Inglaterra pode voltar a confinar, Noruega suspende vida social e Japão pondera estado de emergência

Alessandro di Marco / EPA

A nova variante do SARS-CoV-2 já chegou a vários países em todo o mundo e está a fazer com que alguns recuem no alívio de restrições. Boris Johnson, o primeiro-ministro britânico, não põe de lado a possibilidade de voltar a confinar, a Noruega vai impor novas restrições para prevenir uma nova vaga e o Governo japonês prevê a imposição do estado de emergência em Tóquio.

O primeiro-ministro britânico, Boris Johnson, avisou que poderão ser decretadas restrições mais rigorosas em Inglaterra para combater a rápida propagação do coronavírus, atribuída a uma nova variante.

Nas últimas 24 horas, mais de 55 mil pessoas testaram positivo para o vírus, ultrapassando a barreira das 50 mil pelo sexto dia consecutivo, de acordo com os dados oficiais divulgados este domingo.

“Podemos ter de fazer nas próximas semanas coisas que serão mais difíceis em muitas partes do país”, disse Boris Johnson à BBC, acrescentandoque o encerramento das escolas, uma medida tomada no final de março durante a primeira vaga da pandemia, “é uma dessas coisas”.

Embora o líder conservador tenha dito que a educação das crianças é uma “prioridade”, salientou a necessidade de reconhecer “o impacto da nova variante do vírus“.

Cada uma das quatro nações – Inglaterra, Irlanda do Norte, Escócia e País de Gales – que integram o Reino Unido decide a sua própria estratégia de luta contra o vírus.

No Reino Unido, três quartos da população regressaram ao confinamento e o início do ano escolar foi adiado para alguns alunos, especialmente em Londres e no sudeste de Inglaterra, que são particularmente afetados pelo aumento dos casos.

Em áreas onde as escolas estão abertas, Johnson encorajou os pais a enviarem os filhos à escola, sublinhando que é “seguro”.

“O risco para as crianças e os jovens é muito, muito baixo”, disse.

O Sindicato Nacional da Educação, um agrupamento de professores, disse que as escolas deveriam permanecer fechadas por razões de segurança.

“As escolas desempenham um papel importante na propagação da infeção”, disse Jerry Glazier, membro do comité executivo nacional da NEU, citado pela agência francesa AFP.

“Por isso, pensamos que as escolas são perigosas, tanto para as crianças como para o pessoal”, disse, acrescentando que “muitos professores estavam muito ansiosos por regressar ao trabalho”.

No jornal Sunday Mirror, o líder da oposição trabalhista, Keir Starmer, criticou a ação do governo: “Há confusão entre pais, professores e alunos sobre quem voltará à escola e quem não voltará.”

A partir de segunda-feira, a vacina desenvolvida pela Universidade de Oxford e pelo grupo AstraZeneca será administrada no Reino Unido.

Um total de 530 mil doses estará disponível a partir desta segunda-feira, e espera-se que dezenas de milhões de doses estejam disponíveis até ao final de março, tendo o Reino Unido encomendado um total de 100 milhões de doses.

Mais de um milhão de pessoas no Reino Unido já receberam uma dose da vacina da aliança Pfizer/BioNtech, que tem vindo a ser administrada desde 8 de dezembro. Para ambas as vacinas, é necessária a toma de duas doses.

O governo decidiu alargar a administração da segunda dose de 3 para 12 semanas para assegurar que o maior número possível de pessoas receba a primeira dose, uma decisão que levantou dúvidas da comunidade científica e da Pfizer/BioNtech.

“Cada vez que vacinamos alguém uma segunda vez, não vacinamos outra pessoa pela primeira vez. Isto significa que estamos a perder a oportunidade de reduzir significativamente o risco de as pessoas mais vulneráveis ficarem gravemente doentes de covid-19”, justificou Jonathan Van-Tam, vice-chefe médico de Inglaterra em declarações a imprensa.

O Reino Unido é um dos países europeus mais atingidos pela covid-19, com 75.024 mortes.

