Peixe mexicano pode guardar o segredo para reparar corações danificados

As taxas de sobrevivência de pessoas com insuficiência cardíaca praticamente não mudaram nos últimos 20 anos, e a expectativa de vida de pacientes com esta condição é pior do que a daqueles que têm muitos tipos de cancro.

A doença, que atinge milhões de pessoas e muitas vezes se manifesta depois de um ataque cardíaco, faz com que o coração não consiga bombear o sangue como deveria, causando fraqueza e fadiga – uma caminhada curta, por exemplo, pode tornar-se numa tarefa extremamente cansativa.

Uma das promessas de cura está guardada nos genes de um pequeno peixe mexicano, o Astyanax mexicanus, que vive nos rios do norte do México e que é capaz de regenerar o tecido cardíaco sem deixar cicatrizes.

Quando o coração sobrevive a um enfarte, por exemplo, o seu tecido é reparado, mas fica com cicatrizes que impedem que o músculo cardíaco se contraia adequadamente.

Este factor reduz drasticamente a capacidade do coração de bombear sangue para o corpo e pode gerar a insuficiência cardíaca.

Os pacientes são forçados a viver com a doença durante toda a vida, e os casos mais extremos exigem um transplante de coração.

Mas um estudo financiado pela Fundação British Heart, liderado pela investigadora Mathilda Mommersteeg e pela sua equipa na Universidade de Oxford, no Reino Unido, aponta que o peixe-cego ou tetra-cego, como é conhecido, pode indicar um caminho para o desenvolvimento de um tratamento eficiente para esta condição.

Isso porque a capacidade de regeneração do tecido cardíaco que é típica desta espécie estará ligada, entre outros componentes, a genes que também estão presente nos seres humanos.

A pista da caverna

Os cientistas descobriram que três partes do genoma destes peixes estão envolvidas na sua capacidade de regenerar o tecido cardíaco.

Para realizar a pesquisa, a equipa de Mommersteeg estudou dois tipos de peixes tetra mexicanos: aqueles que vivem nos rios e têm a capacidade de auto-regenerar o coração e aqueles que viveram nas cavernas há cerca de 1,5 milhão de anos e, com a evolução, perderam essa habilidade.

Ao compararem os dois tipos de peixe, os investigadores descobriram que dois genes (lrrc10 e caveolina) se tornavam muito mais activos nos peixes de rio após uma lesão cardíaca.

Ambos os genes estão presentes em humanos, e sabe-se que a lrrc10 está relacionada com uma condição cardíaca chamada cardiomiopatia dilatada.

Os autores do estudo, publicado no periódico científico Cell Reports, acreditam que um dia poderá ser possível regenerar corações humanos modificando artificialmente o funcionamento deste e de outros genes.

Isto poderá vir a ser feito com medicamentos ou através de técnicas de edição genética.

“Acho que este peixe nos pode dizer, em algum momento, como podemos realmente reparar o coração humano“, considera Mommersteeg citada pela BBC. A investigadora refere que ainda “é cedo”, mas frisa que os implicados na pesquisa estão “incrivelmente entusiasmados com estes peixes extraordinários e com o potencial para mudar a vida de pessoas com corações danificados”.

Serão necessárias ainda mais pesquisas para encontrar outros genes-chave que possam estar envolvidos na regeneração do coração.

ZAP // BBC

PARTILHAR

RESPONDER

As pessoas que comem mais gordura láctea têm menor risco de doença cardíaca

As pessoas que fazem uma dieta com maior teor de gordura láctea têm um menor risco de desenvolver doenças cardiovasculares, revela um novo estudo. Uma equipa internacional de cientistas estudou o consumo de gordura láctea de …

Alaphilippe revalida título de campeão mundial de fundo

O francês Julian Alaphilippe revalidou neste domingo o título de campeão mundial de fundo, ao cortar isolado a meta no final da “prova rainha” dos Mundiais de ciclismo de estrada, que decorreram na região belga …

Do céu ao inferno. Adeptos do Palmeiras chamam "arrogante" a Abel Ferreira

O Palmeiras perdeu e está cada vez mais longe da liderança do Brasileirão. Os adeptos estão insatisfeitos com as exibições e chamaram "arrogante" a Abel Ferreira. O Palmeiras, treinado pelo português Abel Ferreira, perdeu na deslocação …

Mesmo depois da morte de Ihor, centro do aeroporto ainda tem videovigilância "muito limitada"

Um ano e meio após a morte de Ihor Homeniuk, o centro de instalação temporária do aeroporto de Lisboa (CIT) continua sem cobertura total de câmaras de videovigilância em zonas comuns. A situação atual distancia-se daquilo …

Liveblog Autárquicas. Afluência de 42,34% até às 16h

Realizam-se este domingo Eleições Autárquicas em Portugal, nas quais está em jogo a eleição de 308 presidentes de câmaras municipais, os seus vereadores e assembleias municipais, bem como 3091 assembleias de freguesia. Acompanhe tudo no …

Arqueólogos desenterram (acidentalmente) ossadas com 800 anos no Peru

Os restos mortais de oito pessoas, com aproximadamente 800 anos de idade e enterrados com alimentos e instrumentos musicais na mesma câmara funerária, foram encontrados ao sul de Lima, no Peru, durante a instalação de …

Marcelo apela ao voto "por memória deste ano e meio que não esqueceremos"

O Presidente da República considerou que votar nas eleições autárquicas é mais importante do que nunca para o país recomeçar a viver e a sair das crises sanitária, económica e social. Este apelo ao voto foi …

Onde e como? Um guia para votar nas eleições autárquicas

As mesas de voto das eleições autárquicas abriram hoje às 08:00 no continente e na Madeira para a escolha dos dirigentes dos municípios e das freguesias para os próximos quatro anos. Nos Açores, as urnas abrem …

Ensino Superior: 33% dos candidatos ficaram de fora. Veja se ficou entre os colocados

Mais de 49 mil novos estudantes entraram agora para o ensino superior, tendo ficado sem colocação 33% dos candidatos à primeira fase do concurso nacional de acesso, revelam dados divulgados hoje pelo Ministério do Ensino …

Pessoas mais pobres são vistas como menos suscetíveis à dor

Um novo estudo indica que os indivíduos de classe baixa são estereotipados como insensíveis à dor física, o que pode impactar os seus cuidados médicos. “As estatísticas de saúde indicam que as pessoas ricas recebem um …