Pacientes com Covid-19 dados como curados voltam a dar positivo e preocupam médicos

Andrea Fasani / EPA

Há relatos de pacientes com Covid-19 que tiveram alta hospitalar, dados como curados da doença provocada pelo novo coronavírus, mas que, passados alguns dias, voltaram a dar positivo para o vírus. A situação está a gerar preocupação, com dúvidas se as altas foram precipitadas por erros nos testes ou se tudo se deve à mutação do vírus.

Só na China já foram reportados mais de 100 casos de aparentes “reinfecções” do Covid-19 em pessoas dadas como curadas, após uma primeira infecção. Mas também há alguns casos reportados no Japão e na Coreia do Sul.

Na província chinesa de Guangdong, que faz fronteira com Hong Kong e Macau, as autoridades oficiais chegaram a anunciar que 14% dos pacientes declarados curados voltaram a testar positivo, como reporta o Los Angeles Times (LAT).

Os dados oficias são uma incógnita, tanto mais tratando-se do ultra-secreto regime chinês, mas a possibilidade de haver “reinfecções” em pacientes dados como curados está a gerar preocupação na comunidade médica.

Há especialistas que acreditam que tudo pode dever-se a erros nos testes médicos que dão indicação de alta, tratando-se, portanto, de falsos negativos. Até porque a China revelou alguns problemas nos exames de diagnóstico do coronavírus.

Por outro lado, os médicos chineses estarão a ser pressionados para darem alta a pacientes que apresentam melhorias, para libertarem espaço para outros doentes. Haverá casos em que os médicos dão alta a pacientes ainda com sintomas da doença, nomeadamente problemas pulmonares e respiratórios, para poder tratar e salvar outras pessoas, como aponta o LAT.

Para o médico Keiji Fukuda, director da Escola de Saúde Pública da Universidade de Hong Kong, a reinfecção seria “bastante inusual a não ser que o sistema imunitário [dos pacientes afectados] esteja a funcionar mal”, explica ao LAT.

Fukuda acredita que estes possíveis “reinfectados” podem estar a ter alta mais cedo do que o devido, transportando ainda no organismo “fragmentos inactivos da doença que não são infecciosos”. “O teste pode ser positivo, mas a infecção não está lá”, constata.

Já o director de Investigação Clínica do Instituto Nacional dos EUA para as Doenças Infecciosas e as Alergias, Clifford Lane, avança ao LAT a possibilidade de as cargas do vírus terem “descido abaixo do limiar” que é detectado nos testes e de terem depois reaparecido, no seguimento da alta hospitalar. Este profissional esteve na China em Fevereiro e, nessa altura, teve a garantia dos especialistas do país de que não havia pacientes “reinfectados”.

Possível mutação do vírus seria uma ameaça

A possibilidade de uma reinfecção é preocupante porque pode significar que há um processo de mutação do vírus que lhe permite escapar aos anti-corpos dos pacientes curados com a primeira infecção. Esse cenário complicaria a descoberta de uma vacina contra o vírus, além de dificultar o processo de tratamento e controle da pandemia.

Um artigo do jornal Forbes levanta a hipótese de o nosso sistema imunitário não ser capaz de “elaborar consistentemente uma protecção suficiente” contra o Covid-19, lembrando um estudo realizado, em 2007, em torno do outro coronavírus que abalou o mundo entre 2002 e 2003, o SARS. A pesquisa concluiu que a imunidade a este vírus em particular só se prolonga durante dois a três anos e que, após esse período, as reinfecções são possíveis.

O estudo não é conclusivo porque para confirmar os resultados seria preciso infectar pessoas com o SARS para tirar ilações mais taxativas. Admite-se, assim, que as reinfecções podem ter a ver com mutações do vírus, o que levaria o sistema imunitário a não o reconhecer e, portanto, a não conseguir combatê-lo.

Será que no caso do Covid-19 poderemos também estar perante uma mutação do vírus, nestes casos de “reinfecções”? Se for assim, será particularmente preocupante, pelo facto de a mutação ter ocorrido de forma tão imediata. E seria um dado aterrador e uma séria ameaça ao combate à pandemia, nomeadamente para o Reino Unido cuja estratégia passa por deixar que a larga maioria da população fique infectada, para que ganhe “imunidade de grupo”.

