Santander vai cobrar transferências MB Way a partir de setembro (mas isenta alguns cartões)

O Santander vai começar a cobrar transferências no MB Way a partir de 10 de setembro, à exceção de cartões para jovens, cobrando ainda algumas destas transferências acima de 50 euros na sua app.

De acordo com o preçário no site do Santander, na aplicação MB Way estão isentos de taxas os cartões Stream, Maestro Jovem, #U e #GlobalU, passando as transações cobradas com outros cartões a ser taxadas a 90 cêntimos cada, a que acresce o imposto de selo de 4% (total de 93,6 cêntimos)

Já através da aplicação do próprio banco, a isenção aplicada aos cartões no MB Way mantém-se, acrescentando-se o cartão Mundo 123.

Quanto a transferências feitas por outros cartões na aplicação do banco, estarão isentas “até três transferências por mês de montante igual ou superior a 50 euros”, passando a ser taxadas em 45 cêntimos à quarta transferência, à qual acresce o imposto de selo de 4% (total de 46,8 cêntimos). Já transferências superiores a 50 euros serão sempre taxadas em 45 cêntimos, mais 4% do imposto do selo (total de 46,8 cêntimos).

Desta forma, o Santander junta-se a outros bancos, como o BCP e o BPI, na cobrança de transferências por MB Way.

Na apresentação de resultados do primeiro trimestre do banco, em 7 de maio, o presidente executivo do Santander, Pedro Castro e Almeida, criticou por várias vezes a isenção de encargos para os clientes do sistema multibanco e indicou que o banco passaria a cobrar por transferências no MB Way, mas sem indicar valor.

Anteriormente, o presidente executivo do BPI, Pablo Forero, já tinha rejeitado que seja “concorrência desleal” cobrar transferências através do MB Way, enquanto mantém gratuitas estas operações na sua aplicação.

O BCP começou a cobrar transferências por MB Way no dia 17 de maio, cobrando 1,248 euros (incluindo imposto de selo) pelas transferências que usem a app MB Way. Já aos clientes que usem a aplicação do próprio banco serão cobrados 52 cêntimos (incluindo imposto do selo).

Ficam isentos desta comissão os clientes até 23 anos e aqueles que têm pacotes como programa Prestígio, o que, diz fonte oficial daquele banco, beneficiará “mais de um milhão de clientes, mais de metade do total” dos clientes do BCP.

A Deco considera que o Banco de Portugal não pode “lavar as mãos” e tem de ter uma posição firme sobre as comissões do serviço de pagamentos MB Way, defendendo os mesmos limites de comissões cobradas aos comerciantes.

Santander lidera reclamações em 2018

O Santander foi a banco do qual os clientes mais reclamaram à Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM) em 2018, com 80 queixas feitas ao regulador, de acordo com o Relatório de Reclamações divulgado esta quarta-feira.

As 80 reclamações recebidas pela CMVM sobre o Santander Totta totalizaram 17,3% do total, sendo que a segunda entidade mais reclamada, o BCP, registou 58 entradas no regulador, 12,6% do total.

Com mais de 30 reclamações seguem-se a Caixa Geral de Depósitos (CGD), com 51 queixas na CMVM (11,0% do total), o Novo Banco (50 reclamações, 10,8% do total), e o BPI (45, 9,7% do total).

No entanto, apenas o BPI registou uma subida de queixas recebidas pela CMVM face a 2017, com um aumento de 32,4%, sendo que os restantes bancos viram as reclamações de que foram alvo diminuírem.

O Santander Totta diminuiu as reclamações em 32,8%, o Novo Banco em 35,1%, a CGD em 42,7% e o BCP em 54,0%. Entre as 10 e 30 reclamações recebidas pela CMVM encontram-se o Bankinter (27 reclamações), o Deutsche Bank (26), o Banco Best (15), o Banif (15) e o Banco Montepio (11).

Nas entidades que tiveram entre cinco e dez reclamações estão o ActivoBank (oito), o Barclays (seis), e com cinco o Banco Invest, a PT International Finance, o BBVA e o EuroBic. O Crédito Agrícola recebeu também duas reclamações, bem como o Banco Big. Nas entidades alvo de queixas estão também o Santander Totta Seguros (quatro reclamações) e a seguradora Ocidental (duas). O BPI Gestão de Ativos foi também alvo de duas reclamações na CMVM.

