“Quando ando na rua não peço cadastro criminal, fiscal ou moral aos portugueses”

Toms Kalnins / EPA

O Presidente da República afirmou que visitou o Bairro da Jamaica, esta segunda-feira, para combater a ideia de “uns contra os outros” e sublinhar que “somos todos portugueses”.

Marcelo Rebelo de Sousa lamentou esta terça-feira o “clima de guerra racial” a que se assistiu na sequência do confronto entre polícias e habitantes do Bairro da Jamaica. Sem imputar responsabilidades ao presidente da Associação Sindical dos Profissionais de Polícia (ASPP), o Presidente da República acabou por responder às suas criticas.

Esta terça-feira, o presidente do sindicato considerou que a visita de Marcelo ao Bairro da Jamaica o fazia sentir-se “discriminado”, acusando o Presidente de “desprezo completo” pela polícia. No mesmo dia, Marcelo Rebelo de Sousa respondeu.

“A última coisa de que Portugal necessita é de haver qualquer tipo de comportamento que crie um empolamento artificial na sociedade portuguesa de um conflito racial, que é uma porta aberta à xenofobia e ao radicalismo, que deu o resultado que deu noutros países”, disse.

“Quando ando pela rua em contacto com os portugueses não peço o cadastro criminal, nem fiscal, nem moral para falar com eles ou tirar selfies – é com todos”, acrescentou ainda o chefe de Estado, referindo-se às críticas de que tem sido alvo por ter tirado fotografias com pessoas que estiveram envolvidas no confronto de 20 de janeiro.

De acordo com o jornal Público, Marcelo foi ainda questionado sobre se não teria sido preferível ir ao bairro depois de conhecidos os resultados das investigações criminais ainda em curso, ao que respondeu que não.

“Eu desde o primeiro momento separei os factos em investigação pelo Ministério Público da realidade global. Não se pode generalizar, que é o que muita gente começou a fazer, criando um clima de uma guerra racial. Foi precisamente contra esse clima de guerra racial que lá fui, para dizer que aquele é um bairro tão português como todos os outros“, afirmou.

Para Marcelo, “não houve uma guerra de um bairro negro contra uma polícia branca, ou de uma polícia branca contra um bairro negro”. O que houve e há é “uma comunidade portuguesa, num bairro português que tem problemas críticos, habitacionais, como muitos outros, embora com um plano de realojamento, e uma força de segurança, uma polícia portuguesa, que exerce a sua função ao serviço do Estado de Direito democrático, como eu disse desde a primeira hora”.

No final das suas declarações, deixou um recado à ASPP: “Por definição, as forças de segurança exercem a sua autoridade relativamente a todas as comunidades no espaço nacional, urbano ou não urbano. Estar a querer equiparar essas realidades é diminuir o papel das forças de segurança”.

“Não perceber isto é não perceber o papel das forças de segurança, que estão num plano diferente da sociedade relativamente ao qual exercem autoridade”, concluiu.

ZAP //

PARTILHAR

RESPONDER

Moro não assinou exoneração de ex-diretor da Polícia, admite Presidência do Brasil

A Secretaria-Geral da Presidência brasileira admitiu na segunda-feira que o agora ex-ministro da Justiça Sergio Moro não assinou o decreto de exoneração de Maurício Valeixo da direção-geral da Polícia Federal, confirmando a versão original do …

Norte foi região que mais contribuiu para aumentar produtividade do trabalho no país

O Norte foi a região que mais contribuiu para aumentar a produtividade laboral entre 2000 e 2017, crescendo 20% quando a Área Metropolitana de Lisboa subiu 3,3%, revelou na segunda-feira a Comissão de Coordenação e …

Vai nascer uma praia fluvial nas margens do Alqueva em 2021

Uma nova praia fluvial começou a ser construída nas margens do Alqueva, devendo começar a funcionar no verão do próximo ano. Uma nova praia fluvial começou a ser construída nas margens do Alqueva, junto à aldeia …

Câmara de Bragança vai ajudar com até 100 euros a pagar renda

As famílias mais vulneráveis do concelho de Bragança vão poder contar com um apoio financeiro até 100 euros mensais para pagar a renda. A Câmara de Bragança vai ajudar as famílias do concelho em situação vulnerável …

Parlamento chumba lay-off para sócios-gerentes, mas acaba com teto de faturação ao apoio

A Comissão de Economia chumbou, esta terça-feira, o alargamento do lay-off simplificado aos sócios-gerentes. Por outro lado, aprovou o fim do teto de faturação para aceder ao apoio a estes portugueses. A proposta do PSD, BE …

Comissão Europeia admite que Portugal fica "em desvantagem" nas ajudas estatais

Margrethe Vestager, vice-presidente executiva da Comissão Europeia, admite que países como Portugal, com menor capacidade orçamental do que Estados-membros como Alemanha ou França, fiquem “em desvantagem” nas ajudas estatais em altura de crise gerada pela …

Comissão aprova levantamento da imunidade parlamentar a José Silvano

Fontes parlamentares dizem que o também secretário-geral do PSD é arguido no processo das falsas presenças no Parlamento. Silvano afirmou ter sido informado da decisão de levantamento da imunidade e que “nada tinha a opor”. A …

FC Porto está de olho em Santos Borré para o ataque

Rafael Santos Borré tem brilhado ao serviço do River Plate esta temporada. O FC Porto quer o avançado internacional colombiano para a próxima época. O FC Porto está interessado na contratação de Rafael Santos Borré para …

A bóia de salvação da Suíça é a economia forte e diversificada

A economia suíça, forte e diversificada, deverá resistir à crise que se avizinha. Com a fronteira com o norte de Itália, o país agiu cedo e prepara-se agora para revitalizar a economia. A tempestade ainda não …

CDS tem duas prioridades para o plano de estabilização (mas sai de São Bento sem garantias)

O presidente do CDS-PP indicou hoje que não tem garantia por parte do Governo de que as propostas que apresentou serão acolhidas no orçamento suplementar e salientou que “não foi celebrado nenhum tipo de compromisso”. Francisco …