Navio encalhado nas Maurícias partiu-se em dois. É o pior desastre acidental nestas ilhas

Pierre Dalais / EPA

O navio que encalhou num recife nas Ilhas Maurícias, derramando cerca de 1.000 toneladas de óleo na costa, partiu-se em dois, anunciou este domingo a sociedade japonesa que explora o navio, Mitsui OSK Lines.

“Foi confirmado em 15 de agosto que o navio se partiu em dois”, disse a Mitsui OSK Lines, acrescentando que a informação veio do proprietário do navio, a Nagashiki Shipping.

O navio petroleiro encalhou em 25 de julho num recife em Pointe d’Esny, no sudeste das Ilhas Maurícias, com 3.800 toneladas de óleo combustível e 200 toneladas de diesel a bordo, e a sua quebra parecia inevitável há vários dias uma vez que as fissuras no casco se alargavam de dia para dia.

Entre 800 e 1.000 toneladas de óleo combustível foram derramadas na costa, nomeadamente em áreas protegidas com florestas de mangais e espécies ameaçadas.

As equipas de intervenção correram contra o tempo para bombear o resto do combustível, pois o barco ameaçava quebrar a qualquer momento. “Estima-se que uma quantidade não recuperada de combustível escapou do navio”, disse a Mitsui OSK Lines.

Segundo as autoridades, ainda havia cerca de 90 toneladas de combustível a bordo quando o barco se partiu em dois. A equipa de resgate pretende rebocar os dois terços dos destroços do navio que se soltaram do resto e afundá-los para evitar maiores danos, disse à agência France-Presse uma fonte policial em Port Louis, sob condição de anonimato.

O resto do barco ainda está preso no recife, segundo a mesma fonte.

Milhares de pessoas têm estado envolvidas nos trabalhos de limpeza, usando bombas improvisadas e folhas de cana de açúcar para tentar conter o petróleo.

França enviou um navio, aviões militares e técnicos desde a ilha vizinha de Reunião após um pedido de auxílio das Maurícias na semana passada. Especialistas japoneses estão a ajudar e as Nações Unidas enviaram peritos.

O capitão, de nacionalidade indiana, e a tripulação foram alvo de interrogatório policial. Uma das questões que se procura esclarecer é a razão pela qual o navio navegava tão perto das costas da Maurícia. Agora, as atenções estão focadas no que os investigadores sul-africanos conseguirem extrair da caixa negra do navio.

O governo de Jugnauth está a ser pressionado para explicar porque não tomou medidas para esvaziar o navio quando este encalhou e anunciou que pedirá uma indemnização ao armador e à seguradora pelos danos ambientais e pelos custos despesa na limpeza.

A Nagashiki Shipping disse estar “profundamente ciente das (suas) responsabilidades” e prometeu responder “sinceramente” aos pedidos de indemnização.

O pior desastre acidental nestas ilhas

Este derrame representa o pior desastre ecológico jamais sofrido por estas ilhas paradisíacas banhadas pelo oceano Índico. Segundo peritos e cientistas citados pela agência espanhola EFE, trata-se de uma catástrofe ambiental sem precedentes nestas ilhas de pouco mais de 1,2 milhões de habitantes, cujos manguezais, corais e espécies endémicas atraem anualmente mais de um milhão de turistas.

“O impacto deste derrame de petróleo vai durar muito tempo“, assegurou à agência espanhola EFE Mokshanand Sunil Dowarkasing, assessor ambiental nas Maurícias, defendendo a urgência de uma “avaliação independente” dos danos causados tanto na fauna e flora marinhas como na economia local.

Para Dowarkasing, será necessário “pelo menos um ano para conhecer o verdadeiro impacto” desta catástrofe e só então “se saberá se os manguezais serão ou não capazes de sobreviver a esta contaminação, se germinará ou não novo coral nas lagoas, etc”.

Esta degradação ambiental tem ainda um impacto direto no bem-estar dos cerca de 29.000 mauricianos dependentes do setor pesqueiro – dos quais 4% são mulheres, segundo dados de 2017 da Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura (FAO) – e do pujante setor de aquacultura.

“Preocupa-me não só o impacto ecológico deste desastre, mas também a repercussão que terá na forma de ganhar a vida das pessoas, em especial das mulheres que vivem da pesca o da manutenção dos barcos”, relatou por sua vez a ativista local Trisha Gukhool, que desde o primeiro dia está, juntamente com outros milhares de mauricianos, a limpar crude com as suas próprias mãos.

As Maurícias e os seus 13 milhões de habitantes dependem do mar para a alimentação e o turismo, crucial para a sua economia.

ZAP // Lusa

PARTILHAR

RESPONDER

Barbosa Ribeiro, que não quer ser o Rei Sol, distribuiu álcool gel para "desinfetar" a Câmara

Tiago Barbosa Ribeiro, candidato socialista à Câmara Municipal do Porto, rejeita a ideia de que não é muito conhecido, afasta a ambição de querer ser o "Rei Sol" e admite ficar na Invicta nos próximos …

Coronavírus: há 21 mil anos a causar pandemias

Os coronavírus só foram identificados como distintos dos vírus da gripe nos anos 60 do século passado, e neste houve apenas duas pandemias de coronavírus —  MERS e SARS — registadas antes da atual, mas …

Parlamento discute propostas para travar preços dos combustíveis e da eletricidade

Os deputados votam esta sexta-feira, no Parlamento, o diploma do Governo para limitar as margens de combustíveis, assim como uma série de outras propostas sobre energia, da responsabilidade de vários partidos. O Governo aprovou em julho, …

Marcelo admite que se "fechou uma página" - mas já deixou recados para o Natal

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, afirmou esta quinta-feira que Portugal é visto por outros países europeus como exemplo pela taxa de vacinação e combate à covid-19, mas que este "é um processo …

UGT quer salário mínimo de 1.000 euros em 2028

O secretário-geral da UGT, Carlos Silva, defendeu a necessidade de acabar com a política de baixos salários e precariedade. Carlos Silva, secretário-geral da UGT, defendeu esta quinta-feira que o Governo socialista tem obrigação de aumentar os …

Vermes partilham "memórias" através do ARN para avisar do perigo

Um artigo publicado recentemente na Cell mostra que os vermes têm uma forma peculiar de partilhar memórias: transmitem-nas através do ARN. Partilhar informação é crucial para a sobrevivência das espécies, mas como é que formas de …

Manchester United: jogador expulso e chamado a tribunal em 48 horas

Aaron Wan-Bissaka irá depor em tribunal, no final deste ano. Jovem futebolista foi apanhado a conduzir sem carta e sem seguro. Não estão a ser dias fáceis para Aaron Wan-Bissaka. O futebolista do Manchester United soube …

15 mil cadeiras vazias: Guardiola não gostou mas já ouviu um "recado"

Estádio do Manchester City voltou a ficar longe de lotação esgotada, num jogo da Liga dos Campeões. "Espero que apareça mais gente no sábado", admitiu o treinador. As palavras foram estas, depois da goleada que o …

"Fomos enganados, geologicamente enganados." Novos segredos vulcânicos revelados

Um estudo levado a cabo por cientistas da Universidade de Queensland revelou novos detalhes sobre a composição geológica da crosta terrestre. Até agora, os cientistas pensavam que a lava arrefecida dos chamados vulcões "hot spot" era …

Os planetas formam-se em sopas orgânicas — e não há duas iguais

Uma série de novas imagens revela que os planetas formam-se em sopas orgânicas — e não há duas sopas iguais. Astrónomos mapearam os produtos químicos dentro dos berços planetários com detalhe extraordinário. Os mapas revelam a …