Aquecimentos desligados e janelas abertas. Bruno Nogueira é um dos pais indignados com condições nas escolas

Vítor Brasão / Facebook

Aluno com manta na aula na Escola Secundária de Serpa.

Escolas por todo o país estão a manter as salas de aulas com as janelas e as portas abertas, e com os aquecimentos desligados, para evitar a propagação de covid-19. Uma situação que está a revoltar os pais quando os dias estão especialmente frios.

Bruno Nogueira é um dos pais que está indignado com algumas das medidas que estão a ser tomadas nas escolas, seguindo recomendações da Direcção Geral de Saúde (DGS), no sentido de evitar a propagação da covid-19.

O humorista partilha no seu perfil do Instagram a mensagem que diz ter recebido da escola de uma das suas filhas, indicando que “as salas de aulas da escola não estão aquecidas” e que a Junta de Freguesia do estabelecimento “determinou que a caldeira fosse bloqueada”.

“É absolutamente inaceitável num Inverno tão rigoroso, com temperaturas de 6 graus pela manhã, que as crianças tenham de passar por isto. Não quero imaginar o que será em zonas com temperaturas ainda mais baixas”, lamenta Bruno Nogueira no Instagram.

“Entendo que estamos numa situação nunca antes vivida e que a adaptação não é fácil, mas se deixa de reinar o bom senso, o vírus passamos a ser nós“, conclui o humorista.

 

Ver esta publicação no Instagram

 

Uma publicação partilhada por Bruno Nogueira (@corpodormente)

Em resposta à publicação de Bruno Nogueira, outros pais e professores reportam situações semelhantes pelo país.

“Sou do norte! Cá, para além de não deixarem ligar o aquecimento, mantêm as janelas abertas” e “os miúdos levam cobertores para as aulas”, aponta uma seguidora de Bruno Nogueira.

Wanda Stuart critica que a filha vai para “um frigorífico”

Outra famosa que usa as suas redes sociais para se indignar com as recomendações da DGS neste campo é a cantora Wanda Stuart que aponta, igualmente no Instagram, que a sua filha mais vai para um “frigorífico” do que para a escola.

Os nossos miúdos sujeitam-se a apanhar pneumonia“, aponta a artista, salientando que “não adoecem com o vírus”, mas “adoecem com coisas piores”.

“Mas este vírus tirou a capacidade de raciocinar a esta gente que nos “des”governa?!”, pergunta Wanda Stuart, lamentando que a filha “está sentada junto a duas janelas abertas” e, portanto, “mesmo no meio da corrente de ar”. “Inadmissível”, sustenta.

 

Ver esta publicação no Instagram

 

Uma publicação partilhada por Wanda Stuart (@wandastuart)

Um dos seguidores de Wanda Stuart que se apresenta como professor destaca que os seus alunos “não conseguem escrever” por causa do frio.

Outra mãe que segue a cantora, no Instagram, destaca que a filha de 11 anos “vai com duas mochilas” para a escola, sendo que numa delas vai “uma manta polar porque não aguenta o frio e as correntes de ar na escola”.

Mantas na sala de aula em Escola de Serpa

Pelas redes sociais corre também uma imagem que terá sido tirada numa Escola Secundária de Serpa, no Alentejo, com um aluno embrulhado numa manta e de capuz na cabeça em plena sala de aula.

O professor Vítor Brasão que lecciona naquela Secundária assegura, no seu perfil do Facebook, que “não é montagem”. “Esta imagem e outras semelhantes repetem-se, de segunda a sexta, em muitas das salas de aula do nosso estabelecimento de ensino/agrupamento”, realça o docente.

A Secundária de Serpa, que tem 44 anos, tem “vários problemas”, como infiltrações, que fazem com que “chova dentro das salas”, e está a precisar de obras de requalificação, como refere o director do Agrupamento a que pertence, Francisco Oliveira, em declarações à Lusa.

Além disso, também tem falta de isolamento térmico e “uma rede eléctrica antiga e que não comporta a climatização”, o que impede que muitas salas tenham ar condicionado, segundo refere Francisco Oliveira. Portanto, os problemas já se sentiam antes da pandemia.

Deste modo, tem sido “muito comum” os alunos usarem vários apetrechos para tentarem combater o frio e se aquecerem.

A situação já era “complicada”, mas “agravou-se” neste Inverno com as normas da DGS que determinam que se devem “arejar salas”, através da abertura de portas e janelas, como constata o director do agrupamento.

“Agora, devido ao frio intenso, fecham-se as portas e quase todas as janelas das salas, mas, nos intervalos, abrem-se de novo para permitir o arejamento e, assim, qualquer aquecimento conseguido durante a aula vai portas e janelas fora e volta-se à temperatura ambiente”, relata Francisco Oliveira na Lusa.

O frio afecta também os professores que “tentam circular nas salas e há alguns que nos intervalos das aulas vão ao carro e ligam a ‘chauffage’ para aquecerem as mãos”, conta Vítor Brasão à Lusa.

Culpa é do Ministério, acusa Sindicato

Também na Escola Secundária Manuel da Fonseca, em Santiago do Cacém, no distrito de Setúbal, há relatos de alunos que levam mantas “e alguns aconchegos” para se protegerem do frio, como nota à Lusa a presidente da Associação de Pais do Agrupamento de Escolas de Santiago do Cacém, Célia Lopes.

“Já no ano passado e nos anos anteriores, os alunos levavam mantas para a escola, o que é demasiado desconfortável. Este ano, esta situação agravou-se devido à covid-19, que obriga a ter portas e janelas abertas”, lamenta a representante dos pais.

