Santander vai cobrar transferências MB Way a partir de setembro (mas isenta alguns cartões)

O Santander vai começar a cobrar transferências no MB Way a partir de 10 de setembro, à exceção de cartões para jovens, cobrando ainda algumas destas transferências acima de 50 euros na sua app.

De acordo com o preçário no site do Santander, na aplicação MB Way estão isentos de taxas os cartões Stream, Maestro Jovem, #U e #GlobalU, passando as transações cobradas com outros cartões a ser taxadas a 90 cêntimos cada, a que acresce o imposto de selo de 4% (total de 93,6 cêntimos)

Já através da aplicação do próprio banco, a isenção aplicada aos cartões no MB Way mantém-se, acrescentando-se o cartão Mundo 123.

Quanto a transferências feitas por outros cartões na aplicação do banco, estarão isentas “até três transferências por mês de montante igual ou superior a 50 euros”, passando a ser taxadas em 45 cêntimos à quarta transferência, à qual acresce o imposto de selo de 4% (total de 46,8 cêntimos). Já transferências superiores a 50 euros serão sempre taxadas em 45 cêntimos, mais 4% do imposto do selo (total de 46,8 cêntimos).

Desta forma, o Santander junta-se a outros bancos, como o BCP e o BPI, na cobrança de transferências por MB Way.

Na apresentação de resultados do primeiro trimestre do banco, em 7 de maio, o presidente executivo do Santander, Pedro Castro e Almeida, criticou por várias vezes a isenção de encargos para os clientes do sistema multibanco e indicou que o banco passaria a cobrar por transferências no MB Way, mas sem indicar valor.

Anteriormente, o presidente executivo do BPI, Pablo Forero, já tinha rejeitado que seja “concorrência desleal” cobrar transferências através do MB Way, enquanto mantém gratuitas estas operações na sua aplicação.

O BCP começou a cobrar transferências por MB Way no dia 17 de maio, cobrando 1,248 euros (incluindo imposto de selo) pelas transferências que usem a app MB Way. Já aos clientes que usem a aplicação do próprio banco serão cobrados 52 cêntimos (incluindo imposto do selo).

Ficam isentos desta comissão os clientes até 23 anos e aqueles que têm pacotes como programa Prestígio, o que, diz fonte oficial daquele banco, beneficiará “mais de um milhão de clientes, mais de metade do total” dos clientes do BCP.

A Deco considera que o Banco de Portugal não pode “lavar as mãos” e tem de ter uma posição firme sobre as comissões do serviço de pagamentos MB Way, defendendo os mesmos limites de comissões cobradas aos comerciantes.

Santander lidera reclamações em 2018

O Santander foi a banco do qual os clientes mais reclamaram à Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM) em 2018, com 80 queixas feitas ao regulador, de acordo com o Relatório de Reclamações divulgado esta quarta-feira.

As 80 reclamações recebidas pela CMVM sobre o Santander Totta totalizaram 17,3% do total, sendo que a segunda entidade mais reclamada, o BCP, registou 58 entradas no regulador, 12,6% do total.

Com mais de 30 reclamações seguem-se a Caixa Geral de Depósitos (CGD), com 51 queixas na CMVM (11,0% do total), o Novo Banco (50 reclamações, 10,8% do total), e o BPI (45, 9,7% do total).

No entanto, apenas o BPI registou uma subida de queixas recebidas pela CMVM face a 2017, com um aumento de 32,4%, sendo que os restantes bancos viram as reclamações de que foram alvo diminuírem.

O Santander Totta diminuiu as reclamações em 32,8%, o Novo Banco em 35,1%, a CGD em 42,7% e o BCP em 54,0%. Entre as 10 e 30 reclamações recebidas pela CMVM encontram-se o Bankinter (27 reclamações), o Deutsche Bank (26), o Banco Best (15), o Banif (15) e o Banco Montepio (11).

Nas entidades que tiveram entre cinco e dez reclamações estão o ActivoBank (oito), o Barclays (seis), e com cinco o Banco Invest, a PT International Finance, o BBVA e o EuroBic. O Crédito Agrícola recebeu também duas reclamações, bem como o Banco Big. Nas entidades alvo de queixas estão também o Santander Totta Seguros (quatro reclamações) e a seguradora Ocidental (duas). O BPI Gestão de Ativos foi também alvo de duas reclamações na CMVM.