Noruega com novas restrições

A Noruega vai impor novas restrições para prevenir uma nova vaga da epidemia de covid-19, disse a primeira-ministra, Erna Solberg, este domingo. Entre as medidas estão a proibição em todo o país de servir álcool em restaurantes e o desincentivo a ter visitantes em casa nas próximas duas semanas.

De acordo com o jornal Público, o país do Norte da Europa viu os casos aumentarem no ultimo mês. O indicador do número de pessoas que, em média, um infetado contagia, Rt, é agora de 1,3.

“Estamos a ver sinais de uma nova onda de infeções”, afirmou Solberg em conferência de imprensa, citando como razões o Natal e as celebrações de Ano Novo, bem como o aparecimento da nova variante mais contagiosa do vírus.

Durante as próximas duas semanas, pediu Solberg, os noruegueses devem pôr as suas vidas sociais em suspenso para controlar o vírus. “Peço-vos que não recebam quaisquer visitas em casa. Esperem duas semanas antes de convidar alguém para casa ou de visitar alguém”, disse.

No sábado, o Governo norueguês anunciou que as aulas presenciais nas universidades estavam suspensas e pediu aos alunos que ficassem em casa.

Lojas, jardins-de-infância e escolas primárias vão permanecer abertos. O ensino básico e secundário vai continuar a funcionar, mas com uma maior aposta nas aulas à distância.

Todas as viagens por motivos pessoais, para o estrangeiro ou no país, são desaconselhadas. A Noruega já tinha algumas das medidas mais duras da Europa para viajantes. Na quinta-feira, Oslo impôs testes negativos à covid-19 para todos os estrangeiros, à chegada ou no período de 24 horas, para impedir que a nova variante se espalhe.

Na semana de 21 a 27 de Dezembro, a Noruega tinha a quarta taxa de incidência a 14 dias mais baixa da Europa, só atrás da Islândia, Grécia e Finlândia: 113,6 infetados por 100 mil habitantes, segundo o Centro Europeu de Prevenção e Controlo das Doenças.

Governo japonês prevê estado de emergência em Tóquio

O primeiro-ministro japonês anunciou esta segunda-feira que o Governo estava a planear um novo estado de emergência na região metropolitana de Tóquio devido ao aumento dos casos de covid-19, considerando a situação do país “muito grave”.

Yoshihide Suga disse também esperar que a campanha de vacinação comece a partir do fim de fevereiro. Em conferência de imprensa, o responsável acrescentou que será dos primeiros a receber a vacina.

Suga pediu à população para evitar saídas dispensáveis e declarou que o Governo japonês estava a preparar alterações à lei para poder sancionar estabelecimentos que não reduzam horários ou encerramento temporário, prometendo, ao mesmo tempo, incentivos.

Mais uma vez, o primeiro-ministro japonês reafirmou o compromisso de organizar os Jogos Olímpicos de Tóquio 2020, adiados para o verão deste ano devido à pandemia, repetindo que a organização do evento será “uma prova de que a humanidade venceu o vírus”.

Após suceder em setembro a Shinzo Abe, que se demitiu por razões de saúde, Yoshihide Suga tem sido alvo de fortes críticas relativas à gestão da crise sanitária pelo Governo.

Com cerca de 240 mil infetados e menos de 3.600 mortos, de acordo com os dados oficiais, o Japão tem sido relativamente poupado pela pandemia quando comparado com vários países. Desde novembro, as autoridades sanitárias nipónicas estão a registar um forte aumento dos contágios, que ultrapassaram, na quinta-feira e pela primeira vez, a barreira dos quatro mil novos casos em 24 horas.

No sábado, os governadores de Tóquio e de três regiões vizinhas pediram ao Governo para declarar um novo estado de emergência, tal como em abril e maio passados, progressivamente alargado a todo o país.

Até aqui, o Governo de Suga mostrou-se hesitante em decretar um novo estado de emergência, depois de três trimestres de recessão económica. No entanto, o primeiro-ministro nipónico admitiu agora que “uma mensagem mais forte era necessária”.

“O Governo planeia decretar o estado de emergência” com medidas que permitam, nomeadamente, reduzir as infeções em bares e restaurantes”, declarou.