A CMVM demorou, em média, mais 12 dias no tratamento de uma reclamação em 2018, devido sobretudo à conclusão dos processos de reclamação relacionados com a resolução aplicada ao BES, indica o Relatório de Reclamações de 2018.

“O tempo mediano de tratamento de uma reclamação aumentou para 109 dias, face aos 97 dias registados em 2017. Este aumento deveu-se sobretudo à conclusão dos processos de reclamação ainda diretamente relacionados com a medida de resolução aplicada ao BES”, informa a Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM) no Relatório sobre Reclamações e Pedidos de Informação relativo ao ano de 2018, hoje divulgado.

Segundo o documento, “excluindo estes processos de especial complexidade, o tempo mediano de tratamento de reclamações teria sido de 83 dias em 2018 e 94 dias em 2017, o que representa uma melhoria de 12%”. Em 2018, a CMVM concluiu 816 processos de reclamação, menos 7% que no ano anterior.

ZAP // Lusa

PARTILHAR

1 COMENTÁRIO

RESPONDER

Julgamento BES. Ministério Público acredita que provas da Suíça ainda podem ser utilizadas

O jornal Público escreve este sábado que os procuradores do Ministério Público (MP) acreditam ainda ser possível utilizar os elementos solicitados nas cartas rogatórias enviadas às autoridades suíças no julgamento do caso BES. O Ministério …

Salários mais baixos podem passar a ter lay-off pago a 100%

O Governo está a estudar a possibilidade de o regime de lay-off, desenhado especificamente para o contexto da pandemia de covid-19, passar a ser pago na sua totalidade (100%) para quem tem salários mais baixos. …

Bronca na Liga. Contestação adia 5 substituições e o Marítimo recusa assinar Plano de Retoma

Após dois dias intensos de reuniões, foi aprovado o Plano de Retoma do campeonato nacional para a disputa das últimas 10 jornadas da época 2019/2020. Mas apenas 17 clubes o assinaram. O Marítimo recusou fazê-lo, …

Igreja perdeu 50 milhões de euros com a pandemia (e há dioceses em lay-off)

Ao cabo de dois meses de paragem por causa da pandemia de covid-19, as missas regressam, neste sábado, mas com regras novas para evitar a propagação do coronavírus. Uma paragem que resultou num "prejuízo" de …

Reabertura de ATL adiada para 15 de junho. Creches arrancam segunda-feira (sem apoios para os pais)

As Atividades de Tempos Livres (ATL) não integradas em estabelecimentos escolares só poderão voltar a funcionar a partir de 15 de junho, duas semanas depois daquilo que estava inicialmente previsto. O anúncio foi feito pelo primeiro-ministro, …

Governo britânico vai continuar a pagar 80% dos salários durante mais três meses

O Governo britânico vai continuar a pagar durante mais três meses 80% do salário de trabalhadores em lay-off devido à pandemia de covid-19, e reduzir gradualmente o valor até ao fim do sistema, em outubro. O …

Resgate à TAP deverá ser feito através de empréstimo obrigacionista

A ajuda do Estado à TAP deverá chegar através de um empréstimo obrigacionista convertível em ações, avança o jornal Expresso neste sábado. Este é o cenário mais provável para a TAP, apurou o semanário, que …

Lisboa pode receber a final deste ano da Liga dos Campeões

Istambul não está agradada com a ideia de receber a final da Liga dos Campeões sem adeptos no estádio. Por isso, outras hipóteses estão a ser consideradas, nomeadamente Lisboa. A final da Liga dos Campeões está …

Há mesmo algo de reconfortante quando dizemos palavrões

Um novo estudo sugere que, nas circunstâncias certas, dizer palavrões em voz alta parece fazer as pessoas sentirem menos dor. Exatamente como e porque é que o ato de dizer asneiras consegue fazer com que as …

"Paraministro" de Costa. Gestor independente chamado para negociar plano económico de retoma

O primeiro-ministro, António Costa, convidou o diretor executivo da petrolífera Partex, António Costa Silva, para estudar o plano de recuperação económica. De acordo com o semanário Expresso, que avança a notícia na sua edição deste …