Constâncio já se lembra. Mas garante que nada omitiu aos deputados

Manuel de Almeida / Lusa

Os deputados da comissão parlamentar de inquérito à recapitalização e gestão da Caixa Geral de Depósitos (CGD) aprovaram uma nova audição ao ex-governador do Banco de Portugal (BdP).

Antes da audição ao ex-administrador da CGD Jorge Tomé, os grupos parlamentares aprovaram por unanimidade a convocação de Vítor Constâncio para uma nova audição, depois de ter estado no Parlamento no dia 28 de março. Os deputados aprovaram também o regresso de Pedro Duarte Neves, ex-vice-governador responsável pelo pelouro da supervisão.

Foi hoje noticiado que a administração de Vítor Constâncio no Banco de Portugal (BdP) autorizou a tomada de posição da Fundação José Berardo no BCP, contradizendo as declarações do ex-governador no Parlamento.

O Público teve teve acesso à troca de correspondência entre o Banco de Portugal e a Fundação Berardo sobre a concessão de crédito de 350 milhões de euros da Caixa Geral de Depósitos ao empresário José Berardo, que na altura já não dispunha de capitais próprios adequados.

Estes são os documentos mais importantes que provam que o Conselho de administração do Banco de Portugal liderado por Vítor Constâncio teve conhecimento e autorizou, em 2007, toda a operação problemática.

De acordo com documentação, dois membros da supervisão bancária do Banco de Portugal, Carlos Nunes e Virgílio Mendes, assinaram uma carta em que se pode ler que “o Conselho de Administração do Banco de Portugal, em sessão de 21 de agosto de 2007, deliberou não se opor à detenção por parte da Fundação José Berardo de uma participação qualificada superior a 5% e inferior a 10% no capital social do Banco Comercial Português SA e inerentes direitos de voto”.

Segundo noticia o jornal Público, “Constâncio deu aval a crédito ruinoso da CGD a Berardo”, já que “a operação foi aprovada em Conselho de Administração do Banco de Portugal”, informação que o ex-governador omitiu à Assembleia da República.

Na sua audição na comissão parlamentar de inquérito à recapitalização e gestão da CGD, Constâncio, em resposta ao deputado do PSD Duarte Marques, que lhe tinha perguntado se “não achou estranho” o “assalto ao BCP com dinheiro da Caixa”, afirmou: “Eu não teria feito essas operações, mas elas foram legais“.

Na audição, o também ex vice-presidente do Banco Central Europeu (BCE), em resposta ao deputado do PCP Duarte Alves, disse que era “claro” que o Banco de Portugal “só tinha conhecimento das operações depois”.

“Como é óbvio. É natural. Essa ideia de que pode conhecer antes é impossível“, disse então Vítor Constâncio, acrescentando que o supervisor não podia “interferir nessa decisão”, e que não se podia “avaliar as coisas com o conhecimento que se teve depois como admitindo que ele tinha que existir antes. Não poderia existir”, disse então.

Em resposta à deputada do PSD Margarida Mano, também Pedro Duarte Neves disse que “não houve qualquer […] comunicação ao Banco antes da concessão desses créditos”, e que “as decisões de crédito são tomadas sem consulta ao Banco de Portugal“.

Em 2015, segundo uma auditoria da EY à CGD, a exposição do banco público à Fundação José Berardo era de 268 milhões de euros, depois de uma concessão de crédito de 350 milhões de euros para compra de ações no BCP, dando como garantia as próprias ações, que desvalorizaram consideravelmente e geraram grandes perdas para o banco.

Constâncio já se lembra

Vítor Constâncio, antigo governador do Banco de Portugal, garantiu esta sexta-feira que “nada omitiu” na comissão parlamentar de inquérito à CGD e que o supervisor não tem conhecimento de operações de crédito antes de decididas pelos bancos.

