/

Otília é a 18.ª mulher este ano a morrer num contexto de violência doméstica

Um casal foi encontrado morto em casa, este domingo, em Famalicão. As autoridades apontam para um caso de homicídio, seguido de suicídio, num ambiente de violência doméstica.

Segundo o Público, o alerta soou por volta das 09h00 deste domingo, primeiro no posto territorial da GNR em Vila Nova de Famalicão, depois no Centro de Orientação de Doentes Urgentes (CODU).

Para o local foram várias equipas de emergência, uma da Unidade Hospitalar de Famalicão e duas dos Bombeiros Voluntários Famalicenses. Segundo informação de fonte da GNR, o homem, de 61 anos, terá matado a tiro a companheira, de 56, suicidando-se de seguida.

De acordo com o comandante dos bombeiros, Rui Costa, citado pelo diário, Otília Castro já estava morta quando chegaram ao local. José Carlos Ribeiro ainda tinha sinais vitais mas, já dentro da ambulância, “entrou em paragem respiratória” e acabou por morrer.

As duas mortes estão agora a ser investigadas pela Polícia Judiciária do Porto. De acordo com a polícia, na última sexta-feira, o homem, ex-emigrante na Venezuela, foi chamado ao posto da GNR, onde a mulher já tinha feito uma denúncia por violência doméstica.

O Expresso escreve que o casal, embora estivesse divorciado, vivia junto na moradia em Gondifelos há alguns anos. De acordo com o Público, a violência já não seria segredo. O agressor teria dito a alguns amigos que um dia ia “perder a cabeça” e matar a mulher. A vítima, por sua vez, teria revelado a colegas de trabalho que iria tentar fazer com que ele deixasse a casa.

Otília Castro será a 18.ª mulher a ser notícia este ano por ter sido morta num contexto de violência doméstica. No ano passado, de acordo com os dados apurados pelo Observatório de Imprensa de Crimes de Homicídio em Portugal e de Portugueses Mortos no Estrangeiro (OCH), ocorreram 32 homicídios, sendo que 20 eram mulheres.

  ZAP //

Deixe o seu comentário

Your email address will not be published.