“Como é que eu não vi isto?”. Procuradora diz que processo desapareceu

U.S. Department of State / Wikimedia

Manuel Vicente, vice-presidente de Angola em vias de cessar funções.

A Procuradora Cândida Almeida, ex-responsável do Departamento Central de Investigação e Acção Penal (DCIAP), assegura que não se apercebeu de que o arquivamento de um processo envolvendo Manuel Vicente, que avaliou, continha a indicação para destruir documentos.

Esta foi uma das revelações efectuadas pela Procuradora numa sessão do julgamento da Operação Fizz, onde o ex-procurador do DCIAP Orlando Figueira é um dos arguidos.

Arrolada como testemunha, Cândida Almeida foi confrontada com o despacho de arquivamento de um processo de investigação a Manuel Vicente, ex-vice-presidente de Angola que é suspeito de corromper Orlando Figueira, ex-procurador do DCIAP, para que este o favorecesse em processos judiciais.

A Procuradora, que era então a responsável máxima do DCIAP, reviu esse despacho assinado por Orlando Figueira, relativo a suspeitas em torno da compra de um apartamento de luxo no Estoril. Mas assegura que não viu a parte em que mencionava a destruição de documentos sobre o património de Manuel Vicente.

“Fiquei estupefacta quando fui confrontada com este documento, nunca o tinha visto“, frisou Cândida Almeida quando confrontada com uma folha que não está por si assinada, nem pela procuradora-assessora Teresa Sanchez, e que diz respeito à destruição/devolução de documentos de rendimentos de Manuel Vicente.

“Se eu tivesse visto, dizia para não fazer. Esta foi a minha estupefação quando fui confrontada com este documento. Como é que eu não vi isto?“, referiu Cândida Almeida em tribunal, conforme cita o Observador.

A retirada dos documentos referentes ao ex-vice-Presidente de Angola foi considerada por Cândida Almeida “incorrecta e anómala”, mas ressalvou que é a sua interpretação do artigo do Código Processo Penal.

“A preservação de dados penais era a prática, a regra era colocar os documentos pessoais de processos arquivados em envelopes lacados no cofre, destruir não”, disse a Procuradora.

Em contrapartida, Orlando Figueira disse em tribunal que “não há nenhuma norma que impeça de destruir ou devolver documentos”, insistindo em dizer que “pensou bem ao mandar apagar a referência de Manuel Vicente no processo principal”, já que foi extraída uma certidão.

Segundo a acusação, o arguido Paulo Blanco, em nome de Manuel Vicente, teria pedido a Orlando Figueira a destruição de documentos a troco de contrapartidas.

“Arquivamento está bem feito”

Sobre o arquivamento do processo de Manuel Vicente em si, Cândida Almeida entende que “está bem feito”, embora realce que não era normal haver destruição de documentos.

“Concordei com o arquivamento depois de o senhor procurador Orlando Figueira me ter mostrado documentos sobre os rendimentos de Manuel Vicente que provavam que podia comprar um apartamento, dois ou três e também o seu registo criminal”, disse Cândida Almeida.

“Sinceramente, não sei como podia haver outra decisão senão arquivar”, insistiu a ex-directora do DCIAP, garantindo que a Procuradoria-Geral de Angola não teve qualquer intervenção.

Ao contrário do que tinham dito os arguidos Orlando Figueira e Paulo Blanco, Cândida Almeida garantiu que nunca foram discutidos casos concretos com o procurador-geral da República de Angola, à excepção do Banif, arquivado após desistência da queixa por parte do estado angolano.

A Procuradora também manifestou que “foi uma grande surpresa” a detenção de Orlando Figueira que “era um bom magistrado”, disse. “Gostava do que fazia no DCIAP e era cumpridor de datas”, salientou ainda.

ZAP ZAP // Lusa

PARTILHAR

7 COMENTÁRIOS

  1. Não deveria esta pseudo-procuradora e o anterior procurador geral da república estarem no banco dos réus por muitas omissões, desaparecimentos e processos que foram encerrados, apenas porque foram?