“Como expliquei corretamente na Assembleia da República (AR), o Banco de Portugal (BdP) não tem competência para ter conhecimento de operações de crédito antes de serem decididas pelos bancos, nem muito menos competência para as mandar anular”, afirmou Vítor Constâncio num esclarecimento escrito enviado à Lusa.

“Foi o que esclareci na AR onde não se abordaram questões sobre autorização de participações qualificadas, pelo que nada foi omitido da minha parte”, assegurou o antigo governador do BdP.

No esclarecimento enviado à Lusa, Vítor Constâncio salientou que “o Banco de Portugal apenas teve de não objetar a que o referido Grupo ultrapassasse a percentagem de 5% que o caracterizaria como accionista qualificado do BCP”. O antigo governador do BdP indicou ainda que quando aquela “decisão foi tomada já estava assinada a operação de crédito pela CGD”.

ZAP // Lusa

PARTILHAR

RESPONDER

União Europeia anuncia 540 milhões para investir no "Nosso Oceano"

A União Europeia vai anunciar esta quarta-feira compromissos no valor de 540 milhões de euros para manter os oceanos limpos, assim como um mapa para acompanhar o que se faz nesse sentido, na abertura da …

Escócia e Gales querem eleições se houver adiamento do Brexit

Os chefes dos governos da Escócia e de Gales defenderam hoje eleições antecipadas no Reino Unido no caso de uma extensão do prazo de saída do país da União Europeia. “Quero que se realizem eleições gerais. …

Governo grego apresenta legislação mais restritiva do direito de asilo

O Governo grego enviou na terça-feira ao parlamento uma proposta de lei que endurece os procedimentos para concessão de asilo, reforça os poderes de detenção e acelera as deportações, noticiou a imprensa. A proposta, de 250 …

Libertadores. Jesus veta acesso de funcionários do Flamengo ao derradeiro treino

Escreve a imprensa brasileira que Jorge Jesus vetou o acesso de funcionários do Flamengo ao derradeiro treino que antecede o jogo com o Grémio para a Libertadores, que vai decidir um dos finalistas da competição. …

Caso do bebé sem rosto. Médico suspenso não viu que menina tinha duas vaginas, um rim e espinha bífida

O Conselho Disciplinar do Sul da Ordem dos Médicos suspendeu preventivamente o obstetra envolvido no caso do bebé que nasceu, em Setúbal, com malformações graves. Entretanto, surgem novos dados sobre suspeitas atribuídas ao médico noutros …

Rede de imigração ilegal no SEF. Denúncias de corrupção eram antigas, mas ficaram na gaveta

A inspectora do Serviço de Estrangeiros e Fronteiras (SEF) que foi detida nesta semana, por pertencer alegadamente a uma rede de imigração ilegal, já tinha sido identificada num inquérito interno desta entidade, devido às mesmas …

Bancos querem passar a cobrar por grandes depósitos. Particulares escapam

BCP, Novo Banco e Caixa Geral de Depósitos defendem que é preciso cobrar aos grandes clientes por depósitos de grande dimensão. Particulares e pequenas e médias empresas escapariam desta medida. A ideia foi lançada pelo …

Filho de Bolsonaro já não vai ser embaixador em Washington

O deputado Eduardo Bolsonaro, filho do Presidente do Brasil, anunciou na terça-feira, na Câmara dos Deputados, que desistiu da sua indicação para embaixador do país em Washington, nos Estados Unidos (EUA). Na véspera, Jair Bolsonaro, que …

OE2020. Catarina Martins critica chantagem da Comissão Europeia a cada ano

A coordenadora do Bloco de Esquerda criticou esta terça-feira a chantagem da Comissão Europeia em relação a Portugal repetida a cada legislatura e a cada ano, reiterando a disponibilidade "para negociar um Orçamento do Estado …

Maior parte das escolas não cumprem lei de 2009 sobre a educação sexual

Grande parte das escolas não está a cumprir a lei de 2009 que define como deve ser dada a educação sexual no ensino obrigatório, do 1.º ao 12.º ano de escolaridade. A conclusão surge num relatório …