Pais de criança morta em tiroteio arrasam Facebook em carta aberta a Zuckerberg

(dr) Lenny Pozner

Lenny Pozner, o pai de uma das crianças que foi morta a tiro no massacre de Sandy Hook

Depois da morte do filho de seis anos no massacre de Sandy Hook, nos EUA, Lenny e Veronique são vítimas de ataques e ameaças constantes nas redes sociais, sobretudo no Facebook.

Noah Pozner tinha seis anos quando, no dia 14 de dezembro de 2012, foi uma das 20 crianças assassinadas no massacre de Sandy Hook, uma escola primária no estado de Connecticut, nos EUA.

O atacante de 20 anos, Adam Lanza, que se suicidou no fim do tiroteio, entrou no estabelecimento de ensino e disparou indiscriminadamente, tendo também vitimado seis adultos. Antes, tinha assassinado a mãe em casa.

Numa carta aberta dirigida ao fundador do Facebook, Mark Zuckerberg, divulgada pelo The Guardian esta quarta-feira, os pais desta criança explicam que, desde aquele dia, estão numa “batalha constante com os provedores das redes sociais (…) para que nos protejam do assédio e das ameaças”.

“Quase imediatamente depois do massacre destas 20 crianças pequenas, todas com menos de sete anos, e de seis professores e funcionários da escola, os ataques começaram. Grupos de conspiração e provocadores anti-Governo começaram a alegar no Facebook que o massacre era uma farsa, que as vítimas eram ‘atores de crise’ e que o público deveria agir para ‘descobrir a verdade’ sobre as nossas famílias. Estas alegações e apelos à ação espalharam-se como um incêndio e, apesar dos nossos alertas, foram protegidos pelo Facebook”, acusam Lenny Pozner e Veronique de la Rosa.

“Embora os termos que usa, como ‘notícias falsas’ ou ‘grupos de conspiração marginais’, pareçam relativamente inócuos, deixe-me dar-lhes algumas dicas sobre os efeitos de permitir que a sua plataforma continue a ser usada como um instrumento para disseminar o ódio. Sofremos assédio, abuso e ameaças de morte online, por telefone e pessoalmente”, pode ler-se no jornal britânico.

Facebook tem uma “tremenda responsabilidade”

“A fim de nos proteger e aos nossos filhos, tivemos de nos mudar várias vezes. Estes grupos usam as redes sociais, incluindo o Facebook, para nos ‘caçar’, partilhando a nossa morada e vídeos da nossa casa. Estamos a viver escondidos. Estamos longe de estar sozinhos, já que muitas outras famílias que perderam entes queridos em tiroteios e outras tragédias relatam o mesmo tormento contínuo”.

“As nossas famílias estão em perigo como resultado direto de centenas de milhares de pessoas que veem e acreditam nas mentiras e discurso de ódio, que o senhor decidiu que deveria ser protegido. O que torna toda a situação ainda mais horrível é que tivemos que travar uma batalha quase inconcebível com o Facebook para nos fornecer as proteções mais básicas para remover o conteúdo mais ofensivo e incendiário”.

“Na sua recente entrevista, insinuou que o Facebook agiria mais rapidamente contra o assédio direcionado às vítimas de Sandy Hook do que os negadores do Holocausto, mas essa não é a nossa experiência. Na verdade, sugeriu que esse tipo de conteúdo continuaria a ser protegido e que a sua ideia de combater conteúdos incendiários era fornecer contrapontos para empurrar as ‘notícias falsas’ para baixo nos resultados de pesquisa. É óbvio que isso não nos garante qualquer proteção“.

Por isso, os pais de Noah deixam duas sugestões a Zuckerberg: que trate as vítimas de tiroteios em massa e outras tragédias como um grupo protegido, para que os ataques contra estas pessoas sejam especificamente contra a política do Facebook, e que forneça às pessoas afetadas acesso à equipa da rede social para que removam de forma imediata as publicações de ódio e assédio.

“O Facebook desempenha um papel gigantesco ao expor as massas à informação. Esse nível de poder vem com a tremenda responsabilidade de garantir que a sua plataforma não é usada para prejudicar os outros ou contribuir para a proliferação do ódio. No entanto, parece que, sob o disfarce da liberdade de expressão, o senhor está preparado para dar licença a pessoas que têm como único objetivo fazer exatamente isso”.

“Depois de sentir tanta esperança após a sua promessa no Senado de tornar o Facebook um lugar mais seguro para a interação social, estamos mais uma vez dececionados com os seus recentes comentários a apoiar um porto seguro para negadores do Holocausto e grupos de ódio que atacam vítimas da tragédia”.

“O nosso filho Noah já não tem voz e nunca mais vai poder viver a sua vida. A sua ausência é sentida todos os dias. Mas somos incapazes de nos lamentar pelo nosso bebé ou seguir em frente com as nossas vidas porque o senhor, indiscutivelmente o homem mais poderoso do planeta, considerou que os ataques contra nós são irrelevantes, que prestar assistência na remoção de ameaças é muito pesado e que as nossas vidas são menos importantes do que fornecer um refúgio seguro para o ódio”.

