No distrito de Castelo Branco, apenas uma fábrica de confeções não está em lay-off

No distrito de Castelo Branco, devido à pandemia da covid-19, apenas uma empresa de confeções não se encontra em ´lay-off`, uma procedeu ao despedimento coletivo de 60 pessoas e outra enviou para casa os funcionários “sem dar explicação”.

A informação é adiantada pela presidente do Sindicato Têxtil da Beira Baixa, Marisa Tavares, à agência Lusa. Segundo a dirigente, “nas confeções está tudo parado, só uma empresa está na habitual semana de férias da Páscoa”, no concelho do Fundão.

No Tortosendo, vila próxima da Covilhã, uma firma dispensou 60 pessoas e uma outra, censura Marisa Tavares, enviou cerca de 60 pessoas para casa, argumentando não ter trabalho, “mas sem lhes ser dada uma explicação sobre a sua situação”.

“Estamos a trabalhar para tentar suspender os contratos de trabalho, para que possam ter uma fonte de rendimento”, diz a presidente do STBB, segundo a qual este ramo emprega, no distrito, cerca de mil pessoas, enquanto nos lanifícios há 1.500 postos de trabalho.

De acordo com a dirigente sindical, “o impacto já é muito significativo“. Só não tem um peso maior nos trabalhadores porque, no caso das confeções, “cerca de 90% recebe o salário mínimo e não vai ter uma quebra no rendimento”.

O setor dos lanifícios, adianta Marisa Tavares, “está a trabalhar”, exceto uma fábrica que aderiu ao ´lay-off´ por os parceiros serem sobretudo espanhóis, e uma outra, a Fitecom, com 200 empregados, recorreu à redução temporária do horário.

João Carvalho, o proprietário da empresa, informa não estar a receber encomendas “há mais de mês e meio”, uma vez que exporta 98% dos tecidos e, por tudo estar fechado, não consegue fazer as entregas aos clientes e tem o armazém lotado.

Devido ao atual contexto, optou por, nas divisões de tecelagem e acabamento, recorrer ao ´lay-off` parcial, com os funcionários a trabalharem três dias.

No mercado inglês, onde tem muitos clientes, são várias as marcas que fazem a confeção na China e as entregas no destino estão em suspenso. “A minha principal preocupação é manter os trabalhadores e ter dinheiro para lhes pagar no final do mês”, frisa João Carvalho. O proprietário da Fitecom diz que “tudo terá de voltar a um equilíbrio” e o seu objetivo é “resistir até se chegar a esse ponto”, embora se manifeste apreensivo.

Esta situação não se pode prolongar por muito tempo, porque não há economia que resista por muito mais tempo”. No seu caso, alerta para a estabilidade da empresa, que lhe permite aguentar algum tempo. “Nós, felizmente, sempre tivemos uma situação económica muito equilibrada. Julgo que, com a ajuda do ´lay-off`, nos conseguimos aguentar três ou quatro meses”, prevê João Carvalho. “O meu maior receio é que as coisas continuem por muito tempo e entre em rutura”, acrescenta o industrial, com fábrica na Covilhã.

João Carvalho acredita que após a pandemia o sucesso vai ser de quem for “capaz de se adaptar às novas realidades”. Marisa Tavares vinca ter “uma atitude otimista” e pensar que, “quando as lojas abrirem, a economia vai começar a funcionar”, embora anteveja que “uma ou outra empresa passe dificuldades”, perspetiva que “quem trabalha com grandes marcas, provavelmente, vai continuar a trabalhar”.

Neste momento, a principal preocupação é com a saúde dos trabalhadores, “que vão todos os dias para a fábrica com o coração nas mãos”. João Carvalho garante ter adotado medidas quando a covid-19 ainda não tinha chegado a Portugal e diz observar que os funcionários “são cautelosos e têm cuidados máximos”.

Luís Garra, coordenador da União dos Sindicatos de Castelo Branco, considera prioritário estar atento “ao agravamento da situação social”, às questões sanitárias, sublinha que “a recuperação vai ser paulatina” e assegura estar alerta para que “entidades patronais não carreguem em cima dos direitos dos trabalhadores a pretexto da pandemia”.

// Lusa

PARTILHAR

RESPONDER

A economia é a vítima colateral da estratégia singular da Suécia

A Suécia deixou nas mãos dos cidadãos a responsabilidade pela sua saúde e a abordagem relaxada do país em relação à pandemia de covid-19 trouxe resultados negativos. O Governo sueco não impôs um confinamento à população …

Polícia de Hong Kong detém 180 manifestantes. E elogia lei da segurança nacional

A polícia de Hong Kong elogiou a lei da segurança nacional chinesa, horas depois de ter detido pelo menos 180 manifestantes que protestaram, este domingo, contra a legislação anunciada por Pequim. O comissário da polícia, Tang Ping-keung, …

Pinto da Costa recandidata-se a "pensar nas dificuldades do presente"

Pinto da Costa admitiu, este domingo, no lançamento do site oficial da recandidatura à presidência do FC Porto, que vai a eleições "a pensar nas dificuldades tremendas do presente". No site oficial da sua candidatura, Pinto …

Abraços e apertos de mão. Bolsonaro junta-se a manifestação sem distanciamento social

O Presidente do Brasil, Jair Bolsonaro, participou, este domingo, em mais uma manifestação sem respeitar as regras de distanciamento social. A manifestação decorrer na Praça dos Três Poderes, em Brasília. De acordo com o jornal Público, …

"Relativamente rápido". Centeno acredita que países europeus vão recuperar da crise até ao fim de 2022

O ministro das Finanças português e presidente do Eurogrupo, Mário Centeno, acredita que a União Europeia vai conseguir ultrapassar a crise económica provocada pela pandemia de covid-19 de forma "relativamente rápida". Em entrevista ao jornal alemão …

Florentino congelado e Jota (e mais dois) na porta de saída. Mercado já mexe na Luz

Apesar da pandemia, que paralisou quase todas as competições europeias e que deverá atrasar a janela de transferência no futebol, o mercado já mexe na Luz. A imprensa desportiva dá conta nesta segunda-feira que Florentino …

Cova da Piedade abandona direção da Liga e convida Proença a demitir-se

O Cova da Piedade juntou-se ao Benfica na decisão de abandonar a direção da Liga de clubes e convidou Pedro Proença a demitir-se da presidência do organismo. Em comunicado, o Cova da Piedade justifica a decisão …

Milhares foram a banhos este domingo. Só nas praias da Caparica estiveram mais de 180 mil pessoas

As elevadas temperaturas que se fizeram sentir neste domingo levaram milhares de portugueses à praias. Só na Costa da Caparica, no concelho de Almada, mais de 180 mil pessoas foram a banhos. Entre as 9 e …

"Há outras prioridades". Ana Gomes está a refletir sem "pressa" sobre eventual candidatura a Belém

No espaço de comentário da SIC Notícias, a ex-eurodeputada Ana Gomes disse que ainda está a "refletir" sobre uma eventual candidatura à Presidência da República. Ana Gomes ainda não tomou uma decisão sobre uma possível candidatura …

Há quatro distritos sem meios aéreos de combate a incêndios. PSD denuncia "grave violação do planeamento"

O PSD denuncia a falta de, pelo menos, oito helicópteros ligeiros e de todas as aeronaves de coordenação previstas no Dispositivo Especial de Combate a Incêndios Rurais. Este domingo, o PSD questionou o Governo relativamente ao …