França e Itália retêm migrantes “sem água, comida e abrigo”

De acordo com um relatório divulgado pela Oxfam, os migrantes que estão na fronteira entre França e Itália estão presos “sem água, comida, abrigo ou direitos básicos”.

O relatório divulgado esta sexta-feira pela organização não-governamental Oxfam acusa a França e a Itália de não tratarem os migrantes que estão na fronteira entre os dois países com dignidade.

O documento contém testemunhos de migrantes que afirmam que a polícia na fronteira francesa detém as crianças deixando-as sem comida ou água, corta as solas dos sapatos e retira o cartão SIM dos seus telemóveis antes de “ilegalmente enviá-las de volta para Itália”.

“Em Ventimiglia, perto da fronteira entre a Itália e a França, os refugiados e outros migrantes estão a viver um período duro, sem acesso aos serviços mais básicos. Mulheres, homens e crianças são «empurrados» para fora do sistema de asilo italiano, que muitas vezes falha em oferecer-lhes as necessidades básicas para a sua segurança, informação e educação”, revela o documento.

“Do outro lado da fronteira, a polícia francesa recebe as crianças com abuso e envia-as de volta para Itália, violando a lei francesa e da União Europeia. Milhares de pessoas, presas, estão impedidas de procurar o suporte mais básico”, diz o estudo da ONG.

Segundo o Observador, que cita os termos do regulamento de Dublin, as crianças migrantes em França não podem ser enviadas de volta para Itália se tiverem pedido asilo. Os menos não acompanhados têm o direito de ser transferidos para outro asilo onde estiverem membros da sua família, de acordo com a lei da União Europeia.

A Oxfam diz ainda que a Itália deixou muitas crianças “presas” e sem outra escolha senão tentar o caminho pelos próprios passos. A ONG lança um conselho ao Governo italiano, de “assegurar a implementação de leis das crianças não acompanhadas em toda a Itália e, em particular, assegurar o exercício eficaz do direito à união familiar”.

Segundo a Oxfam, 17.337 crianças chegaram a Itália, e 91% chegou sozinha. Quase 39 mil migrantes viram negada a sua entrada em França, na fronteira com a Itália, entre janeiro e agosto do ano passado.

Matteo Salvini, ministro do Interior italiano, impediu esta semana o navio Aquarius de desembarcar na Sicília, e acusou a França de virar as costas a mais de dez mil migrantes na fronteira entre janeiro e maio.

O Presidente francês, Emmanuel Macron, respondeu, criticando o “cinismo e irresponsabilidade” de Itália em negar um navio de resgate com mais de 600 pessoas a bordo.

O Aquarius acabou por ser recebido por Espanha, com a ajuda de dois barcos militares italianos em toda a operação.

ZAP // Lusa

PARTILHAR

7 COMENTÁRIOS

  1. Os africanos negros e africanas, em vez de trabalharem mais, dedicam-se a fazer filhos, para depois exportar para a Europa. Reproduzem-se que nem ratos.

      • Estes gajos não podem ouvir as verdades que chamam logo racista. Racistas são os pretos que correram com os brancos da África. Querem a África só para eles e agora querem a Europa também. Eu não sou racista, limito-me a comprovar os factos e a dizer a verdade.

    • Sim… não há duvidas que há muitos que fazem isso, mas também há muitos europeus que fazem exactamente o mesmo!!
      O pior é que muitos desses migrantes são mesmo “inocentes” e são enganados por angariadores a quem entregam tudo e depois andam por aí à deriva…

RESPONDER

Salários mais baixos podem passar a ter lay-off pago a 100%

O Governo está a estudar a possibilidade de o regime de lay-off, desenhado especificamente para o contexto da pandemia de covid-19, passar a ser pago na sua totalidade (100%) para quem tem salários mais baixos. …

Bronca na Liga. Contestação adia 5 substituições e o Marítimo recusa assinar Plano de Retoma

Após dois dias intensos de reuniões, foi aprovado o Plano de Retoma do campeonato nacional para a disputa das últimas 10 jornadas da época 2019/2020. Mas apenas 17 clubes o assinaram. O Marítimo recusou fazê-lo, …

Igreja perdeu 50 milhões de euros com a pandemia (e há dioceses em lay-off)

Ao cabo de dois meses de paragem por causa da pandemia de covid-19, as missas regressam, neste sábado, mas com regras novas para evitar a propagação do coronavírus. Uma paragem que resultou num "prejuízo" de …

Reabertura de ATL adiada para 15 de junho. Creches arrancam segunda-feira (sem apoios para os pais)

As Atividades de Tempos Livres (ATL) não integradas em estabelecimentos escolares só poderão voltar a funcionar a partir de 15 de junho, duas semanas depois daquilo que estava inicialmente previsto. O anúncio foi feito pelo primeiro-ministro, …

Governo britânico vai continuar a pagar 80% dos salários durante mais três meses

O Governo britânico vai continuar a pagar durante mais três meses 80% do salário de trabalhadores em lay-off devido à pandemia de covid-19, e reduzir gradualmente o valor até ao fim do sistema, em outubro. O …

Resgate à TAP deverá ser feito através de empréstimo obrigacionista

A ajuda do Estado à TAP deverá chegar através de um empréstimo obrigacionista convertível em ações, avança o jornal Expresso neste sábado. Este é o cenário mais provável para a TAP, apurou o semanário, que …

Lisboa pode receber a final deste ano da Liga dos Campeões

Istambul não está agradada com a ideia de receber a final da Liga dos Campeões sem adeptos no estádio. Por isso, outras hipóteses estão a ser consideradas, nomeadamente Lisboa. A final da Liga dos Campeões está …

Há mesmo algo de reconfortante quando dizemos palavrões

Um novo estudo sugere que, nas circunstâncias certas, dizer palavrões em voz alta parece fazer as pessoas sentirem menos dor. Exatamente como e porque é que o ato de dizer asneiras consegue fazer com que as …

"Paraministro" de Costa. Gestor independente chamado para negociar plano económico de retoma

O primeiro-ministro, António Costa, convidou o diretor executivo da petrolífera Partex, António Costa Silva, para estudar o plano de recuperação económica. De acordo com o semanário Expresso, que avança a notícia na sua edição deste …

Termina o dever cívico de confinamento

O Conselho de Ministros aprovou esta sexta-feira o fim do “dever cívico de recolhimento”, que entrará em vigor na próxima segunda-feira, prevê a resolução que prolongou a situação de calamidade até 14 de junho. A situação …