Jaime tentou afogar a mulher. Foi o Facebook que acabou com 30 anos de violência doméstica

Um relatório da Equipa de Análise Retrospetiva de Homicídio em Violência Doméstica, criada pelo Governo, pede sigilo aos tribunais e polícia, mas também coordenação entre as entidades que vigiam os agressores e protegem as vítimas.

As recomendações estão na análise de um caso em que uma mulher só não morreu por mero acaso. A tentativa de homicídio, por afogamento no rio Águeda, aconteceu em 2017 e só foi evitada porque um estranho presenciou a cena, começou a filmar e ameaçou chamar as autoridades.

A situação acabaria relatada pela testemunha, que publicou um vídeo e um texto no Facebook onde se podia ler que “A mulher depois já toda suja de lama e da água lá fugiu deste monstro humano”.

O autor do vídeo relatou à PJ que “ao princípio da noite ficou surpreendidíssimo quando constatou que já tinha mais de vinte mil visualizações e centenas de mensagens, desde anónimos, a jornalistas e instituições, designadamente da GNR” que dava um número de telemóvel e pedia que contactasse o posto local.

Os militares da GNR acabariam por deslocar-se à residência do casal envolvido neste caso de violência doméstica onde foram “atendidos por uma senhora, tendo sido verificado imediatamente que a mesma apresentava uma nódoa negra bastante visível no seu olho direito”.

Aconselhada a ir para uma casa de abrigo, a mulher respondeu “inúmeras vezes que tinha medo de abandonar a residência, afirmando que caso o seu companheiro desconfiasse que a mesma tinha saído de casa que a matava”.

Ao fim de alguma insistência, a mulher concordou em ser transportada para o posto da GNR, receber tratamento médico e ser encaminhada para uma casa de abrigo “em virtude de nenhum familiar da vítima se mostrar disponível para albergá-la, com a fundamentação de que tinham receio que o suspeito fosse atrás da vítima”.

Mas a história de violência era bem mais antiga do que o vídeo. “A relação conjugal marcada pela violência física e psicológica” durava há mais de 30 anos, num ciclo de violência sem fim que já tinha gerado duas queixas na polícia. “A vítima refere que a primeira agressão física ocorreu quando ainda estava grávida da filha”.

O relato da mulher descreve que há décadas que tinha “muito medo do agressor e que foi muito criticada, no decurso desse tempo, por apresentar queixa do marido, quer por entidades com que contactou quer pela comunidade, que conhecia a situação. Familiares, amigos, vizinhos, colegas de trabalho, a comunidade envolvente, foram-se apercebendo, mas, por regra, escolheram não ver, não ouvir e não falar. Neste percurso, grandemente solitário, quem via olhava frequentemente para o lado, quem ouvia fingia surdez“, detalha o relatório.

Os autores da avaliação deste caso sublinham ainda que encontraram em peças processuais do inquérito à tentativa de afogamento “a localização de instituição em que a vítima esteve acolhida, bem como da técnica que a apoiou nesse período”, pelo que pedem que “todas as entidades que intervenham na investigação criminal, a qualquer título, devem preservar sempre, por óbvias questões de segurança, o sigilo da localização das estruturas de acolhimento de vítimas de violência doméstica”.

Os especialistas do Estado que analisaram esta história de violência doméstica e a resposta das autoridades públicas apontam ainda falta de articulação entre a Direção-Geral de Reinserção e Serviços Prisionais (DGRSP) que vigiou o agressor antes da tentativa de homicídio e as entidades da Rede Nacional de Apoio às Vítimas de Violência Doméstica.

Finalmente, é preciso rever o documento que é entregue a alguém que como esta senhora recebeu o Estatuto da Vítima num processo penal. A mulher em causa manifestou ter tido uma insuficiente informação e compreensão sobre o desenvolvimento e o destino dos processos em que participou antes da última agressão que só não acabou em tragédia porque um estranho começou a filmar e ameaçou chamar a polícia.

