“Não me sinto seguro sem uma”. Venda de armas aumentou drasticamente nos EUA

Os EUA continuam a ser um dos países onde os cidadãos comuns têm mais facilidade em comprar armas de fogo. Esta é uma prática recorrente, e mais de um terço das famílias norte-americanas têm uma arma em casa. A tendência é mais recorrente entre indivíduos negros, e só este ano o número de vendas aumentou em mais de 50%.

Nos EUA, há uma grande controvérsia sobre a política de armas. Há pessoas que defendem o controle de armas e apoiam o aumento das regulamentações relacionadas com a posse de armas. Outras defendem os direitos das armas e apoiam a diminuição dos regulamentos relacionados à propriedade das mesmas, e defendem uma maior liberalização.

Frequentemente, estes dois grupos discordam das leis e dos processos judiciais relacionados com o tema. Contudo, os números nos EUA são preocupantes: estima-se que entre os cidadãos dos EUA haja 393 milhões de armas de fogo, e que entre 35% e 42% das famílias do país tenham pelo menos uma arma.

Para os americanos ter ou não uma arma pode ser considerada uma questão de segurança, ou mesmo, para alguns, até de honra.

Ao NPR, Bruce Tomlin – um motorista de pesados que vive no Novo México – disse que nunca teve o hábito de andar armado. Contudo, depois de ver um vídeo de três homens homens a perseguir e matar brutalmente um individuo negro, Tomlin confessa que ficou assustado.

“O homem estava a tentar fugir, e eles estavam a dar-lhe tiros como se ele fosse um cão”, revelou Tomlin depois de assistir ao vídeo que o fez comprar uma arma.

“Sinto que na América, especialmente os homens negros, precisam de ter algum tipo de proteção com eles. O clima político está a chegar a um ponto em que vai haver muita violência com a comunidade negra “, disse Tomlin que garante que não se sente seguro. Ainda assim, assume que “nem sempre me senti assim. Nunca fui fã de armas, mas agora não me sinto seguro sem uma”.

No início de junho, o NPR entrou em contacto com alguns membros da comunidade negra norte-americana, e questionou-os sobre as suas experiências pessoais no país. Cerca de 500 pessoas responderam, sendo que algumas mostraram o desejo de comprar armas de fogo como sinónimo de autodefesa, em resposta à recente luta por justiça racial.

De acordo com o que Jim Curcuruto, diretor de Pesquisa e Mercado da National Shooting Sports, escreveu num relatório “o maior aumento nas vendas de armas de fogo deve-se a compras de homens e mulheres negros. Houve um aumento de 58,2% nas compras de armas durante os primeiros seis meses de 2020, em relação ao mesmo período do ano passado”, o que acredita dever-se também à eclosão da pandemia.

Philip Smith, o presidente da National African American Gun Association, disse que esta tendência teve duas ondas: uma em 2016, após a eleição do presidente Donald Trump, e agora depois dos recentes protestos por maior justiça racial. Porém, este fenómeno não é uma novidade dos dias de hoje.

Ifeoma Ozoma, um jovem de 28 anos, já possuía armas muito antes dos recentes protestos emergirem em todo o país. Ozoma cresceu no Alasca, e sempre teve  familiaridade com armas de fogo, por isso soube desde cedo que queria ter uma para legítima defesa. A jovem assume que a posse de armas “não está ligada ao movimento político”, mas deve-se ao facto de “acreditar na posse de armas“.

Ainda assim, há americanos que acreditam que ter uma arma não faz deles pessoas mais bem protegidas. Larry Green, vive em Phoenix e não quer comprar ou possuir uma arma, pois acredita que ter uma pode não valer de nada.

Green contou a história de Philando Castile, um proprietário de arma registada que foi baleado e morto por um polícia em 2017, mesmo depois de dizer que estava armado. Por isso, o norte-americano considera que “não importa se estou armado ou não, posso ser morto na mesma. E prefiro não estar armado.”

Um outro fator que faz aumentar as vendas de armas nos Estados Unidos, é a ocorrência  de acidentes no país. Um exemplo disso foi aquando do 11 de setembro, pois a venda de armas aumentou logo após os ataques terroristas.

