Novo Banco vai accionar “meios legais” contra lesados do BES

António Cotrim / Lusa

Manifestação dos lesados do papel comercial do BES, promovida pela Associação dos Indignados e Enganados do Papel Comercial, em frente a sede do Novo Banco, em Lisboa

Manifestação dos lesados do papel comercial do BES, promovida pela Associação dos Indignados e Enganados do Papel Comercial, em frente a sede do Novo Banco, em Lisboa

O Novo Banco revelou esta quinta-feira que vai exigir “por todos os meios legais” o apuramento das responsabilidades dos participantes nos protestos dos clientes lesados do papel comercial que acusa de terem agredido verbal e fisicamente colaboradores do banco.

“Hoje, uma vez mais, a Associação dos Lesados deu seguimento à estratégia de reivindicar as suas pretensões recorrendo a métodos fora da lei”, salientou em comunicado o banco liderado por Eduardo Stock da Cunha, acrescentando que aquela entidade “impediu o acesso de colaboradores do Novo Banco ao seu local de trabalho, para além de os insultar e, nalguns casos, agredir fisicamente”.

E vincou: “Por essa razão, no seguimento do comunicado de 06 de maio, o Novo Banco vai exigir, por todos os meios legais, o apuramento das responsabilidades, que estão devidamente documentadas, junto dos mandantes e executantes das agressões verbais e físicas praticadas, incluindo os membros dos órgãos sociais da Associação dos Lesados”.

Já no início de maio, o Novo Banco tinha emitido um comunicado onde admitia adotar “medidas legais” contra o comportamento dos lesados do papel comercial de sociedades do Grupo Espírito Santo (GES), que foi vendido aos balcões do Banco Espírito Santo (BES) e não foi reembolsado, que têm feito várias ações de protesto contra a situação em que se encontram um pouco por todo o país.

No comunicado de hoje, o Novo Banco “lastima estes acontecimentos – que não são próprios de um Estado de Direito – e reafirma a sua qualidade de banco de transição obrigado a respeitar os termos da medida de resolução do dia 3 de agosto de 2014″, sublinhando que conta “com mais de 6 mil profissionais de inquestionável e reconhecida dignidade, competência e profissionalismo”.

Segundo a instituição financeira, perante os protestos que hoje decorreram em Lisboa, “os colaboradores de Novo Banco demonstraram, novamente, a sua qualidade e dedicação, e contam com o apoio do Conselho de Administração, que os defenderá sempre que necessário”.

A unidade especial de polícia da PSP retirou, sem recurso à força, os clientes lesados do BES que se encontravam a bloquear as entradas da sede do Novo Banco, em Lisboa, pelas 09:30 desta quinta-feira.

Esta ação criou as condições necessárias para os funcionários do Novo Banco poderem entrar na sede do banco, tendo a PSP feito um cordão de segurança debaixo das arcadas do edifício.

Cerca de 100 lesados do BES concentraram-se desde cedo em frente às portas da sede do Novo Banco, em Lisboa, em mais uma ação de protesto, levando a polícia a cortar a circulação do trânsito no local.

Os primeiros manifestantes chegaram ao local cerca das 7:00 e ocuparam as entradas principais do edifício no cruzamento da avenida da Liberdade com a rua Barata Salgueiro.

O protesto levou a polícia a cortar a circulação do trânsito no cruzamento da rua Castilho com a rua Barata Salgueiro.

A 03 de agosto de 2014, o Banco de Portugal tomou o controlo do BES, após a apresentação de prejuízos semestrais de 3,6 mil milhões de euros, separando a instituição em duas entidades: o chamado ‘banco mau’ (um veículo que mantém o nome BES e que concentra os ativos e passivos tóxicos do BES, assim como os acionistas), e o banco de transição que foi designado Novo Banco.

/Lusa

PARTILHAR

5 COMENTÁRIOS

  1. Lê-se ao ler o artigo, que o novo banco diz, “estes acontecimentos” ( os protestos dos clientes lesados que reclamam o dinheiro ) ” não são próprios de um estado de direito “…..Mas pergunto eu : Enganar clientes e não lhes devolver o dinheiro é digno de um estado de direito e membro da União Europeia !!??

