OMS alerta que vírus está a mudar, mas não perdeu potência

Alejandro Garcia / EPA

Apesar de o novo vírus estar a mudar, não há nenhuma indicação de que as mudanças signifiquem alterações na transmissibilidade e na gravidade.

O novo coronavírus está a mudar, mas não perdeu potência, não se transmite menos nem a doença que provoca está menos grave, afirmou esta quinta-feira a principal responsável técnica da Organização Mundial de Saúde no combate à pandemia da covid-19.

“São mudanças naturais que se esperam de um vírus RNA, mudanças que esperamos. Não vimos nenhuma indicação de que estas mudanças signifiquem alguma mudança na transmissibilidade e na gravidade” da covid-19, afirmou Maria van Kerkhove em conferência de imprensa a partir da sede da organização, em Genebra.

A epidemiologista norte-americana afirmou que “há um grande grupo de cientistas que está a olhar muito cuidadosamente para este vírus e para o que estas mudanças significam realmente, se é que significam alguma coisa”. Maria van Kerkhove falava após o segundo fórum sobre a covid-19 promovido pela OMS, que se realizou quinta e quarta-feira.

Afirmou que um dos desafios que se coloca para conhecer melhor o vírus é “com que frequência alguém que não tem sintomas e nunca os desenvolve é capaz de transmitir [a covid-19] a outra pessoa”.

“Sabemos desde fevereiro que uma pessoa pode estar infetada, não ter sintomas e transmitir a outras, o que foi confirmado por estudos e investigação muito pormenorizada que ainda decorre”, indicou.

“O que estamos a tentar perceber melhor é a importância relativa do momento em que as pessoas contagiam outras. Sabemos que este vírus se transmite através de gotículas respiratórias, com mais frequência quando as pessoas têm sintomas, mas também pode acontecer mesmo antes de desenvolverem sintomas ou ao mesmo tempo que surgem, ou seja, quando ainda são ligeiros”, referiu.

No entanto, a transmissão “também pode acontecer quando as pessoas estão infetadas e não desenvolvem quaisquer sintomas, o que torna as medidas de controlo da pandemia muito mais desafiantes“.

Maria van Kerkhove destacou que a forma de contágio mais prevalente continua a ser “contacto prolongado com alguém infetado” e que a OMS regista “com alarme eventos de supercontágio” em ambientes fechados como lares de idosos, hospitais, fábricas de processamento de carne ou edifícios de culto.

Desde o primeiro fórum científico promovido pela OMS, a gravidade da doença parece ter-se mantido consistente com o que se verificou primeiro na China, onde o novo coronavírus apareceu: “20% dos doentes desenvolvem uma forma grave da doença, o que se tem confirmado ao longo do tempo”.

No entretanto, os cientistas descobriram que medicamentos como esteroides corticais – como a dexametasona – tiveram resultado na redução de mortalidade de doentes mais graves, mas é preciso “perceber melhor” por que razão isso acontece, apontando-se para um efeito destes medicamentos em reações inflamatórias que afetam os doentes e que aumentam a gravidade da covid-19.

ZAP ZAP // Lusa

PARTILHAR

RESPONDER

Cientista descobre espécie extinta de ganso através de uma pintura egípcia

Uma famosa pintura que estava originalmente no túmulo do príncipe egípcio Nefermaat levou um cientista a descobrir uma espécie de ganso já extinta. A cena "gansos de Meidum", originalmente pintada no túmulo do príncipe Nefermaat, encontra-se …

Físico cria algoritmo de IA que pode provar que a realidade é uma simulação

Hong Qin, do Laboratório de Física de Plasma de Princeton (PPPL) do Departamento de Energia dos EUA, criou um algoritmo de Inteligência Artificial que pode provar que a realidade é, na verdade, uma simulação. O algoritmo …

Quase 10 anos depois, avião de Gaddafi continua parado num aeródromo em França

Quase uma década depois de ter aterrado em solo francês, o avião presidencial do ex-ditador líbio continua parado num aeródromo no sul do país, estando no meio de vários processos judiciais que parecem não ter …

Governo recebeu 1.600 ideias para a bazuca. Costa agradece mobilização

Durante a fase de discussão pública, o Plano de Recuperação e Resiliência recebeu mais de 1.600 contribuições e mais de 65 mil consultas. O primeiro-ministro António Costa disse que, durante a fase de discussão pública, …

"Honjok" é o nome do movimento sul-coreano que reivindica a solidão

A solidão tornou-se um tema recorrente devido à pandemia de covid-19. Na Coreia do Sul, existe um movimento chamado "honjok", que promove um estilo de vida solitário. O isolamento imposto pela pandemia de covid-19 está a …

Do subsolo sírio à nomeação ao Óscar: hospitais em tempos de guerra numa "era de impunidade"

The Cave é o nome de uma produção que esteve nomeada para o Óscar de Melhor Documentário de 2020. É também o lugar onde hospitais sírios se escondem para salvar vidas longe de bombardeamentos e …

Patrícia Mamona sagra-se campeã no triplo salto em pista coberta

Esta tarde, Patrícia Mamona tornou-se a terceira atleta portuguesa a garantir a medalha de ouro para Portugal no Campeonato da Europa em pista coberta. A portuguesa Patrícia Mamona conquistou, este domingo, a medalha de ouro na …

Dias de aulas mais longos, férias mais curtas e cinco períodos. Em Inglaterra, já se equacionam formas de recuperar o tempo perdido

Há três medidas em cima de mesa que podem vir a ser adotadas para combater os atrasos na aprendizagem dos alunos. Na Inglaterra, as escolas reabrem para aulas presenciais esta segunda-feira, mas já se pensa …

Índia abre centro de bem-estar para hóspedes abraçarem vacas e "esquecerem todos os problemas"

Animais de conforto e apoio emocional são cada vez mais populares em todo o mundo. Embora a maioria das pessoas use cães ou gatos, há também algumas escolhas mais bizarras, incluindo pavões, macacos e cobras. Os …

Abel Ferreira tentou levar jogador do Benfica para o Palmeiras

O treinador português Abel Ferreira, no comando técnico dos brasileiros do Palmeiras, pediu a contratação de Franco Cervi, que alinha pelo Benfica, mas acabou por ver a sua proposta recusada pelo jogador argentino. A notícia …