  2. Polvo do Mário Soares? Equivocado, não?
    Mârio Soares era um aliado de “Jonas”. Jonas Malheiro Savimbi e nunca fez ” complot” com José Eduardo dos Santos vulgo “Zé Du”. Savimbi e a sua Unita, não tiveram poder para lulas quanto mais polvos… Como é que o MPLA o encontrou? A Jamba não permitia afirmação tão poderosa, a guerra era fratricida e os americanos, quando quiseram, entregaram-no de bandeja. Não foi bonito de se ver. A Unita, nunca foi governo, até hoje!

    • Os ‘amigos’ americanos (com amigos destes mão precisamos de inimigos, n’é?) entregaram-no de bandeja? Quando e porquê? Conviria esclarecer. Ah! Este cheiro do petróleo…

  3. Os ‘amigos’ americanos (com amigos destes mão precisamos de inimigos, n’é?) entregaram-no de bandeja? Quando e porquê? Conviria esclarecer. Ah! Este cheiro do petróleo…

RESPONDER

Chega organiza Convenção para "Governar Portugal" no fim de maio, mas promete "uso das máscaras"

O Chega vai organizar a sua III Convenção Nacional entre 28 e 30 de maio, em Coimbra, tendo por base a moção estratégica "Governar Portugal" do presidente reeleito, André Ventura, disse hoje à Agência Lusa …

Falta de plano e reservas face à viabilidade. Banco de Fomento chumba empréstimo à Groundforce

O Banco Português de Fomento (BPF) não aprovou o empréstimo de 30 milhões de euros pedido pelo Conselho de Administração da Groundforce, por não haver um plano de reestruturação da empresa e por falta de …

Operação Lex. Juiz Luís Vaz das Neves arrisca reforma compulsiva

O juiz Luís Vaz das Neves, ex-presidente do Tribunal da Relação de Lisboa e arguido na Operação Lex, arrisca passar à aposentação compulsiva.  De acordo com o Correio da Manhã, que avança a notícia esta quinta-feira, …

Nove administradores e 24 diretores. Banco de Fomento já terá fechado estrutura

O jornal ECO avança, esta quinta-feira, que a estrutura do Banco Português de Fomento vai contar com nove administradores, dos quais quatro são executivos, e 24 diretores. A estrutura do Banco de Fomento já estará fechada, …

Guerra aberta no PSD. Rui Rio arrisca repreensão, Adão Silva pode perder o mandato

Rui Rio, presidente do PSD, e Adão Silva, líder do grupo parlamentar, estão a ser alvo de um processo disciplinar aberto pelo Conselho de Jurisdição do partido e arriscam sanções. A decisão ainda não está tomada, …

A maior "cidade-fantasma" da China voltou a florescer (graças à educação)

Kangbashi, na Mongólia Interior, é considerada há muitos anos a maior "cidade-fantasma" da China. Agora, tem muito a agradecer a uma jogada inesperada, mas muito eficaz: o setor da Educação. Há alguns anos que Kangbashi, uma …

Um terramoto devastador pode abalar a Nova Zelândia nos próximos 50 anos

Um novo estudo revela que as hipóteses de a Falha Alpina da Ilha do Sul da Nova Zelândia provocar um terramoto devastador nos próximos 50 anos são muito maiores do que se pensava.  Um estudo conduzido …

"Um incendiário como chefe dos bombeiros". Irão na Comissão sobre o Estatuto da Mulher gera indignação

O Irão foi eleito esta segunda-feira para a Comissão das Nações Unidas sobre o Estatuto da Mulher durante um mandato de quatro anos, juntamente com China, Japão, Líbano e Paquistão. A Comissão sobre o Estatuto da …

Busca em contrarrelógio. Submarino desaparecido na Indonésia tem 72 horas de oxigénio

O almirante chefe da Marinha da Indonésia, Yudo Margono, afirmou que o submarino desaparecido ao largo de Bali com 53 tripulantes a bordo tem capacidade para 72 horas de oxigénio. Em conferência de imprensa, Yudo Margono …

Carrinhas comerciais perdem isenção e voltam a pagar ISV

Os veículos comerciais que beneficiam de isenção de Imposto Sobre Veículos (ISV) vão perdê-la a partir do dia 1 de julho deste ano. Em causa estão, segundo avança o Jornal de Negócios, os automóveis ligeiros de …