Pelo sim pelo não, e uma vez que ainda se sabe muito pouco sobre este novo coronavírus, o director da Organização Mundial de Saúde (OMS), Tedros Adhanom Ghebreyesus, já anunciou que os pacientes curados devem continuar o seu isolamento por, pelo menos, 15 dias, após terem alta hospitalar ou depois de deixarem de ter sintomas. Até porque ainda poderão infectar outras pessoas, segundo o responsável da OMS.

Numa conferência de imprensa em Genebra, na Suíça, Ghebreyesus lembra que, nesta altura, o número de casos de infectados fora da China (83 mil) já ultrapassa os que se verificaram no país (81 mil) onde o vírus teve origem.

SV, ZAP //

PARTILHAR

RESPONDER

Mais duas mortes e 120 novos casos. Lisboa com 60% dos novos infetados

Portugal regista esta segunda-feira mais duas mortes, 120 novos casos de infeção por covid-19 e 160 curados em relação a segunda-feira, segundo o boletim diário da Direção-Geral da Saúde (DGS). O número de pessoas internadas é …

Encontrado cadáver com 30 anos em mansão abandonada em Paris

As obras de reforma numa mansão abandonada em Paris tiveram de ser suspensas inesperadamente depois de trabalhadores terem descoberto um cadáver a decompor-se na cave há 30 anos. De acordo com o jornal britânico The Guardian, …

Quase cem mil crianças contraíram a covid-19 em apenas duas semanas nos Estados Unidos

Noventa e sete mil crianças norte-americanas foram identificadas como infetadas com o novo coronavírus (covid-19) nas últimas semanas de julho. Os números relativos a estas duas semanas são avançados pela empresa norte-americana, que cita um relatório …

A1 terá novo acesso em Grijó no sentido sul/norte em 2021

A autoestrada A1 terá em 2021 um novo acesso em Grijó, concelho de Vila Nova de Gaia, no sentido sul/norte, revelou esta segunda-feira o presidente da autarquia que acredita que, com este projeto, o nó …

Tiros em frente à Casa Branca levam à retirada de Trump de conferência de imprensa

Um agente do Serviço Secreto retirou, esta segunda-feira, o Presidente norte-americano da sala na Casa Banca na qual estava a começar uma conferência de imprensa. O período em que Donald Trump esteve fora da sala foi …

Nani candidato a melhor jogador nos Estados Unidos

Internacional português e o colega João Moutinho (este para melhor jovem) estão na corrida para os prémios e também para o onze. Os futebolistas portugueses Nani e João Moutinho, ambos do Orlando City, estão entre os …

102 dias depois, coronavírus regressa à Nova Zelândia

A Nova Zelândia anunciou a sua primeira infeção por coronavírus transmitida localmente em 102 dias esta terça-feira, o que levou a primeira-ministra do país a emitir uma ordem de confinamento em Auckland, a maior cidade …

Taiwan acusa China de querer fazer da ilha o "próximo Hong Kong"

O ministro dos Negócios Estrangeiros de Taiwan, Joseph Wu, disse que há pressão da China sobre a ilha para aceitar condições políticas que farão de Taiwan o próximo Hong Kong. A Presidente de Taiwan recebeu esta …

Líderes do Líbano terão sido alertados sobre explosivos no porto de Beirute em julho

O Presidente do Líbano, Michel Aoun, e o primeiro-ministro, Hassan Diab, terão sido alertados em julho sobre a existência de 2.750 toneladas de nitrato de amónio armazenadas no porto de Beirute, avançou a agência Reuters. A …

OMS desiludida. Faltam pelo menos 90 mil milhões para investigação da vacina

O diretor da Organização Mundial de Saúde (OMS) afirmou, esta segunda-feira,  estar desiludido com a resposta global no combate à pandemia de covid-19. O responsável disse que faltam pelo menos 90 mil milhões de dólares do …