O estado de emergência permite aos governadores locais pedir às empresas que fechem e aos habitantes que fiquem em casa, sem impor medidas ou qualquer sanção em caso de incumprimento.

Sobre as vacinas, Suga declarou que o Governo esperava dados precisos das empresas farmacêuticas norte-americanas até final do mês, e a campanha poderia começar a partir do final de fevereiro.

As vacinas serão prioritárias para “o pessoal de saúde, idosos e funcionários de lares”, indicou o primeiro-ministro, acrescentando que será um dos primeiros a ser vacinado.

A pandemia de covid-19 provocou pelo menos 1.835.824 mortos resultantes de mais de 84,5 milhões de casos de infeção em todo o mundo, segundo um balanço feito pela agência francesa AFP.

Sofia Teixeira Santos, ZAP // Lusa

PARTILHAR

RESPONDER

Jerónimo na campanha de João Ferreira para homenagear os que "se levantaram contra o fascismo"

O candidato presidencial comunista contou com a presença do secretário-geral do PCP, esta segunda-feira, na Marinha Grande, que destacou a importância de lutar contra os atuais "traços de regressão democrática". Durante uma ação na Escola Secundária …

Gilberto, Vertonghen, Grimaldo, Diogo Gonçalves e Waldschmidt infetados

Os futebolistas do Benfica Gilberto, Vertonghen, Grimaldo, Diogo Gonçalves e Luca Waldschmidt são os mais recentes casos positivos ao novo coronavírus no plantel do Benfica, informou esta terça-feira o clube da Luz. “O Sport Lisboa e …

Hospital de Portalegre abre inquérito a morte de doente que esteve 3 horas em ambulância

O hospital de Portalegre vai abrir um inquérito para apurar as circunstâncias da morte de um octogenário, na noite de segunda-feira, na área dedicada aos doentes respiratórios, depois de estar quase três horas numa ambulância, …

"Não somos heróis". Há quartéis que podem fechar se não houver vacinas para os bombeiros

O presidente da Associação Nacional de Bombeiros Profissionais (ANBP), Fernando Curto, disse que se o número de bombeiros infetados com covid-19 continuar a este ritmo muitos quartéis podem ter de encerrar. "As carrinhas de transporte de …

Mayan ouve lesados da pandemia e diz que "limitações têm de vir acompanhadas do cheque"

Tiago Mayan Gonçalves ouviu as lamentações de uma série de empresários algarvios afetados pela pandemia. O candidato aponta o dedo ao Governo, argumentando que "limitações severas têm de vir acompanhadas do cheque". Esta segunda-feira, Tiago Mayan …

Itália: Da crise pandémica à crise política. Conte tem agora o voto de confiança dos deputados

O primeiro-ministro italiano, Giuseppe Conte, obteve ontem a confiança dos deputados para se manter no governo, depois da demissão de duas ministras do partido Itália Viva (IV) ter aberto uma crise política, deixando o governante …

Hospitais do Centro no limite. Em Lisboa, vão abrir dois hospitais de campanha

Várias unidades hospitalares têm dado conta nos últimos dias de uma situação de rutura nos serviços, devido à pressão de doentes internados com covid-19. Pela primeira vez, este domingo, os óbitos associados à covid-19 no Centro …

"Risco de readmissão é grande". Quase um terço dos infetados voltou ao hospital (e um em cada oito morreu)

De acordo com um estudo recente realizado no Reino Unido, quase um terço das pessoas que tiveram alta de um internamento por problemas de saúde relacionados com a covid-19, em Inglaterra, regressaram ao hospital pela …

Fecho das escolas "seria a medida mais forte de saúde pública"

O encerramento das escolas "seria a medida mais forte de saúde pública a ser tomada", perante a existência de um "teto falso" na deteção de novos casos e o aparecimento da variante inglesa, defendeu esta …

"Ato ditatorial" e "humilhação cruel". Mourinho criticado por optar por Gedson em vez de Dele Alli

O ex-futebolista Stan Collymore chamou Mourinho de ditador e criticou o facto de ter deixado Dele Alli de fora dos convocados em detrimento de Gedson Fernandes. Stan Collymore, antigo jogador do Liverpool, criticou José Mourinho pela …