Novos radares de velocidade média já estão nas estradas (e prometem multas pesadas)

16

Ruben Alexandre Teixeira / Wikimedia

Os novos radares de velocidade média chegaram esta semana às estradas portuguesas. Estão espalhados pelo país.

Ao contrário dos tradicionais radares, a nova tecnologia não mede a velocidade instantânea dos veículos. Em vez disso, calculam se os condutores percorreram dois pontos de um trajeto mais depressa do que aquilo que é permitido.

Imagine que vai numa estrada em que existe o limite de velocidade de 100km/h, explica a ACP. Num determinado ponto, é registada a matrícula do seu veículo, assim como a hora de passagem. Mais à frente nesse mesmo trajeto, estará outro radar que faz exatamente o mesmo.

Com base nestas informações, é calculado o tempo que o veículo demorou a percorrer o percurso, assim como a velocidade média. Se o condutor completou a distância num tempo inferior ao mínimo estipulado, significa que não cumpriu o limite de velocidade.

Assim, já não será possível abrandar antes da presença de um radar e depois voltar a infringir o limite de velocidade após o radar.

De acordo com a CNN Portugal, para já, estão instalados em 14 locais, mas a localização não é fixa, podendo ser alternada a localização. Os radares de velocidade média têm uma sinalética própria: o sinal de trânsito H42.

ANSR

O sinal H42 representa um radar de velocidade média.

As multas para quem infringir o limite de velocidade nestas zonas vão dos 60 aos 2.500 euros, dependendo dos limites e excesso de velocidade a que seguia.

Os novos radares podem ser encontrados, atualmente, nas seguintes localizações:

  • Beja – IC1
  • Coimbra – A1 e EN109
  • Évora – A6 e IP2
  • Faro – EN398
  • Lisboa – EN10, EN6-7 e IC19
  • Porto – A3
  • Santarém – A1
  • Setúbal – EN10, EN378, EN4 e IC1

De momento, os radares ainda estão em fase de teste, não se sabendo quando é que começarão a funcionar na sua plenitude. A Autoridade Nacional de Segurança Rodoviária (ANSR) avisará quando e onde.

ZAP //

16 Comments

    • Fácil fazer leis para os outros cumprirem !!!

      Se os pseudo governantes e os pseudo elites dessem o exemplo, nada disso era necessário.

    • O objetivo é apenas fazer dinheiro (é um imposto camuflado).
      Se começarem a andar mais devagar, simplesmente diminuem a tolerância, até que um dia vão chegar a multar por ir 1 km/h acima do limite.
      Com isto, não estou a dizer para andarem em excesso de velocidade.
      Devem adequar a velocidade às condições da via e do transito, pois em algumas situações, até ir à velocidade permitida, pode ser excesso de velocidade (por exemplo com chuva intensa ou nevoeiro).

      Se o objetivo fosse mesmo diminuir a sinistralidade, teriam de ser feitas obras para adequar a estrada à velocidade, ou teriam de melhorar a sinalização.
      Principalmente em estradas nacionais, é fácil ir em locais onde não sabemos o limite efetivo de velocidade, pois está constantemente a mudar.
      Podemos ir a ultrapassar outro veículo e não vemos o sinal e não há uma alteração percetível das características da estrada que justifiquem a alteração
      Também já passei por situações, onde a estrada ao passar numa localidade tinha o limite de 50 km/h, depois 1 ou 2 km/h à frente ao aproximar de um cruzamento tinha o limite de 70 Km/h.
      Claramente estava ali um sinal em falta no meio que permitisse uma velocidade superior, pois não faz sentido mandar acelerar quando se está a chegar a um cruzamento!

      Eu já não consigo fazer viagens longas sem o GPS ligado, para evitar cair nestas armadilhas de radares que estão colocados claramente na caça à multa, e já me aconteceu efetivamente haver diferenças entre a velocidade que eu achava que era a limite, e a que estava indicada como limite no GPS.

  1. Deem adeus a liberdade!!!! Ainda bem que nao moro nem nunca pretendo morar em Portugal nem voltar ao Brasil nem em nenhuma nacao que acha que deve restringir a liberdade individual.

  2. Não é permitida a condução automóvel a menores de 18 por isso não está e causa o exemplo mas sim o sentido da responsabilidade e do respeito pelo próximo. É preciso cumprir a lei se os outros não o fizerem o problema é deles mas às vezes não só!! Este é um país onde poucos cumprem.

  3. O excesso de velocidade é algo a ter em consideração, mas o que eu não vejo é as autoridades responsáveis pelo controlo quer na cidade, quer na estrada, a tomarem medidas para disciplinarem aqueles que nem sequer querem saber do código da estrada, e não me estou a referir aos limites de velocidade. Cada dia se assiste a uma verdadeira selva quando se anda na rua, selva no pior sentido da palavra e pior dia a dia.
    A caça às multas passa por coisas como a CML/Junta ter uma estrada de 3 faixas, em cada sentido, passeios largos, passadeiras com semáforos, … com limite de 30Km/h, quer a subir, quer a descer, e a polícia ir à caça parqueando após uma curva na descida o carro com o radar atrás dos arbusto do Vale dos Silêncio (Av. Lourenço Marques em Lisboa). Justificação para os 30Km/h? Provavelmente porque assim rende mais à CML enquanto fonte de rendimento.