A CMVM demorou, em média, mais 12 dias no tratamento de uma reclamação em 2018, devido sobretudo à conclusão dos processos de reclamação relacionados com a resolução aplicada ao BES, indica o Relatório de Reclamações de 2018.

“O tempo mediano de tratamento de uma reclamação aumentou para 109 dias, face aos 97 dias registados em 2017. Este aumento deveu-se sobretudo à conclusão dos processos de reclamação ainda diretamente relacionados com a medida de resolução aplicada ao BES”, informa a Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM) no Relatório sobre Reclamações e Pedidos de Informação relativo ao ano de 2018, hoje divulgado.

Segundo o documento, “excluindo estes processos de especial complexidade, o tempo mediano de tratamento de reclamações teria sido de 83 dias em 2018 e 94 dias em 2017, o que representa uma melhoria de 12%”. Em 2018, a CMVM concluiu 816 processos de reclamação, menos 7% que no ano anterior.

ZAP // Lusa

PARTILHAR

1 COMENTÁRIO

RESPONDER

Acordo para o Brexit garante milhões aos homens mais ricos do Reino Unido

Os três homens mais ricos do Reino Unido acabaram de ficar mais ricos apenas com o acordo entre o Governo de Boris Johnson e a União Europeia para o Brexit. O anúncio de acordo fez …

Funcionários da Groundforce julgados por furto de malas no Aeroporto de Lisboa

23 funcionários da Groundforce vão ser julgados por furto de centenas de objetos tirados de dentro de bagagens no Aeroporto de Lisboa. 23 funcionários da Groundforce, que trabalhavam no Aeroporto de Lisboa até 2016, vão ser …

Clássico entre Barcelona e Real Madrid adiado

As duas equipas espanholas têm de chegar a um acordo para uma nova data, até à próxima segunda-feira, para a realização do clássico da 10.ª jornada. O jogo FC Barcelona-Real Madrid, agendado para 26 de outubro, …

Dez escolas fechadas em Lisboa por protestos contra falta de funcionários

As 10 escolas do Agrupamento Vergílio Ferreira, em Lisboa, não abriram as portas, esta sexta-feira, devido a um protesto de trabalhadores não docentes, revoltados com a falta de pessoal. A paralisação irá prolongar-se durante toda …

"Casillas apoiou-me desde o momento em que cheguei", diz Marchesín

O guarda-redes argentino falou da sua adaptação ao novo clube, destacando que o seu antecessor, do qual não esconde a sua grande admiração, o apoiou desde que chegou ao FC Porto. Na semana passada, Agustín Marchesín …

Zoo de Paris apresenta Blob, uma estranha criatura amarela sem cérebro e com quase 720 sexos

O zoológico de Paris exibe desde esta quarta-feira um estranho organismo unicelular criado em laboratório: parece um fungo, mas interage como um animal. De acordo com a agência AFP, a estranha criatura, batizada de bolb (bolha), …

Apesar das críticas, Venezuela conquista um lugar no Conselho de Direitos Humanos da ONU

A Venezuela conquistou um assento no Conselho de Direitos Humanos das Nações Unidas, depois de uma votação, esta quinta-feira, na Assembleia Geral da ONU. O Brasil ficou com a outra vaga destinada aos países da …

Amália Rodrigues apoiou secretamente a causa antifascista

A fadista Amália Rodrigues, que chegou a ser acusada de estar ao serviço do Estado Novo, financiou presos políticos e apoiou a causa antifascista durante a ditadura, revela uma investigação publicada pela revista Visão Biografia. Numa …

FC Porto pode ser obrigado a criar equipa de futebol feminino

A UEFA deverá obrigar todas os emblemas que participem nas competições europeias a ter uma equipa de futebol feminino. O objetivo é promover o desporto e aumentar o número de jogadoras. O FC Porto pode vir …

Há novas suspeitas no negócio do lítio. João Galamba rejeita ilegalidades

A aprovação da concessão de exploração de lítio em Cepeda, no concelho de Montalegre, à empresa Lusorecursos Portugal Lithium continua envolta em polémica. Desta vez, surgem suspeitas de ilegalidades relacionadas com divergências no capital social …