ZAP ZAP //

PARTILHAR

3 COMENTÁRIOS

  1. Em 2016 a culpa foi de Trump, em 2021 a culpa Não é de Biden. A culpa é do Corona! Até estava à espera que a culpa ainda fosse de Trump… mas vá lá, é do Corona…

    • Ai zumba (na caneca) que andas todo baralhado das ideias… então o Trump, que tinha apoio da NRA, da indústria do armamento, etc, etc, é comparável com a postura do Biden que tem feito tudo para haver mais controlo na venda de armas?!
      Vais bonito, vais…

  2. Ai zumba (na caneca) que andas todo baralhado das ideias… então o Trump, que tinha apoio da NRA, da indústria do armamento, etc, etc, é comparável com a postura do Biden que tem feito tudo para haver mais controlo na venda de armas?!
    Vais bonito, vais…

RESPONDER

"Ameaça emergente". Produção de armas em casa com impressoras 3D deixa polícia em alerta

O alerta surgiu da Europol. Na Europa, estão a ser fabricadas pistolas semiautomáticas em impressoras e teme-se que o fenómeno chegue a Portugal. Os programas podem ser descarregados em plataformas na internet. Segundo avança o Jornal …

Jerónimo acusa Governo de "falta de vontade" para responder à crise

O secretário-geral do PCP, Jerónimo de Sousa, defendeu que o Governo "tem meios" e só não responde aos problemas concretos causados pela crise sanitária, por lhe "faltar a vontade", dando como exemplo a questão das …

Marcelo Rebelo de Sousa inicia visita oficial à Guiné-Bissau, 32 anos depois de Mário Soares

Marcelo Rebelo de Sousa inicia esta segunda-feira à tarde a sua primeira visita oficial à Guiné-Bissau enquanto Presidente da República, com um programa intenso, que inclui encontros institucionais, com a comunidade portuguesa e uma homenagem …

Rui Pinto gera discórdia no inquérito ao Novo Banco. PSD levanta dúvidas sobre presença do hacker

No centro da discórdia está Rui Pinto, já que os partidos não conseguem chegar a um consenso sobre a convocatória do hacker para a comissão de inquérito ao Novo Banco. A sua presença será discutida …

Pesca da sardinha reabre hoje após quase sete meses

A pesca da sardinha reabre hoje, após quase sete meses de interdição, com um limite de 10.000 toneladas que deverá ser revisto em junho. No entanto, num diploma publicado em Diário da República no dia 6 …

Cortes do Estado em contratos levaram ao encerramento de 20 colégios

Desde que o Estado começou a cortar nos contratos com os estabelecimentos de ensino particular e cooperativo já 20 colégios fecharam portas. Em 2016, o Estado começou a implementar cortes graduais nos contratos de associação com …

Portugal vai ser o país europeu com menor percentagem de população ativa

De acordo com as novas projeções, em 2050, Portugal terá 1,6 pessoas em idade ativa por cada idoso, sendo que atualmente conta com 2,9. As projeções do Eurostat, divulgadas pelo Jornal de Notícias, indicam que em …

"Sentimento anti-Modi." Pandemia deixa primeiro-ministro indiano debaixo de fogo

A segunda vaga de covid-19 na Índia tem alfinetado Narendra Modi. Restam saber quais serão as consequências políticas para o primeiro-ministro indiano. Narendra Modi chegou ao poder em 2014, cheio de promessas de crescimento e prosperidade …

"Um dia feliz". Britânicos voltam em força (e até o calor se antecipou)

Turistas de quase toda a Europa podem, a partir desta segunda-feira, entrar em Portugal, no regresso do turismo internacional. É "um dia feliz" para o turismo nacional, sobretudo devido ao regresso dos britânicos que trazem …

FC Porto avança por Beto e já há valores em cima da mesa

O negócio entre o FC Porto e o Portimonense pelo avançado Beto já estará numa fase bastante avançada. Apesar de os três grandes terem demonstrado grande interesse em Beto, segundo avança o jornal O Jogo, são …