Raríssimas já tem presidente

Mário Cruz / Lusa

A nova presidente-eleita da Raríssimas, Sónia Margarida Laygue

Os associados da Raríssimas elegeram Sónia Laygue, mãe de uma menina de três anos com uma doença rara, para presidir à direção e substituir Paula Brito e Costa.

Depois dos rumores de que o marido de Paula Brito e Costa, a ex-presidente da Raríssimas, se ia candidatar à presidência da instituição, um grupo de dois pais e três funcionários decidiu avançar com uma lista candidata.

A Assembleia Geral Extraordinária devia ter começado às 10 horas, como estava previsto, mas acabou por só se iniciar às 10h40, devido à falta de associados suficientes. A reunião conta com 26 associados com mais de um ano de cotas, conta o Jornal de Notícias.

Dos 1200 associados com que a Associação conta, teriam que estar presentes às 10 horas cerca de 300. Não estando, os estatutos ditam que a reunião comece meia hora depois com os associados presentes.

Poucos minutos depois de ter começado, a reunião foi suspensa para apreciação da lista candidata, a única. O Observador relembra que, segundo a convocatória, na sessão serão eleitos um máximo de nove elementos da Direção até ao final do mandato em curso: um presidente, um vice-presidente, o tesoureiro, um secretário e um máximo de cinco vogais efetivos “em substituição dos membros eleitos”, que não tomaram posse.

Deverá ser ainda eleito um novo Conselho Fiscal (um presidente e um máximo de dois vogais), para um mandato que termina em 2019.

Só podem fazer parte das listas candidatas os associados que tenham pelo menos um ano de filiação e que, por isso, tenham sido admitidos até ao dia 3 de janeiro de 2017, revela a TSF.

Não são elegíveis para cargos da direção ou do conselho fiscal os associados que tenham sido removidos de cargos diretivos ou tenham sido declarados responsáveis por irregularidades cometidas no exercício dessas funções.

O mesmo acontece para os que tenham sido condenados em processo judicial por crime doloso contra o património, abuso de cartão de garantia ou de crédito, apropriação ilegítima de bens do setor público, corrupção ou branqueamento de capitais.

Os candidatos também não serão elegíveis se ocuparem outro cargo na Raríssimas.

As listas devem apresentar, além dos currículos dos candidatos – com menção a cargos sociais desempenhados durante os últimos cinco anos -, os elementos por funções a desempenhar.

Esta nova direção visa substituir a que era liderada por Paula Brito e Costa, que se demitiu da presidência da Raríssimas após uma reportagem da TVI em que se levantavam suspeitas sobre a sua gestão.

A Assembleia-Gera decorre no salão dos Bombeiros Voluntários da Moita, ao lado da Casa dos Marcos, onde funcionam os serviços da Raríssimas. Paula Brito e Costa foi constituída arguida no âmbito da operação Raríssimas desenvolvida pela Polícia Judiciária e Ministério Público, disse à Lusa fonte ligada à investigação.

A investigação da TVI mostrou documentos que colocam em causa a gestão da instituição de solidariedade social, nomeadamente de Paula Brito da Costa, que alegadamente terá usado o dinheiro para diversos gastos pessoais.

O caso provocou a demissão do secretário de Estado da Saúde, Manuel Delgado, que foi consultor da Raríssimas, com um vencimento de três mil euros por mês, tendo recebido um total de 63 mil euros.

Presidente eleita da Raríssimas quer manter “balão de oxigénio” para crianças e famílias

“Não vai ser simples, vai demorar tempo e vai ser uma luta, mas estamos cá para ela”, afirmou aos jornalistas Sónia Margarida Laygue, que quer as contas da instituição auditadas e reunir-se com o Governo para a tutela contribuir para solucionar os problemas da Raríssimas.

Quanto à presidente demitida, Paula Brito e Costa, e aos ex-membros da direção em investigação por suspeitas de irregularidades na gestão, defende que não devem voltar, pelo menos até haver conclusões.

“Enquanto houver processos na justiça, as pessoas implicadas devem ser afastadas”, declarou, considerando que “não seria moral e eticamente aceitável” que voltassem a cargos na instituição. Sónia Margarida Laygue ressalvou que não tira “de forma alguma o mérito a quem criou” a Raríssimas.

A presidente eleita, que tomará posse na próxima sexta-feira com os outros membros da lista que liderou para preencher os lugares deixados vagos pela demissão dos ex-membros, salientou que “é essencial e determinante para as famílias que a Raríssimas continue”.

Mãe de uma menina de três anos que é diariamente assistida na associação, afirmou conhecer bem a resposta dada a pessoas “que de outra forma não teriam qualquer tipo de apoio e assistência para terem meios de se superarem todos os dias”.