ZAP //

PARTILHAR

3 COMENTÁRIOS

  1. Fundamental será despenalizar a gravação “ilícita”, passando a admiti-la como meio auxiliar de prova. É certo que já há deepfakes, mas na era do digital total e da impossibilidade prática de proteção absoluta da imagem de todos, a lei precisa claramente de ser revista. Nos casos como o da notícia fez toda a diferença. Ainda bem que o condenado não foi o autor da filmagem. Se souberem que os tribunais poderão vir a admitir áudio, vídeo ou foto como prova, pode ser que isso, sim, salve muitas vítimas seja de que idade, sexo ou condição forem.

Responder a Xano Cancelar resposta

Idosa de 93 anos recuperou de Covid-19 (e há 6 crianças em estado grave no Dona Estefânia)

Uma mulher de 93 anos que esteve internada em Lisboa, com Covid-19, recuperou da infecção ao cabo de 11 dias. Enquanto isso, há seis crianças com idades entre 4 meses e 17 anos que estão …

"Grande erro" da Europa é não usar máscaras, considera especialista chinês

George Gao, diretor dos Centros de Controlo e Proteção de Doenças da China (CDC), considera que o "grande erro" da Europa no combate à pandemia de covid-19 é o facto de as pessoas não usarem …

Obama critica de Trump. "Cada um de nós deve exigir mais dos nossos líderes"

O ex-Presidente norte-americano, Barack Obama, considerou esta terça-feira que o seu sucessor, Donald Trump, ignorou os avisos sobre os riscos de uma pandemia do novo coronavírus, e recordou o mesmo comportamento quanto às alterações climáticas, …

Covid-19. Hotel cinco estrelas na Austrália vai acolher sem-abrigo

A Austrália vai levar a cabo um projeto piloto que visa retirar das ruas alguns sem-abrigo e transferi-los para hotéis de luxo, protegendo-os assim do novo coronavírus oriundo da China (Covid-19).  O projeto, Hotels With Heart, …

Red Bull equacionou infeção voluntária dos seus pilotos

Um responsável da Red Bull admitiu que propôs aos pilotos da marca austríaca, que participa no Mundial de Fórmula 1, uma estratégia de infeção voluntária de covid-19, visando ficarem imunes no início da temporada. Helmut Marko …

TAP avança com lay-off para 90% dos trabalhadores (e reduz atividade para cinco voos semanais)

Numa mensagem enviada aos seus funcionários, a TAP revelou que vai mesmo avançar com um processo de 'lay-off' para 90% dos trabalhadores e com a redução do período normal de trabalho em 20% para os …

Estado vai devolver 3 mil milhões em reembolsos do IRS

O Estado vai devolver 3 mil milhões de euros aos contribuintes em reembolsos do IRS, cuja entrega arranca esta quarta-feira e se estende até 30 de junho. A informação foi avançada pelo ministro de Estado, …

Há quatro infetados no sistema prisional. Estão todos em isolamento domiciliário

O Ministério da Justiça revelou esta terça-feira que aumentou para quatro o número de infetados com covid-19 no sistema prisional e que estão todos em isolamento domiciliário segundo indicação da saúde pública. Em comunicado, o Ministério …

Sousa Cintra diz que Rafael Leão "não ficou no Sporting porque foi apertado"

Sousa Cintra, ex-líder da SAD do Sporting no tempo da Comissão de Gestão, lamenta a rescisão do jogador Rafael Leão, considerando que "ele não continuou porque foi apertado". O jovem jogador foi, recentemente, condenado a …

Portugal tem há cinco dias os mesmos 43 recuperados. DGS e especialistas explicam porquê

Portugal regista, desde o passado dia 27 de abril, os mesmos 43 recuperados da Covid-19, segundo os boletins epidemiológicos diários da Direção-Geral da Saúde. Questionado pela agência Lusa sobre a estagnação no número de altas hospitalares …