    • Ainda pensei que se tinha enganado a escrever a velocidade.
      Tive curiosidade, e fui ver com o google maps, e está lá mesmo um sinal de 30 km/h, que até passa despercebido (só vi mesmo 1, mas até podem existir mais).
      Se efetivamente existe algum perigo a ir a mais velocidade, teriam era de colocar semáforos de limite de velocidade e mais indicação que o limite é esse, pois pelas condições da via parece permitir mais velocidade.
      Nessa zona, até um condutor mais cuidado pode perder uns quantos pontos na carta, por não se aperceber que o limite é esse.

  4. Quem não deve, não teme. Sejam responsáveis. Portugal é dos países europeus onde mais se morre na estrada.

  5. Na minha ótica de ver esta situação, acho que, o primeiro ponto que devia ser colocado, é a falta de civismo e o não cumprimento das ordens até agora impostas. Não se deve nem pode ir a conduzir com o telemóvel; o que se vê, para além de terem agravado as multas, cada vez mais praticantes deste ato. Esta situação, é quanto a meu ver, a pior de todas. Quem vai ao telefone, alheia-se à condução, embora não o queira assumir. Como é que antes desta modernice, se ia a qualquer lado e não precisava deste meio de comunicação?
    Outra situação, é apenas por culpa do governo. Para papar impostos referentes às compras dos veículos, deixa que estes venham equipados com bombas relógio (velocidade e potencias), que não poderão ser utilizados, como era expectável pelos seus compradores. As auto estradas estão limitadas a 120Km/h e quem tem uma máquina deste calibre, terá o seu encanto em testar esta e onde poderia fazer este gosto, o estado barrica essa hipótese. Porque é que o estado não obriga a limitar os carros de forma a não atingirem mais 120Km/hora? Caça à multa!
    Agora pelo que se vê, já vai ser tarde para se mudar este contexto. Está imposto e vamos ter de aguentar com as consequências. Foi a forma mais fácil por parte dos nossos governantes, de arranjarem mais dinheiro para estragarem e sacarem para os fins com que eles concorreram ao poder.
    Já fui motard e verifiquei muitas situações em que nas estradas de dois sentidos, os condutores de automóveis, em vez de andarem o mais à direita possível, fazem precisamente o contrário; circulam em cima do eixo central separador e não facilitam nas filas de trânsito, que um simples motard ou motoqueiro, passe por estes. Será inveja ou falta de civismo? Deixem-se de pensar e olhar apenas para o seu umbigo. Não descore aquele princípio; a minha liberdade acaba quando começa a do meu vizinho.

  6. Como explica o leitor acima, trta-se claramente de caça a multa a que infelizmente, já estamos habituados.
    Relembro que no ano anterior, tivemos a maior carga fiscal de sempre, num período extremamente difícil para os portugueses e não só.
    Retira-se daqui a ideia que o governo é implacável a receber e péssimo a pagar. É o posso, quero e mando.
    Estou de acordo com a fiscalizaçã mas educativa e preventiva. Avisar e só depois, na reincidência, multar. Mas o governo despreza o cidadão contribuínte de uma forma geral. Tudo cai em cima dos cidadãos mas o governo nada em dinheiro para aquilo que lhe interessa. Esta democracia não está a morrer. De facto, ainda nem sequer nasceu .

  7. Tão bons que prometem multas, não prometem segurança rodoviária !!!

    O estado precisa de dinheiro para desviarem 😉

  8. É um jogo do gato e do rato.
    Gasta-se milhões a criar melhores infraestruturas, vias, autoestradas, e depois reduz-se os limites de velocidade de 120 Km/h para 100 Km/h, nas autoestradas. Se houvesse mais policiamento nessas vias, ou cada condutor consciente pudesse enviar para as autoridades o que verificam nessas vias, não eram necessários mais milhões em “papa multas”, grande parte das pessoas que utilizam essas vias são TRABALHADORES que pagam os seus impostos, e para chegarem a horas aos seus compromissos, sem colocar outros em risco, necessitam andar nessas vias que lhes permite chegar mais depressa, e isso é Crime?
    Coloquem equipamentos que gravem a circulação de pessoas que andam quilómetros na faixa do meio, que nas vias municipais circulam ao meio e não apenas na sua faixa e quando vêm um obstáculo na sua faixa, obrigam o da faixa livre a travar porque eles é que têm de passar. Haja mais civismo e poupar-se-ão milhões.

    • Estou de acordo. Em Portugal conduz-se muito mal. Penso mesmo que é dos países do mundo onde mais se conduz pela esquerda.

Deixe o seu comentário

Your email address will not be published.