/

Pablo Hasél não divide cela nem colabora nos trabalhos de limpeza da prisão

1

Ramon Gabriel / EPA

O rapper espanhol Pablo Hasél

A advogada do rapper espanhol divulgou, no último fim-de-semana, mais detalhes sobre a detenção do seu cliente, que traçou algumas “linhas vermelhas” por estar integrado no coletivo de presos políticos antifascistas.

Em entrevista à estação catalã CMMA, Alejandra Matamoros afirmou que Pablo Hasél foi transferido para o estabelecimento prisional de Ponent, em Lérida, e que já falou com ele, salientando que o músico se mantém “forte, animado e orgulhoso”.

“Neste momento, está sozinho (…) e integrado no coletivo de presos políticos antifascistas, que tem várias linhas vermelhas. Já que estão detidos, exigem condições dignas de vida e, entre elas, está por exemplo a recusa em dividir cela”, explicou.

“Isto porque as celas são minúsculas, as condições são muito más e não sabemos que tipo de recluso é que vão colocar lá”, acrescentou.

A advogada do rapper explicou que, inicialmente, não lhe foi posto qualquer problema relativamente a esta exigência e que, agora, devido àquilo a que chama de “pressões políticas”, disseram-lhe que, se quisesse estar numa cela sozinho, “tinha de colaborar nos trabalhos de limpeza da prisão”.

Tal como os outros presos, Matamoros explicou que o artista limpa a sua cela e os espaços comuns que utiliza, mas recusa-se a realizar tarefas tais como “servir jantares e limpar outros espaços, como o pátio, uma vez que são trabalhos que os outros presos fazem para aceder a benefícios penitenciários”.

“Essa é outra das linhas vermelhas que tem o coletivo de presos políticos. Eles não colaboram, em nenhum caso, com a manutenção da prisão”, disse, recordando que “estes direitos foram conseguidos nos anos 70 e 80, à base de greves de fome muito duras”.

Questionada sobre como é que o rapper reagiu à detenção na Universidade de Lérida, Matamoros disse que foi “uma jornada intensa, de muitas entrevistas, de muitos meios de comunicação, nacionais e internacionais, a cobrirem o assunto”, acrescentando que foi uma “noite bastante tensa”.

A advogada aproveitou ainda para criticar a “grande parte dos meios de comunicação que se está a esmerar muito para intoxicar a razão pela qual Pablo Hasél entrou na prisão”.

“Dizem que não foi por motivos de liberdade de expressão, mas sim porque tinha antecedentes prévios. É totalmente falso. Pode ver-se na sua folha de antecedentes penais. Neste momento, são duas condenações, mas, quando entrou na prisão, estava em causa apenas a condenação de 2014, pelos mesmos motivos, ou seja, por canções e tweets”.

Protestos pela sua libertação continuam

Esta segunda-feira, Barcelona, Girona e Tarragona foram novamente cenário de manifestações em favor da libertação do rapper. Foi o sétimo dia de protestos, que decorreram sem grandes incidentes e também com menor adesão.

Nos anteriores seis dias de mobilizações, os Mossos d’Esquadra e a polícia local prenderam 109 pessoas em manifestações que, nalguns casos, degeneraram em violência, tendo sido contabilizados mais de 100 feridos, 91 deles polícias catalães.

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE

Pablo Hasél, detido na passada terça-feira na Universidade de Lérida, tornou-se um símbolo da liberdade de expressão em Espanha, depois de ter sido condenado a nove meses de prisão por, segundo a acusação, insultar as forças de ordem espanholas, glorificar o terrorismo e injuriar a monarquia.

Os factos pelos quais o rapper foi condenado remontam a 2014 e 2016, quando publicou uma canção no YouTube e dezenas de mensagens no Twitter, acusando as forças de ordem espanholas de tortura e de homicídios.

Posteriormente, um tribunal de Lérida confirmou outra sentença de dois anos e meio para o rapper por ameaçar uma testemunha num julgamento contra a polícia urbana da cidade. O tribunal ainda vai decidir se obriga Hasél a cumprir a nova pena, embora a sentença ainda possa ser objeto de recurso no Supremo Tribunal.

  Filipa Mesquita, ZAP // Lusa

1 Comment

  1. Coragem hasel, é preciso resistir aos opressores. A razao está do teu lado, e deste lado estão milhões a teu lado contra a tirania. Era impensável um pais integrante na dita democracia dos 27, haver um país que tem presos políticos nas suas prisões. Quem diria.

Deixe o seu comentário

Your email address will not be published.

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE