“Chernobyl do século XXI.” Pandemia de covid-19 poderia ter sido evitada, dizem especialistas

1

Hugo Delgado / Lusa

A pandemia de covid-19 podia ter sido evitada e o mundo deve aprender com os erros que não permitiram travar a disseminação do vírus, conclui um novo relatório, divulgado esta quarta-feira.

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE

A pandemia de covid-19 poderia ter sido evitada, segundo os especialistas e personalidades mandatados pela Organização Mundial de Saúde (OMS), que reclamam a urgência de vastas reformas dos sistemas de alerta e prevenção para evitar novas pandemias.

Num relatório, o Painel Independente que apresentou esta quarta-feira resultados considera que a OMS demorou demasiado tempo a soar o alerta e que teria sido possível evitar a catástrofe classificada como “Chernobyl do século XXI”, que já custou a vida a pelo menos 3,3 milhões de pessoas e provocou uma crise económica mundial.

“É claro que a combinação de más escolhas estratégicas, falta de vontade de atacar as desigualdades e um sistema mal coordenado criaram um cocktail tóxico que permitiu à pandemia transformar-se numa crise humana catastrófica”, revela o relatório.

“Muito tempo se passou” entre a notificação de um foco epidémico na China, na segunda quinzena de dezembro de 2019 e a declaração, a 30 de janeiro pela OMS, de uma emergência de saúde pública de âmbito internacional, segundo os peritos. Isto enquanto a China foi acusada de camuflar a epidemia.

“O sistema atual falhou em proteger-nos da pandemia de covid-19. E se não atuarmos para mudá-lo agora, não nos protegerá da próxima ameaça pandémica, que poderá ocorrer a qualquer momento”, avisou Ellen Johnson Sirleaf, codirigente do painel de especialistas e ex-presidente da Libéria, citado pelo Expresso.

“A conclusão é que o sistema de alerta não funciona com a velocidade suficiente quando se enfrenta um patógeno respiratório que se move rapidamente. O Regulamento Sanitário Internacional é um instrumento conservador pela forma como está construído e contribui para restringir em vez de facilitar uma ação rápida”, assinalam os autores.

O grupo de especialistas recomenda o lançamento de um novo sistema mundial de vigilância, baseado numa “transparência total”. “Propomos que a OMS passe a publicar em tempo real todas as informações de que dispõe sem a permissão dos governos”, explicou Michel Kazatchkine, membro do Painel Independente.

“É preciso também que os 194 estados-membros da ONU permitam à OMS desenvolver uma investigação num país onde exista um foco infeccioso”, explicou.

Agora que os progressos da vacinação permitem vislumbrar um progressivo regresso à normalidade na América e na Europa, a índia reportou 4.200 mortes em 24 horas, 250.000 no total, e luta com uma variante que se estendeu a pelo menos 44 países.

Com a vacinação bastante avançada nos países desenvolvidos, exige-se no relatório que os países ricos forneçam mil milhões de doses de vacinas até setembro, e outras tantas até meados de 2022, a 92 países de fracos rendimentos, beneficiários do sistema de distribuição Covax.

  ZAP // Lusa

1 Comment

  1. É… Muito fácil falar depois de passados mais de um ano… Pois podia! E os efeitos que ainda sentimos podiam ter sido menores! Mas porque isso não aconteceu? Falta de coragem! Isso e o enorme egoísmo da população mundial!

    E continua-se a pensar que “pandemia” é algo abstrato. Não! A pandemia tem uma única origem. A falta de cuidado da população mundial. É essa mesma população que pode virar e acabar com a pandemia, mas só pensa nela própria. Pensa no dinheiro, turismo, férias na praia, etc… E ainda choram os mortos… A pandemia não matou ninguém!!! A pandemia É as pessoas! Foi a humanidade e o seu egoísmo, aliado ao capitalismo/ganância. Dinheiro mais importante que a saúde…

Deixe o seu comentário

Your email address will not be published.