Jaime tentou afogar a mulher. Foi o Facebook que acabou com 30 anos de violência doméstica

Um relatório da Equipa de Análise Retrospetiva de Homicídio em Violência Doméstica, criada pelo Governo, pede sigilo aos tribunais e polícia, mas também coordenação entre as entidades que vigiam os agressores e protegem as vítimas.

As recomendações estão na análise de um caso em que uma mulher só não morreu por mero acaso. A tentativa de homicídio, por afogamento no rio Águeda, aconteceu em 2017 e só foi evitada porque um estranho presenciou a cena, começou a filmar e ameaçou chamar as autoridades.

A situação acabaria relatada pela testemunha, que publicou um vídeo e um texto no Facebook onde se podia ler que “A mulher depois já toda suja de lama e da água lá fugiu deste monstro humano”.

O autor do vídeo relatou à PJ que “ao princípio da noite ficou surpreendidíssimo quando constatou que já tinha mais de vinte mil visualizações e centenas de mensagens, desde anónimos, a jornalistas e instituições, designadamente da GNR” que dava um número de telemóvel e pedia que contactasse o posto local.

Os militares da GNR acabariam por deslocar-se à residência do casal envolvido neste caso de violência doméstica onde foram “atendidos por uma senhora, tendo sido verificado imediatamente que a mesma apresentava uma nódoa negra bastante visível no seu olho direito”.

Aconselhada a ir para uma casa de abrigo, a mulher respondeu “inúmeras vezes que tinha medo de abandonar a residência, afirmando que caso o seu companheiro desconfiasse que a mesma tinha saído de casa que a matava”.

Ao fim de alguma insistência, a mulher concordou em ser transportada para o posto da GNR, receber tratamento médico e ser encaminhada para uma casa de abrigo “em virtude de nenhum familiar da vítima se mostrar disponível para albergá-la, com a fundamentação de que tinham receio que o suspeito fosse atrás da vítima”.

Mas a história de violência era bem mais antiga do que o vídeo. “A relação conjugal marcada pela violência física e psicológica” durava há mais de 30 anos, num ciclo de violência sem fim que já tinha gerado duas queixas na polícia. “A vítima refere que a primeira agressão física ocorreu quando ainda estava grávida da filha”.

O relato da mulher descreve que há décadas que tinha “muito medo do agressor e que foi muito criticada, no decurso desse tempo, por apresentar queixa do marido, quer por entidades com que contactou quer pela comunidade, que conhecia a situação. Familiares, amigos, vizinhos, colegas de trabalho, a comunidade envolvente, foram-se apercebendo, mas, por regra, escolheram não ver, não ouvir e não falar. Neste percurso, grandemente solitário, quem via olhava frequentemente para o lado, quem ouvia fingia surdez“, detalha o relatório.

Os autores da avaliação deste caso sublinham ainda que encontraram em peças processuais do inquérito à tentativa de afogamento “a localização de instituição em que a vítima esteve acolhida, bem como da técnica que a apoiou nesse período”, pelo que pedem que “todas as entidades que intervenham na investigação criminal, a qualquer título, devem preservar sempre, por óbvias questões de segurança, o sigilo da localização das estruturas de acolhimento de vítimas de violência doméstica”.

Os especialistas do Estado que analisaram esta história de violência doméstica e a resposta das autoridades públicas apontam ainda falta de articulação entre a Direção-Geral de Reinserção e Serviços Prisionais (DGRSP) que vigiou o agressor antes da tentativa de homicídio e as entidades da Rede Nacional de Apoio às Vítimas de Violência Doméstica.

Finalmente, é preciso rever o documento que é entregue a alguém que como esta senhora recebeu o Estatuto da Vítima num processo penal. A mulher em causa manifestou ter tido uma insuficiente informação e compreensão sobre o desenvolvimento e o destino dos processos em que participou antes da última agressão que só não acabou em tragédia porque um estranho começou a filmar e ameaçou chamar a polícia.

ZAP //

PARTILHAR

3 COMENTÁRIOS

  1. Fundamental será despenalizar a gravação “ilícita”, passando a admiti-la como meio auxiliar de prova. É certo que já há deepfakes, mas na era do digital total e da impossibilidade prática de proteção absoluta da imagem de todos, a lei precisa claramente de ser revista. Nos casos como o da notícia fez toda a diferença. Ainda bem que o condenado não foi o autor da filmagem. Se souberem que os tribunais poderão vir a admitir áudio, vídeo ou foto como prova, pode ser que isso, sim, salve muitas vítimas seja de que idade, sexo ou condição forem.

RESPONDER

Trump critica cerimónia dos Óscares, "Parasitas" e Brad Pitt

O Presidente norte-americano criticou a cerimónia dos Óscares, esta quinta-feira, nomeadamente a atribuição do prémio de Melhor Filme para o sul-coreano "Parasitas" e ainda o ator Brad Pitt. Na noite desta quinta-feira, num comício em Colorado …

Paris lança número de emergência para fazer frente à crise de percevejos

O Governo francês lançou uma campanha, esta quinta-feira, para fazer frente à crise de percevejos que se instalou em Paris. Segundo a agência France-Press, citada pelo The Guardian, casas e hotéis da capital francesa estão a …

"Radical chique" e "ressentido". Filho de Paulo Branco pode ter sido o pivot do escândalo sexual em França

Juan Branco, o filho do produtor de cinema Paulo Branco, é o homem do momento em França. O advogado de 30 anos saltou para as luzes dos média no âmbito da divulgação do vídeo sexual …

Alcochete. "Se Mustafá estivesse lá aquilo não tinha acontecido"

O arguido Emanuel Calças disse, esta sexta-feira, em tribunal que, se Mustafá estivesse com o grupo que invadiu a academia do Sporting, "aquilo não tinha acontecido". "Tenho a certeza de que se o Mustafá estivesse presente …

Coronavírus ameaça o têxtil português (mas também é uma "oportunidade")

O sector têxtil nacional está ameaçado e pode parar a produção já em Março. Tudo devido à falta de matéria-prima que vem da China e que se deve à epidemia do novo coronavírus. A "situação …

Governo diz que prejuízo da TAP "não foi um desvio qualquer" e que já devia ter tido lucro em 2018 e 2019

O ministro das Infraestruturas disse, esta sexta-feira, que o orçamento que a comissão executiva da TAP apresentou ao Conselho de Administração para 2018 e 2019 previa lucro e que o prejuízo de 105,6 milhões "não …

João Lourenço duplica valor de subsídio de antigos Presidentes de Angola

O Presidente angolano, João Lourenço, duplicou o valor do subsídio de fim de mandato pago a antigos chefes de Estado, mas cortou outras regalias, nomeadamente a nível da segurança e quadro de pessoal. O decreto-presidencial 32/20, …

FC Porto castigado com um jogo à porta fechada

O FC Porto foi punido com um jogo à porta fechada, esta sexta-feira, devido a "um ato de ofensa corporal a agente desportivo" na final da Taça de Portugal. A punição aplicada pelo Conselho de Disciplina …

Cientistas condenam teorias da conspiração sobre a origem do surto do coronavírus

Um grupo de 27 cientistas da área de saúde pública condenou, através de um comunicado, o fluxo de histórias e um artigo científico que sigerem que um laboratório em Wuhan, na China, pode ser a …

Saída de juíza dita repetição da fase de instrução do caso Hells Angels

A saída do Tribunal Central de Instrução Criminal (TCIC) da juíza que dirigiu cerca de 40 sessões da instrução do caso Hells Angels vai obrigar à repetição desta fase, revelou à Lusa fonte ligada ao …