Tenho toda a motivação dentro de mim para continuar este projeto“, garantiu.

A nova dirigente pretende, como um dos primeiros atos, saber se as contas da instituição foram auditadas para compreender o “estado da nação” que vai assumir com a sua equipa. Considera ainda importante “falar com o Governo diretamente” para que a tutela colabore na resolução dos problemas.

A lista liderada por Sónia Margarida Laygue foi hoje aprovada pela maioria dos sócios que compareceram na assembleia geral extraordinária da Raríssimas. Preenche cinco lugares efetivos na direção, onde permanecem quatro membros da anterior.

Foram ainda eleitos três novos membros para o Conselho Fiscal da instituição.

ZAP ZAP // Lusa

PARTILHAR

1 COMENTÁRIO

  1. No lugar desta senhora, não aceitaria o lugar.
    Mesmo que a anterior directora tenha alguma coisa que se lhe aponte (e parece que a montanha vai parir um rato), foi com o trabalho e inteligência dela que a obra está feita e o seu filho lá está a viver.
    Tem, a meu ver, um certo sabor a ingratidão ou lá perto.
    Dirão que alguém tem de ser. Então que vá ocupar o lugar quem fez que se fôsse embora.
    De resto,ninguém deveria aceitar o cargo. Que se arranjassem. As pessoas,mesmo com gestão caseira, não iam morrer à fome.

RESPONDER

França e Reino Unido mobilizam navios para Jersey e aumentam a tensão no Canal da Mancha

A Marinha francesa respondeu esta quinta-feira ao envio de dois navios-patrulha britânicos para Jersey, na véspera, e mobilizou as suas próprias embarcações militares para as imediações da ilha, contribuindo, dessa forma, para o aumento da …

Governo aprova a criação da tarifa social de internet. Preço ainda vai ser definido

O Governo aprovou esta quinta-feira, em Conselho de Ministros, a criação de uma tarifa social de acesso a serviços de internet em banda larga, conhecida como tarifa social de internet, anunciou o ministro de Estado …

Cerca sanitária em Odemira diminuiu casos para menos de metade, garante Governo

O ministro da Administração Interna salientou hoje que a cerca sanitária em Longueira-Almograve e São Teotónio permitiu baixar os casos de infeção por covid-19 em Odemira para menos de metade e acusou a direita de …

Joshua Wong condenado a mais dez meses de prisão por participar em vigília que lembrava "massacre de Tiananmen"

O ativista de Hong Kong Joshua Wong foi condenado a dez meses de prisão por participar em 4 de junho de 2020 numa vigília para lembrar o chamado "massacre de Tiananmen", que Pequim não reconhece. A …

Um polícia morto e vários feridos em tiroteio durante operação no Rio de Janeiro

Um polícia morreu e várias outras pessoas ficaram feridas num tiroteio esta quinta-feira durante uma operação da polícia contra o tráfico de droga na comunidade de Jacarezinho, no Rio de Janeiro, Brasil, noticiou a imprensa. Segundo …

Austrália vai manter fronteiras fechadas até 2022. Índia com novo máximo de casos

O Governo australiano vai manter as fronteiras internacionais fechadas até 2022 devido a incertezas sobre vacinas e novas estirpes, disse o ministro das Finanças do país, Simon Birmingham. "As incertezas sobre a velocidade da vacinação e …

Em breve será possível usar mesmos dados biométricos no Cartão de Cidadão e Passaporte

A ministra da Modernização do Estado e da Administração Pública, Alexandra Leitão, disse esta quinta-feira que “em breve” será possível utilizar os mesmos dados biométricos no Cartão de Cidadão e no Passaporte ou ativar a …

Rio diz que Governo “vai levar ao colo” Medina. Moedas ataca o rival e diz que as suas promessas não valem nada

O presidente do PSD, Rui Rio, afirmou esta quinta-feira que o Governo “vai levar ao colo” o candidato socialista à Câmara Municipal de Lisboa, porque “pelas guerras e desequilíbrios internos” não pode perder a eleição …

Portugal regista cinco mortos e 373 novos casos nas últimas 24 horas

O boletim desta quinta-feira da Direção-Geral da Saúde (DGS) regista cinco óbitos e 373 novos casos de covid-19 em Portugal nas últimas 24 horas. Há ainda mais 538 recuperados. O boletim da DGS, do dia 6 …

“Quem não nasceu com o apelido Espírito Santo tem de ir à luta”, diz Gama Leão

João Gama Leão deixou uma dívida de mais de 300 milhões de euros ao Novo Banco através da Prebuild, um dos grandes devedores do banco. O empresário assumiu a responsabilidade pelos créditos em incumprimento, fez …