O presidente do Sindicato dos Professores da Zona Sul (SPZS), Manuel Nobre, acusa o Ministério da Educação de ser responsável pela situação porque “não permitiu a redução do número de alunos por turma“.

“É natural que salas de aula com quase 30 alunos e pouca distância entre eles tenham de ter janelas e portas abertas para permitir o arejamento e uma melhor circulação de ar”, aponta Manuel Nobre em declarações à Lusa.

“Nada se fez e era expectável que acontecesse o que está a acontecer e que é uma situação preocupante e que prejudica o processo de ensino-aprendizagem, mas, por questões de saúde pública, naturalmente que os professores têm de ter portas e janelas abertas”, conclui o dirigente do Sindicato.

Costa não quer fechar escolas contra opinião de especialistas

António Costa já sublinhou que a intenção do Governo é manter as escolas abertas, mesmo que venham a ser agravadas as restrições devido ao aumento do número de novos casos de infecção.

O primeiro-ministro alertou que “há um grande consenso hoje entre os técnicos e os especialistas de que não se justifica afectar o funcionamento do ano lectivo“.

O secretário de Estado Adjunto, João Costa, veio notar que é preciso “prevenir outra pandemia”, ou seja, os efeitos negativos do ensino à distância “que é sempre um remendo”, considerou.

Também o secretário-geral da Federação Nacional de Professores (Fenprof), Mário Nogueira, defende o ensino presencial, alertando, contudo, que deveria estar a realizar-se em “condições que não estão a ser observadas”, nomeadamente quanto ao distanciamento social e à falta de rastreios.

Já o pneumologista Filipe Froes defende, em declarações ao Jornal de Notícias (JN), que “é necessário um encerramento progressivo da actividade presencial nos sectores não essenciais e nas escolas, com excepção das creches”.

O especialista Bernardo Gomes, do Instituto de Saúde Pública da Universidade do Porto, nota, por seu turno, que é preciso “ponderar a suspensão da actividade escolar presencial dos alunos mais velhos“, como cita o JN.

Fechar as escolas 15 dias é uma solução para travar a velocidade de contágio” que está “galopante”, avisa, por seu lado, Carlos Antunes, da Faculdade de Ciências de Lisboa, também em declarações ao JN.

Susana Valente, ZAP // Lusa

PARTILHAR

RESPONDER

Entre críticas a Rio e Marcelo, Ventura teve um drive-in com música de baile (e comparou-se a Sá Carneiro)

Ventura demarcou-se dos insultos de apoiantes à comunicação social, mas não admitiu que o seu mandatário os incentivou, chamando “inimigos” aos jornalistas. Terminou o dia num comício na praia de Leça da Palmeira mas em …

Governo Regional da Madeira garante que aumento de casos se deve às celebrações de fim de ano

O presidente do Governo da Madeira afirmou que o aumento de casos de covid-19 registado nos últimos dias na região é resultado das celebrações do fim do ano, assegurando fiscalização mais apertada nos bares aos …

Novo máximo diário com 218 mortes. Morre uma pessoa com covid-19 a cada 7 minutos

Portugal contabilizou esta terça-feira 218 mortes, um novo máximo de óbitos em 24 horas, relacionados com a covid-19, e 10.455 novos casos de infeção pelo novo coronavírus, segundo a Direção-Geral da Saúde (DGS). Quase metade das …

Ana Gomes teme que processos BES e Operação Marquês acabem como o dos submarinos

A candidata presidencial Ana Gomes disse ontem temer que processos como os do BES e da Operação Marquês terminem como o dos submarinos, em que considerou que se "trabalhou para a prescrição". Na conversa online que …

Recuperação só em 2022, disse Vestager. Leão quer aprovação rápida dos planos para a UE

A vice-presidente executiva da Comissão Europeia, Margrethe Vestager, afirmou que a recuperação europeia só será "sentida como tal" em 2022, mas que no outono já poderão ser visíveis alguns sinais, caso a vacinação contra a …

Marcelo aprova novas medidas e anuncia reunião com especialistas para discutir situação das escolas

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, assinou esta terça-feira o decreto do Governo que altera a regulamentação do estado de emergência devido à pandemia de covid-19 e anunciou uma reunião com especialistas na …

Jerónimo na campanha de João Ferreira para homenagear os que "se levantaram contra o fascismo"

O candidato presidencial comunista contou com a presença do secretário-geral do PCP, esta segunda-feira, na Marinha Grande, que destacou a importância de lutar contra os atuais "traços de regressão democrática". Durante uma ação na Escola Secundária …

Gilberto, Vertonghen, Grimaldo, Diogo Gonçalves e Waldschmidt infetados

Os futebolistas do Benfica Gilberto, Vertonghen, Grimaldo, Diogo Gonçalves e Luca Waldschmidt são os mais recentes casos positivos ao novo coronavírus no plantel do Benfica, informou esta terça-feira o clube da Luz. “O Sport Lisboa e …

Hospital de Portalegre abre inquérito a morte de doente que esteve 3 horas em ambulância

O hospital de Portalegre vai abrir um inquérito para apurar as circunstâncias da morte de um octogenário, na noite de segunda-feira, na área dedicada aos doentes respiratórios, depois de estar quase três horas numa ambulância, …

"Não somos heróis". Há quartéis que podem fechar se não houver vacinas para os bombeiros

O presidente da Associação Nacional de Bombeiros Profissionais (ANBP), Fernando Curto, disse que se o número de bombeiros infetados com covid-19 continuar a este ritmo muitos quartéis podem ter de encerrar. "As carrinhas de transporte de …