Peixe mexicano pode guardar o segredo para reparar corações danificados

As taxas de sobrevivência de pessoas com insuficiência cardíaca praticamente não mudaram nos últimos 20 anos, e a expectativa de vida de pacientes com esta condição é pior do que a daqueles que têm muitos tipos de cancro.

A doença, que atinge milhões de pessoas e muitas vezes se manifesta depois de um ataque cardíaco, faz com que o coração não consiga bombear o sangue como deveria, causando fraqueza e fadiga – uma caminhada curta, por exemplo, pode tornar-se numa tarefa extremamente cansativa.

Uma das promessas de cura está guardada nos genes de um pequeno peixe mexicano, o Astyanax mexicanus, que vive nos rios do norte do México e que é capaz de regenerar o tecido cardíaco sem deixar cicatrizes.

Quando o coração sobrevive a um enfarte, por exemplo, o seu tecido é reparado, mas fica com cicatrizes que impedem que o músculo cardíaco se contraia adequadamente.

Este factor reduz drasticamente a capacidade do coração de bombear sangue para o corpo e pode gerar a insuficiência cardíaca.

Os pacientes são forçados a viver com a doença durante toda a vida, e os casos mais extremos exigem um transplante de coração.

Mas um estudo financiado pela Fundação British Heart, liderado pela investigadora Mathilda Mommersteeg e pela sua equipa na Universidade de Oxford, no Reino Unido, aponta que o peixe-cego ou tetra-cego, como é conhecido, pode indicar um caminho para o desenvolvimento de um tratamento eficiente para esta condição.

Isso porque a capacidade de regeneração do tecido cardíaco que é típica desta espécie estará ligada, entre outros componentes, a genes que também estão presente nos seres humanos.

A pista da caverna

Os cientistas descobriram que três partes do genoma destes peixes estão envolvidas na sua capacidade de regenerar o tecido cardíaco.

Para realizar a pesquisa, a equipa de Mommersteeg estudou dois tipos de peixes tetra mexicanos: aqueles que vivem nos rios e têm a capacidade de auto-regenerar o coração e aqueles que viveram nas cavernas há cerca de 1,5 milhão de anos e, com a evolução, perderam essa habilidade.

Ao compararem os dois tipos de peixe, os investigadores descobriram que dois genes (lrrc10 e caveolina) se tornavam muito mais activos nos peixes de rio após uma lesão cardíaca.

Ambos os genes estão presentes em humanos, e sabe-se que a lrrc10 está relacionada com uma condição cardíaca chamada cardiomiopatia dilatada.

Os autores do estudo, publicado no periódico científico Cell Reports, acreditam que um dia poderá ser possível regenerar corações humanos modificando artificialmente o funcionamento deste e de outros genes.

Isto poderá vir a ser feito com medicamentos ou através de técnicas de edição genética.

“Acho que este peixe nos pode dizer, em algum momento, como podemos realmente reparar o coração humano“, considera Mommersteeg citada pela BBC. A investigadora refere que ainda “é cedo”, mas frisa que os implicados na pesquisa estão “incrivelmente entusiasmados com estes peixes extraordinários e com o potencial para mudar a vida de pessoas com corações danificados”.

Serão necessárias ainda mais pesquisas para encontrar outros genes-chave que possam estar envolvidos na regeneração do coração.

ZAP // BBC

PARTILHAR

RESPONDER

PS aproxima-se do PCP, muda de ideias e propõe pagamento de 100% do salário em todos os regimes de lay-off

O PS alterou, esta segunda-feira, uma das suas propostas para o Orçamento do Estado para 2021, numa aproximação ao PCP e às centrais sindicais. Os socialistas querem que no próximo ano sejam garantidos os salários a …

Parlamento Europeu aprova 37,5 milhões para Portugal enfrentar pandemia

O Parlamento Europeu (PE) aprovou esta terça-feira, em sessão plenária, um pacote de 37,5 milhões de euros, mobilizados através do Fundo de Solidariedade Europeu (FSUE), para Portugal “fazer face à emergência sanitária de covid-19”. Os fundos …

Prémio para profissionais do SNS exclui quem está agora na covid-19

O prémio para profissionais do SNS exclui quem está agora na covid-19, visando apenas aqueles que exerceram atos diretamente relacionados com a doença no primeiro estado de emergência. A atribuição de prémios de desempenho aos profissionais …

Eleições presidenciais vão ser a 24 de janeiro

Marcelo Rebelo de Sousa marcou esta terça-feira as eleições presidenciais para 24 de janeiro de 2021. O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, marcou a data das eleições presidenciais: vão realizar-se no dia 24 de …

Tubarão pré-histórico escondia os maiores dentes já alguma vez encontrados na espécie

Os primeiros tubarões viveram há cerca de 400 milhões de anos, mas tinham uma caraterística muito especial: é que eles não baixavam apenas as suas mandíbulas, mas também as giravam para fora ao abrirem a …

Governo vai contratar 2.100 profissionais de saúde por semestre

O Governo está obrigado a contratar 2.100 profissionais de saúde para o Serviço Nacional de Saúde por semestre em 2021 para chegar a 4.200 no final do ano. A calendarização para o Governo proceder à contratação …

Biden escolhe primeira mulher para Secretária do Tesouro. Casa Branca quer iniciar transição de poder

A antiga dirigente da Reserva Federal (Fed) Janet Yellen foi a escolhida pelo Presidente eleito dos Estados Unidos, o democrata Joe Biden, para Secretária do Tesouro, e vai ser a primeira mulher a desempenhar este …

Recolher obrigatório, proibição de circular e uso de máscara. O que muda a partir de hoje

Portugal entrou às 0h desta terça-feira num novo estado de emergência devido à pandemia de covid-19, passando os 278 municípios do continente a estar divididos em quatro grupos, consoante os níveis de risco de transmissão. O …

Eczema, obesidade ou hiperatividade. Crianças que tomam antibióticos muito cedo têm um maior risco de desenvolver doenças crónicas

Crianças com menos de dois anos que tomam antibióticos enfrentam um maior risco de desenvolver doenças crónicas, como é o caso da obesidade, eczema, ou hiperatividade, concluiu um novo estudo levado a cabo nos Estados …

Descoberta "galáxia fóssil" que estava enterrada nas profundezas da Via Láctea

Um grupo de astrónomos, que trabalha com dados de evolução galáctica do Observatório Apache Point do Sloan Digital Sky Surveys (APOGEE), descobriu uma "galáxia fóssil" escondida nas profundezas da Via Láctea. Esta descoberta, que foi publicada …