Jaime tentou afogar a mulher. Foi o Facebook que acabou com 30 anos de violência doméstica

Um relatório da Equipa de Análise Retrospetiva de Homicídio em Violência Doméstica, criada pelo Governo, pede sigilo aos tribunais e polícia, mas também coordenação entre as entidades que vigiam os agressores e protegem as vítimas.

As recomendações estão na análise de um caso em que uma mulher só não morreu por mero acaso. A tentativa de homicídio, por afogamento no rio Águeda, aconteceu em 2017 e só foi evitada porque um estranho presenciou a cena, começou a filmar e ameaçou chamar as autoridades.

A situação acabaria relatada pela testemunha, que publicou um vídeo e um texto no Facebook onde se podia ler que “A mulher depois já toda suja de lama e da água lá fugiu deste monstro humano”.

O autor do vídeo relatou à PJ que “ao princípio da noite ficou surpreendidíssimo quando constatou que já tinha mais de vinte mil visualizações e centenas de mensagens, desde anónimos, a jornalistas e instituições, designadamente da GNR” que dava um número de telemóvel e pedia que contactasse o posto local.

Os militares da GNR acabariam por deslocar-se à residência do casal envolvido neste caso de violência doméstica onde foram “atendidos por uma senhora, tendo sido verificado imediatamente que a mesma apresentava uma nódoa negra bastante visível no seu olho direito”.

Aconselhada a ir para uma casa de abrigo, a mulher respondeu “inúmeras vezes que tinha medo de abandonar a residência, afirmando que caso o seu companheiro desconfiasse que a mesma tinha saído de casa que a matava”.

Ao fim de alguma insistência, a mulher concordou em ser transportada para o posto da GNR, receber tratamento médico e ser encaminhada para uma casa de abrigo “em virtude de nenhum familiar da vítima se mostrar disponível para albergá-la, com a fundamentação de que tinham receio que o suspeito fosse atrás da vítima”.

Mas a história de violência era bem mais antiga do que o vídeo. “A relação conjugal marcada pela violência física e psicológica” durava há mais de 30 anos, num ciclo de violência sem fim que já tinha gerado duas queixas na polícia. “A vítima refere que a primeira agressão física ocorreu quando ainda estava grávida da filha”.

O relato da mulher descreve que há décadas que tinha “muito medo do agressor e que foi muito criticada, no decurso desse tempo, por apresentar queixa do marido, quer por entidades com que contactou quer pela comunidade, que conhecia a situação. Familiares, amigos, vizinhos, colegas de trabalho, a comunidade envolvente, foram-se apercebendo, mas, por regra, escolheram não ver, não ouvir e não falar. Neste percurso, grandemente solitário, quem via olhava frequentemente para o lado, quem ouvia fingia surdez“, detalha o relatório.

Os autores da avaliação deste caso sublinham ainda que encontraram em peças processuais do inquérito à tentativa de afogamento “a localização de instituição em que a vítima esteve acolhida, bem como da técnica que a apoiou nesse período”, pelo que pedem que “todas as entidades que intervenham na investigação criminal, a qualquer título, devem preservar sempre, por óbvias questões de segurança, o sigilo da localização das estruturas de acolhimento de vítimas de violência doméstica”.

Os especialistas do Estado que analisaram esta história de violência doméstica e a resposta das autoridades públicas apontam ainda falta de articulação entre a Direção-Geral de Reinserção e Serviços Prisionais (DGRSP) que vigiou o agressor antes da tentativa de homicídio e as entidades da Rede Nacional de Apoio às Vítimas de Violência Doméstica.

Finalmente, é preciso rever o documento que é entregue a alguém que como esta senhora recebeu o Estatuto da Vítima num processo penal. A mulher em causa manifestou ter tido uma insuficiente informação e compreensão sobre o desenvolvimento e o destino dos processos em que participou antes da última agressão que só não acabou em tragédia porque um estranho começou a filmar e ameaçou chamar a polícia.