    • Devolver?! Quem? Porquê?
      Então investem em produtos com risco e depois querem “devoluções”?!
      É já a seguir…
      Investiram em papel comercial do GES (Grupo Espirro Santo), o GES está falido, logo…

  2. incrível se eu investisse e perdesse ninguém me dava nada de volta mas como é um bando arruaceiro já tem direito, pior eles investem e perdem e nós é que pagamos, que país.

    • Ah?!
      Quanta ignorância…
      Nós pagamos?! Nós quem?
      Não é o país que tem que pagar, nem vai pagar nada disso!
      O problema é com o BES e o GES…

  3. Sim, sim… os clientes “lesados” foram mesmo todos enganados!…
    Coitados, nenhum sabe ler e nenhum sabia o que estava a fazer (só sabiam que iam ganhar muito dinheiro, mas havia risco; e correu mal!),e agora a culpa é dos outros…
    É o que dá a ganância… foram a jogo e perderam!!
    Desgraçados dos funcionários que tem que aturar esta gente; acho muito bem que o NB tome medidas!
    Já para não falar que andam a fazer manifestações não autorizadas, a cortar estradas, em confrontos com a policias, a agredir funcionários, etc, etc, e qualquer delas já basta para serem detidos!!
    Se estão assim tão indignados, porque não vão ter com o Salgado e companhia?!
    Até parece que algum dos funcionários das sucursais é que vai resolver o problema!

Iraque condena três franceses a pena de morte por pertencerem ao Estado Islâmico

Três homens de nacionalidade francesa foram este domingo condenados a pena de morte, pelo tribunal de Bagdade, capital do Iraque, por pertenceram ao Estado Islâmico, avança a AFP, que cita o juiz que leu a …

Oposição levou mais gente às ruas do que Bolsonaro

Manifestações a favor do presidente Jair Bolsonaro e da reforma da previdência, o principal objetivo do governo neste ano, moveram milhares de brasileiros em pouco mais de 130 cidades de 26 estados do Brasil. No passado …

Utentes da Soflusa estão “cansados” de constantes supressões

Os utentes da Soflusa mostraram-se esta segunda-feira "cansados" das constantes supressões das ligações fluviais entre o Barreiro e Lisboa, que estão hoje a acontecer durante todo o dia devido à falta de mestres. "Já estou a …

Banco Alimentar recolhe 1.605 toneladas de alimentos no fim de semana

O Banco Alimentar contra a Fome recolheu 1.605 toneladas de alimentos durante o fim de semana da campanha nacional que decorreu em mais de duas mil superfícies comerciais, anunciou a presidente do Banco Alimentar contra …

Sérgio Conceição apontado à Lazio

A imprensa italiana aponta esta segunda-feira o treinador do FC Porto, Sérgio Conceição, à Lazio. O técnico português, recorde-se, passou pelo emblema italiano em duas ocasiões como jogador de futebol. O jornal italiano Il Messaggero adianta …

Filial portuguesa de multinacional alemã envolvida em subornos em Angola

A sucursal portuguesa em Angola da multinacional alemã Fresenius Medical Care, que actua na área médica, esteve envolvida num esquema de pagamento de subornos a médicos e militares angolanos que renderam 124 milhões de euros …

CGD acaba com empresa que criou há quase 20 anos com a PT

Criada há quase 20 anos pela Caixa Geral de Depósitos (CGD) e pela Portugal Telecom (PT), a Caixanet foi liquidada no início deste ano, bem como a Caixa Tec e a Sogrupo, duas outras empresas …

MB Way. Bancos "fecham" aplicação para cobrar comissões diferenciadas nas transferências

Em pleno arranque do 'open banking', os bancos estão a substituir a aplicação MB Way por soluções próprias que "amarram" os clientes, com o propósito de cobrar comissões diferenciadas nas transferências através do telemóvel. Segundo noticiou …

A abstenção venceu. É a mais alta de sempre

A abstenção foi a grande figura das eleições europeias deste domingo, tendo 68,7% dos portugueses optado por não votar. A abstenção em Portugal voltou a atingir um novo recorde, enquanto que a taxa de participação …

Neurocirurgia do Hospital de São João deixa os contentores ao fim de 12 anos

O novo serviço de neurocirurgia do Hospital de S. João, no Porto, está a funcionar desde este sábado. Ao fim de 12 anos, os serviços de neurocirurgia do Hospital de S. João, no Porto, deixaram de …