França e Itália retêm migrantes “sem água, comida e abrigo”

De acordo com um relatório divulgado pela Oxfam, os migrantes que estão na fronteira entre França e Itália estão presos “sem água, comida, abrigo ou direitos básicos”.

O relatório divulgado esta sexta-feira pela organização não-governamental Oxfam acusa a França e a Itália de não tratarem os migrantes que estão na fronteira entre os dois países com dignidade.

O documento contém testemunhos de migrantes que afirmam que a polícia na fronteira francesa detém as crianças deixando-as sem comida ou água, corta as solas dos sapatos e retira o cartão SIM dos seus telemóveis antes de “ilegalmente enviá-las de volta para Itália”.



“Em Ventimiglia, perto da fronteira entre a Itália e a França, os refugiados e outros migrantes estão a viver um período duro, sem acesso aos serviços mais básicos. Mulheres, homens e crianças são «empurrados» para fora do sistema de asilo italiano, que muitas vezes falha em oferecer-lhes as necessidades básicas para a sua segurança, informação e educação”, revela o documento.

“Do outro lado da fronteira, a polícia francesa recebe as crianças com abuso e envia-as de volta para Itália, violando a lei francesa e da União Europeia. Milhares de pessoas, presas, estão impedidas de procurar o suporte mais básico”, diz o estudo da ONG.

Segundo o Observador, que cita os termos do regulamento de Dublin, as crianças migrantes em França não podem ser enviadas de volta para Itália se tiverem pedido asilo. Os menos não acompanhados têm o direito de ser transferidos para outro asilo onde estiverem membros da sua família, de acordo com a lei da União Europeia.

A Oxfam diz ainda que a Itália deixou muitas crianças “presas” e sem outra escolha senão tentar o caminho pelos próprios passos. A ONG lança um conselho ao Governo italiano, de “assegurar a implementação de leis das crianças não acompanhadas em toda a Itália e, em particular, assegurar o exercício eficaz do direito à união familiar”.

Segundo a Oxfam, 17.337 crianças chegaram a Itália, e 91% chegou sozinha. Quase 39 mil migrantes viram negada a sua entrada em França, na fronteira com a Itália, entre janeiro e agosto do ano passado.

Matteo Salvini, ministro do Interior italiano, impediu esta semana o navio Aquarius de desembarcar na Sicília, e acusou a França de virar as costas a mais de dez mil migrantes na fronteira entre janeiro e maio.

O Presidente francês, Emmanuel Macron, respondeu, criticando o “cinismo e irresponsabilidade” de Itália em negar um navio de resgate com mais de 600 pessoas a bordo.

O Aquarius acabou por ser recebido por Espanha, com a ajuda de dois barcos militares italianos em toda a operação.

ZAP ZAP // Lusa

PARTILHAR

7 COMENTÁRIOS

  1. Os africanos negros e africanas, em vez de trabalharem mais, dedicam-se a fazer filhos, para depois exportar para a Europa. Reproduzem-se que nem ratos.

      • Estes gajos não podem ouvir as verdades que chamam logo racista. Racistas são os pretos que correram com os brancos da África. Querem a África só para eles e agora querem a Europa também. Eu não sou racista, limito-me a comprovar os factos e a dizer a verdade.

    • Sim… não há duvidas que há muitos que fazem isso, mas também há muitos europeus que fazem exactamente o mesmo!!
      O pior é que muitos desses migrantes são mesmo “inocentes” e são enganados por angariadores a quem entregam tudo e depois andam por aí à deriva…

RESPONDER

Marinha dos EUA está a desenvolver drones para matar ovos em ninhos de pássaros selvagens

A Marinha norte-americana e a empresa Hitron Technologies uniram esforços para desenvolver um drone autónomo projetado especificamente para procurar e destruir o maior inimigo da Marinha: os pássaros. Os drones, que estão já a ser testados …

Cientistas criam hologramas que se movem pelo ar

Uma equipa de cientistas da Universidade Brigham Young, nos Estados Unidos, conseguiu desenvolver um holograma que projeta imagens em movimento. Se é fã de Star Treck, ficará impressionado com a mais recente inovação. Um grupo de …

Gangue detido por falsificar a especiaria mais cara do mundo

As autoridades espanholas detiveram um gangue que fazia milhões de euros por ano a falsificar a especiaria mais cara do mundo: o açafrão. Os 17 membros da quadrilha foram detidos na região de Castela-Mancha. Os criminosos …

Santuário medieval recebe escultura em pedra que usa máscara contra a covid-19

Uma catedral histórica do Reino Unido renovou um santuário do século XIV, acrescentando um detalhe que coloca em evidência o momento pandémico que o mundo vive. Agora, a nova escultura está a usar uma máscara …

Aos 10 anos, Adewumi chegou à elite mundial do xadrez (e fugiu ao Boko Haram)

Tanitoluwa Adewumi foi perseguido pelo Boko Haram, fugiu da Nigéria e foi sem-abrigo nos Estados Unidos. Agora, com apenas 10 anos, chegou à elite mundial do xadrez. Grande Mestre é um dos títulos vitalícios concedidos pela …

Hegemonia económica da China cada vez mais longe. Queda demográfica coloca Pequim sob pressão

O objetivo do país é tornar-se na maior potência económica do mundo nos próximos anos, mas a corrida pela hegemonia - disputada com os EUA - pode não ser uma meta fácil de alcançar. O …

Miss Universo 2021. Concorrente da Singapura usa roupa com o slogan "Stop Asian Hate"

Bernadette Belle Ong, uma concorrente do Miss Universo 2021, vestiu uma roupa com as cores de Singapura que continha as palavras Stop Asian Hate ("parem com o ódio contra os asiáticos"). Bernadette Belle Ong aproveitou o …

A Índia está a tornar quase impossível a vacinação dos sem-abrigo

A Índia está a dificultar o processo de vacinação dos sem-abrigo, uma vez que o programa requer um número de telemóvel e uma morada residencial. Muitas pessoas não têm nem um, nem outro.  Na Índia, quase …

Violência contra as mulheres é "uma pandemia", alerta ONU

Uma década após a criação da Convenção de Istambul, o marco dos tratados de direitos humanos para acabar com a violência de género, as mulheres enfrentam um ataque global aos seus direitos e segurança, alertaram …

Já se sabe qual a ocasião mais perdida do ano devido à pandemia (e há uma campanha para compensar)

Tomar um café com um amigo ou um familiar é o momento mais perdido do último ano devido à pandemia de covid-19. Nos últimos 12 meses, e em todas as cidades europeias, estima-se ter havido …