ZAP //

PARTILHAR

3 COMENTÁRIOS

  1. Não percebo…. estes perdera o filho num assalto de um louco, e non qual não têm qualquer tipo de cula ou possibilidade de intervenção… e há gente (de certo ainda mais louca) que os injuria e ameaça? Culpando-os de quê?
    A minha capacidade de compreensão esgota-se aqui…

    Ainda bem que não tenho, nunca tive nem vou ter conta no FB…….

    (alguém leu/recorda o Big Brother? Não o da Teresa Guilherme… o de George Orwell, no livro “1984”?)

  2. se nao usassem as redes sociais e não publicassem as suas vidas e fotos diárias dos filhos, amigos, casa e ferias não teriam esses problemas. alem do mais, depois de perder o filho, a preocupação com o que aparece ou deixa de aparecer no FB é no mínimo estranha. e pelos vistos, não estão apenas contra o FB mas contra as companhias de telefone também. Conseguem ser ridiculos depois de uma tragedia tao grande. o problema não é o FB mas sim a importância que se dá ao que la aparece.

    • “depois de perder o filho, a preocupação com o que aparece ou deixa de aparecer no FB”

      Mas o Ricardo é parvo ou não leu a noticia?
      Eles estão a ser ameaçados de morte por causa do que se escreve no FB e o Ricardo acha que não se deviam procurar com isso.

      Quanto a expor a vida de cada um, até concordo consigo nesse ponto, mas tal escreve a noticia “Noticias Falsas” não são permitidas no FB, ao permitir que estas se propaguem, estão a ser responsáveis moralmente e legalmente, visto que não monitoram e aplicam as suas regras na rede.

Fundação Champalimaud anuncia prémio de um milhão de euros para erradicar o cancro

A Fundação Champalimaud anunciou, esta segunda-feira, um prémio de um milhão de euros a atribuir anualmente, e sem limite temporal, vocacionado para a "erradicação do cancro". O prémio é atribuído em parceria com o casal de …

A maior lixeira da China ficou cheia 25 anos antes do previsto

O maior depósito de lixo da China, Jiangcungou, na cidade de Xi'an, já está cheio, 25 anos antes da altura prevista. O aterro tinha sido preparado para receber 2500 toneladas de resíduos por dia. Porém, de …

Cigarros eletrónicos podem prejudicar o coração mais do que os cigarros comuns

Há muito que está provado que fumar é uma das principais causas de mortes por doenças cardíacas. Agora, há evidências crescentes de que os cigarros eletrónicos podem causar danos ao coração. Em dois estudos que serão …

Sindicato dos Magistrados acusa Conselho Superior de fazer escolhas pessoais

O Sindicato dos Magistrados do Ministério Público (SMMP) acusou, esta segunda-feira, o Conselho Superior do Ministério Público de escolher os procuradores para os departamentos mais importantes da investigação criminal por preferências pessoais. Em comunicado, o Sindicato …

Esta empresa está a produzir "carne" feita de ar

Enquanto várias startups estão a vender "carne" feita de plantas, a Air Protein, uma empresa sediada na Califórnia, nos Estados Unidos, está a criar carne feita de ar. A ideia não é nova, uma vez que …

Autoridade da Concorrência faz buscas em cinco empresas de vigilância privada

A Autoridade da Concorrência (AdC) anunciou, esta segunda-feira, que realizou diligências de busca e apreensão em cinco empresas do setor da vigilância privada, no distrito de Lisboa, "por suspeitas de práticas anticoncorrenciais lesivas do normal …

"Breaking Bad" da vida real. Dois professores de Química acusados de produzir metanfetamina

Dois professores universitários de Química do estado do Arkansas, nos Estados Unidos, foram detidos no domingo por suspeitas de produzirem metanfetaminas. O caso tem atraído atenção mediática por se parecer inspirar no enredo da série …

TAP regista prejuízos de 111 milhões de euros até setembro

A TAP registou, nos primeiros nove meses deste ano, prejuízos acumulados de 111 milhões de euros que atribui a "variações cambiais sem impacto na tesouraria". "A TAP S.A. apurou um prejuízo acumulado, nos primeiros nove meses …

Coreia do Norte não está interessada em mais cimeiras com os EUA

A Coreia do Norte advertiu, esta segunda-feira, que "não está interessada" em mais cimeiras com os Estados Unidos, se Washington persistir na recusa em fazer concessões. A Coreia do Norte deu a Washington até ao final …

Refugiado detido que escreveu um livro pelo Whatsapp conquista a liberdade

O jornalista e escritor curdo-iraniano Behrouz Boochani, que estava detido há seis anos num centro de imigrantes na Austrália, conquistou a liberdade. Boochani escreveu, através de mensagens da rede social Whatsapp, o livro “No Friend But …