ZAP //

PARTILHAR

3 COMENTÁRIOS

  1. Fundamental será despenalizar a gravação “ilícita”, passando a admiti-la como meio auxiliar de prova. É certo que já há deepfakes, mas na era do digital total e da impossibilidade prática de proteção absoluta da imagem de todos, a lei precisa claramente de ser revista. Nos casos como o da notícia fez toda a diferença. Ainda bem que o condenado não foi o autor da filmagem. Se souberem que os tribunais poderão vir a admitir áudio, vídeo ou foto como prova, pode ser que isso, sim, salve muitas vítimas seja de que idade, sexo ou condição forem.

Responder a Eu! Cancelar resposta

Onda de pedras-pomes fez uma viagem pelo Pacífico (e traz nova vida à costa da Austrália)

Uma "onda" de pedras-pomes está a chegar à Austrália após uma longa viagem pelo Pacífico. As rochas vulcânicas produzidas na fase de ejeção dos gases contidos na lava, podem trazer um presente para o seu …

Não foram as estrelas de neutrões. A origem do ouro do Universo voltou a ser um mistério

Quando a humanidade detetou a colisão entre duas estrelas de neutrões em 2017, confirmou a teoria de longa data que as explosões criam elementos mais pesados do que o ferro. Assim, pensou-se ter a resposta …

Descoberta uma cripta secreta sob uma capela polaca. Pode levar ao lendário Santo Graal

O lendário Santo Graal, que terá sido usado por Jesus durante a Última Ceia para transformar o vinho em sangue, cativou a imaginação dos caçadores de tesouros durante séculos. Embora possamos nunca saber se esta relíquia …

Pedaço de cabelo de Lincoln (e um telegrama ensanguentado) leiloados por 81 mil dólares

Um anónimo pagou mais de 81 mil dólares (cerca de 71 mil euros) por uma mecha de cabelo de Abraham Lincoln. O exemplar foi retirado da cabeça de Lincoln um dia após a sua morte, …

Descobertos novos detalhes em Pietà de Miguel Ângelo

Uma equipa de especialistas estava a fazer trabalhos de limpeza na Pietà de Florença, esculpida pelo artista italiano Miguel Ângelo, quando encontrou detalhes desconhecidos da obra. Uma Pietà é um tema da arte cristã em que …

Microsoft afundou um data center em 2018. Dois anos depois, revela o que descobriu

Em 2018, a Microsoft aproveitou a tecnologia de submarinos para afundar um data center que poderia fornecer ligação à Internet durante anos na costa de Orkney. Agora, foi recuperado e os investigadores estão a testá-lo …

"James Bond da Filantropia". Bilionário cumpre sonho e doa toda a sua fortuna

Chuck Feeney cumpriu o seu sonho e está oficialmente falido. O empresário e filantropo queria doar toda a sua fortuna antes de morrer e assim o fez. Chuck Feeney é um empresário norte-americano de ascendência irlandesa …

A pandemia chegou à Lapónia e até o Pai Natal já a sente

O turismo da Lapónia prepara-se para sofrer um duro golpe com a pandemia de covid-19. As restrições de viagens deixam a economia da "residência oficial do Pai Natal" em risco. A Lapónia, na Finlândia, é conhecida …

Fruta do dragão e máscaras grátis. Vietname inova e triunfa na segunda vaga

A inovação do povo vietnamita está a ajudar a fazer do país uma história de sucesso não só na primeira vaga, mas também na segunda. Até ao momento, registaram-se pouco mais mil casos. O Vietname foi …

Alunos separados em "bolhas" dentro da escola, mas "encavalitados" antes de entrar

Mil alunos amontoaram-se esta manhã à frente da Escola Secundária Pedro Nunes. A escola adotou método de "turmas bolha", mas à entrada da escola não houve distanciamento e alguns alunos não usavam máscara. A diretora …