua

O Ministério da Educação, Cultura, Desporto, Ciência e Tecnologia do Japão e a agência espacial dos Estados Unidos (NASA) assinaram um acordo de colaboração entre os dois países no programa Artemis, para a exploração da …

Washington Redskins mudam de nome por ser considerado racista

A equipa de futebol americano, até aqui denominada de Washington Redskins, vai abandonar essa designação, considerada de teor racista, para designar nativos da América do Norte. Em comunicado, a equipa de Washington explicou que, depois de uma …

Flores precisaram de cerca de 50 milhões de anos para se tornarem o que são hoje

As plantas com flor evoluíram há cerca de 100 milhões de anos, mas precisaram de outros 50 milhões de anos para diversificar e tornarem-se aquilo que são hoje, sugere uma equipa de investigadores. Os cientistas documentaram …

Estudo sugere que imunidade à covid-19 pode desaparecer em poucos meses

A imunidade adquirida por anticorpos após a cura da covid-19 pode desaparecer em alguns meses, o que poderá complicar o desenvolvimento de uma vacina eficaz a longo prazo, sugere um estudo britânico divulgado esta segunda-feira. "Este …

60 anos depois, já se sabe o que aconteceu aos 9 russos que desapareceram na Montanha da Morte

Passados 61 anos, o mistério da morte de nove esquiadores russos que faziam uma caminhada pelos Montes Urais, perto da chamada Montanha da Morte, foi finalmente resolvido. Em 1959, nove viajantes russos que faziam uma caminhada …

Médicos Sem Fronteiras é "institucionalmente racista", acusam atuais e ex-colaboradores

Uma declaração assinada por mil atuais e ex-funcionários revela que a Organização Não Governamental (ONG) Médicos Sem Fronteiras (MSF) é "institucionalmente racista" e reforça o colonialismo e a supremacia branca no trabalho humanitário que pratica. Na …

Empresa culpada pela crise de opioides fez contribuições políticas após declarar falência

A Purdue Pharma, empresa culpada pela crise de opioides nos Estados Unidos, fez contribuições políticas após ter sido processada e declarado falência. Os opioides são usados para aliviar a dor, mas também provocam uma sensação exagerada …

Norte-americano morre após ir a festa para provar que a covid-19 é uma farsa

Um norte-americano de 30 anos, de San Antonio, no estado do Texas, morreu de covid-19 depois de ir a uma festa para provar que a doença era uma farsa, informou a media local. O homem foi …