Novo tipo de explosão espacial pode ser a supernova mais poderosa do Universo

Astrónomos descobriram um novo tipo de explosão que pode ser a classe mais poderosa de supernova jamais vistas. Usando telescópios no Chile e no Havai para detectar uma variedade de objectos de interesse, os cientistas encontraram o mais brilhante deles: uma explosão agora designada PS1-10adi.

De acordo com o estudo, liderado pela Queen’s University Belfast e publicado na revista Nature Astronomy, esta explosão de energia foi consideravelmente mais brilhante do que a de uma supernova regular.

A explosão, localizada numa galáxia a 2,4 mil milhões de anos-luz de distância, foi detectada em 2010, mas os astrónomos mediram a sua evolução ao longo de três anos, uma vez que o brilho das supernovas normalmente diminui em menos de um ano.

“A nossa descoberta revelou explosões capazes de libertar uma quantidade de energia dez vezes maior do que as explosões normais“, adiantou Cosimo Inserra, investigador da Universidade de Southampton e co-autor do estudo, em comunicado.

“Os nossos dados mostram que eventos como este não são muito incomuns e desafiam o nosso conhecimento“, acrescentou Inserra.

O tamanho da explosão significa que ainda não se pode explicar o que a causou. Uma das possibilidades é que seja uma supernova, criada pela explosão de uma estrela centenas de vezes mais maciça que o Sol.

“Se são explosões de supernova, as propriedades são as mais extremas já observadas, e provavelmente estão ligadas às regiões centrais das galáxias hospedeiras”, disse o autor principal do estudo, Erkki Kankare.

Outra possibilidade é que este seja o resultado de uma estrela de massa menor a ser devorada por um buraco negro supermaciço, fenómeno conhecido como TDE, ou Evento de Interrupção de Maré.

A PS1-10adi não é o único novo tipo de explosão que os astrónomos encontraram. Foram observadas inúmeras explosões com a mesma natureza, o que sugere que pode haver uma nova classe de explosão no Universo que simplesmente não tinha sido notada antes.

Anteriormente, pensava-se que essas fontes estavam relacionadas com a actividade dos buracos negros. “Propomos que as explosões sejam consideradas uma classe distinta e provavelmente não incomum de transição, eventos relativamente breves, que não foram reconhecidos como tal até agora”, escreve a equipa de cientistas.

Agora, os astrónomos esperam que novos telescópios, como o Large Synoptic Survey, no Chile, entrem em funcionamento até ao final desta década, para poderem encontrar ainda mais explosões como esta.

EM, ZAP // IFLScience

PARTILHAR

1 COMENTÁRIO

RESPONDER

Parar de comer quando se está cheio nem sempre é fácil (e há uma razão para isso)

Com alguns alimentos, parar de comer — mesmo quando se está cheio — nem sempre é fácil. Isto porque algumas destas comidas podem ter sido feitas de forma a que tal aconteça. Nenhum alimento é criado …

Há milhares de misteriosos buracos no fundo do mar da Califórnia

Surgiu um novo mistério perto da costa de Big Sur, na Califórnia, no fundo do Oceano Pacífico: há milhares de pequenos fragmentos redondos retirados dos sedimentos do fundo do mar.   A descoberta foi feita como parte …

NASA apresenta "mapa do tesouro" para encontrar água em Marte

Uma equipa de cientistas da NASA elaborou um mapa da água congelada que existe em Marte e que se acredita estar a apenas 2,5 centímetros abaixo da superfície do Planeta Vermelho - isto é, à …

Já se sabe como é que planetas florescem a partir de pequenos pedaços de poeira

Uma equipa de investigadores validou uma teoria que pode explicar como é que os planetas crescem a partir de pequenos pedaços de poeira interestelar. O crescimento de um pequeno pedaço de poeira até um planeta inteiro …

Rainha Isabel II está a procura de um gestor de redes sociais

A família real britânica está à procura de um gestor de redes sociais. O salário vai oscilar entre os 53 e 59 mil euros anuais por 37 horas semanais, de segunda a sexta-feira. A rainha Isabel II …

Cinco antepassados de crocodilos viveram há 150 milhões de anos na Lourinhã

Pelo menos cinco crocodilomorfos, antepassados dos crocodilos, viveram na região da Lourinhã há 150 milhões de anos, durante o período do Jurássico. Num artigo publicado na Zoological Journal of the Linnean Society, os paleontólogos Alexandre Guillaume, …

A radiação de Chernobyl está a deixar as vespas esfomeadas (e isso é má notícia)

A Zona de Exclusão de Chernobyl é a área em torno da cidade ucraniana de Pripyat, onde a Central Nuclear de Chernobyl entrou em colapso em 1986. Apesar de não haver humanos na região, e …

Beethoven deixou a 10.ª sinfonia inacabada (e a IA vai completá-la)

Um dos maiores dilemas da história da música é a obra inacabada de Ludwig van Beethoven (1770-1827), a "10ª sinfonia", com muitos músicos a esforçar-se para finalizá-la, utilizando alguns dos fragmentos disponíveis, mas sem sucesso. Desta …

Orcas bebé têm maior probabilidade de sobreviver se viverem com a avó

Crias de orca que vivam com a avó têm uma maior probabilidade de sobreviver quando comparadas às outras orcas. A experiência destas espécimes mais velhas é essencial para o grupo. Tal como nos humanos, as avós …

A "capital mundial das pessoas feias" mora na Itália

Piobbico, na Itália, é uma cidade medieval repleta de grandes edifícios de pedra cercados por florestas exuberantes. No entanto, a cidade é conhecida pela feiura dos seus habitantes. Esta cidade, com cerca de 2.000 habitantes, alberga …