Nuno Melo não vai ao Conselho Nacional e pede aos outros conselheiros que façam o mesmo

Estela Silva / Lusa

Nuno Melo, do CDS/PP

O eurodeputado Nuno Melo, do CDS/PP

O eurodeputado anunciou, esta quinta-feira, que não vai participar no Conselho Nacional do CDS-PP marcado para amanhã, apelando aos conselheiros que façam o mesmo.

O CDS marcou para esta sexta-feira, “com carácter de urgência”, um Conselho Nacional para definir as linhas do programa eleitoral que vai apresentar às legislativas, bem como tomar posição sobre uma eventual coligação com o PSD na Madeira.

Entretanto, na sua página de Facebook, o eurodeputado Nuno Melo, que pretendia disputar a liderança do partido com o atual presidente centrista, anunciou que não vai participar nesta reunião.

“O Conselho Nacional do próximo dia 26 de novembro foi mais uma vez convocado para se realizar à distância e de forma urgente, quando nenhuma pressa é justificada”, começou por referir.

Nuno Melo acrescenta que “a ordem de trabalhos deste Conselho Nacional decorre de outro, realizado no dia 29 de outubro, com violação de todas as regras regimentais e legais, a par do desrespeito pela decisão do Conselho Nacional de Jurisdição que declarara nula e de nenhum efeito a respetiva convocatória”.

Por isso mesmo, na altura, recorda, optou por remeter “uma impugnação das deliberações desse Conselho Nacional, nomeadamente a que decidiu adiar o Congresso do partido” agendado para este fim-de-semana.

O centrista lamenta o facto de, até agora, não ter recebido “qualquer resposta ou informação sobre o andamento do processo” e destaca como é curioso que o novo Conselho Nacional vá acontecer “na véspera daquele que deveria ser o primeiro dia do Congresso do CDS”.

É inaceitável que num partido fundador da democracia portuguesa, os órgãos não funcionem, de cada vez que possa estar em causa qualquer pretensão ou decisão da direção nacional ou do seu presidente”, escreveu ainda.

Por todas estas situações, Nuno Melo adiantou que não vai participar neste Conselho Nacional e apela a outros Conselheiros Nacionais que o acompanhem nesta reação, “até que uma decisão seja proferida relativamente à deliberação ilícita de adiamento do Congresso do CDS”.

  ZAP //

Deixe o seu comentário

Your email address will not be published.

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE