Há centenas de pessoas em busca de tesouros que não existem na Índia (e a culpa é de um boato)

Moradores de pelo menos três vilas no distrito de Rajgarh, no estado indiano de Madhya Pradesh (MP), passaram a última semana à procura de um tesouro antigo que provavemente não existe.

Centenas de aldeões estão a cavar o leito de um rio com base no boato de que moedas e tesouros antigos da era Mughal podem lá estar desenterrados. De acordo com o Vice, o boato começou na semana passada, após alguns pescadores terem alegadamente encontrado moedas de prata na área em 2 de janeiro.

Isso levou os moradores das áreas vizinhas a acreditar que também poderiam encontrar ouro. “Temos cavado rio acima nos últimos dias na esperança de encontrar um tesouro valioso”, disse Ranu Yadav, de 18 anos.

A história de pessoas que tropeçam em tesouros antigos em florestas – ou até mesmo no seu quintal – é o motivo pelo qual moradores como Yadav acreditam rapidamente em rumores sobre objetos de valor escondidos.

“Devido à sua localização central, Madhya Pradesh tem sido historicamente uma rota comercial importante para os estados indianos ocidentais como Maharashtra e Gujarat. Era governada pelo sultanato de Malwa, mongóis e maratas, tornando-a uma região próspera e sujeita a invasões estrangeiras”, explicou Praveen Kumar Mishra, diretor regional do Archaeological Survey of India.

Mishra disse que a vulnerabilidade do estado aos invasores levou muitos governantes a manter os seus objetos de valor escondidos sob fortes e florestas.

No entanto, as autoridades, incluindo Mishra, insistem que não há prova da existência deste tesouro. “Há uma perceção de que se alguém encontrar algumas moedas, há um tesouro maior que pode ser saqueado, mas muitos destes rumores não são baseados em factos”, disse.

O colecionador distrital Neeraj Kumar Singh também anunciou que as moedas desenterradas pelos pescadores eram feitas de bronze e ferro e, portanto, não tinham nenhum valor.

Porém, os alertas da polícia local não atrapalharam os moradores, que continuam aparecendo em massa. A polícia não conseguiu rastrear a origem do boato. O boato é alimentado pelo mito de que o exército Mughal cruzou o rio e enterrou um tesouro sob ele.

“Em muitos casos, as pessoas que inventam estes falsos rumores são falsos médiuns e, por causa da história do Madhya Pradesh, os moradores locais acreditam”, disse Mishra.

Na Índia, a caça a tesouros antigos é uma tarefa comum, com muitos a acreditar que se podem tornar milionários da noite para o dia. Em dezembro de 2020, um trabalhador no distrito de Panna encontrou um diamante no valor de seis milhões rupias indianas (cerca de 67.536 euros).

Encontrar tesouros é tão comum no estado que também já causou situações perigosas. Recentemente, um serial killer no estado assassinou seis pessoas, depois de induzi-las a acreditar que as estava a levar um tesouro escondido “mítico”. Em 11 de janeiro, oito caçadores de tesouros foram presos no estado de Andhra Pradesh, no sul da Índia, por destruir um antigo santuário.

Entre os séculos XVI e XVIII, Madhya Pradesh foi governada pela dinastia Mughal, surgindo mesmo como uma das suas principais capitais culturais. Em 2003, uma mulher no distrito de Burhanpur encontrou moedas de ouro no valor de milhões que datam da era Mughal. Em 2016, moedas de prata e ouro do período Mughal foram desenterradas num canteiro de obras.

Maria Campos Maria Campos, ZAP //

PARTILHAR

RESPONDER

Depois do balde de água fria da pandemia, Israel vai ficar melhor do que nunca. Tudo pelos turistas

Israel está fechado em casa e viajar para este país não faz parte dos planos de muitas pessoas. No entanto, este período de acalmia pode mesmo ser o melhor momento para planear uma viagem - …

Menos 1,3 milhões de consultas nos hospitais e menos 151 mil cirurgias em 2020

No ano em que a pandemia chegou a Portugal, houve menos 151 mil cirurgias e menos 1,3 milhões de consultas nos hospitais públicos. A covid-19, que chegou a Portugal a 2 de março de 2020, obrigou …

Várias escolas de Tóquio pedem "certificados de cabelo real" aos alunos

As escolas japonesas são conhecidas pela sua rigidez relativamente à aparência dos seus alunos, tanto que os estudantes que não seguem o padrão de "cabelo liso e preto" têm de apresentar provas. Dados divulgados, esta semana, …

UE estima normalidade nas vacinas daqui a duas semanas. Orbán recebeu vacina chinesa

A União Europeia (UE) estima que dentro de duas a três semanas "tudo vai funcionar normalmente" na produção e distribuição de vacinas nos Estados-membros. Entretanto, o primeiro-ministro húngaro já foi vacinado (mas com uma vacina …

"Os dados de milhões de pessoas estão em risco", alertam denunciantes da Amazon

Denunciantes da Amazon alertam que os dados de milhões de pessoas estão em risco devido à falta de preocupação da empresa com a cibersegurança. A par da Google, Apple, Microsoft e Facebook, a Amazon é uma …

Mais 41 mortes e 718 novos casos de covid-19 nas últimas 24 horas

Portugal registou, este domingo, mais 41 mortes e 718 novos novos casos de infeção pelo novo coronavírus, segundo o boletim epidemiológico da Direção-Geral da Saúde (DGS). De acordo com o último boletim da DGS, dos 718 …

Navalny chega a colónia penal a leste de Moscovo

O principal opositor do Kremlin chegou, este domingo, a uma zona a cerca de 200 quilómetros a leste de Moscovo para ser transferido para uma colónia penal onde vai cumprir a sua pena, informou um …

Já chegou o voo de repatriamento com 300 passageiros vindos do Brasil

O voo de repatriamento vindo do Brasil chegou, este domingo de manhã, ao Aeroporto Humberto Delgado, em Lisboa, com cerca de 300 passageiros. De acordo com a RTP, o voo de repatriamento vindo de São Paulo, …

Costa imune ao descontrolo da pandemia. Popularidade de Marcelo dispara

A sondagem TSF/JN/DN regista uma avaliação positiva do primeiro-ministro e do Presidente da República, com este a atingir um novo pico de popularidade. Os líderes do PSD e do Chega surgem empatados como principais figuras da …

Mais seis mortos nos protestos em Myanmar. Embaixador na ONU afastado

Seis manifestantes foram mortos em Myanmar, este domingo, por forças de segurança que dispersavam com violência as manifestações pró-democracia. Três manifestantes foram mortos em Dawei (no sul do país), enquanto dois adolescentes, de 18 anos, morreram …