Multa a Portugal pode ser zero

Clara Azevedo e Paulo Henriques / Portugal.gov.pt

Primeiro-Ministro António Costa e Ministro das Finanças, Mário Centeno

Primeiro-Ministro António Costa e Ministro das Finanças, Mário Centeno

A Comissão Europeia recomendou esta quinta-feira que o Conselho de Ministros das Finanças da UE abrisse um procedimento por incumprimento do défice de 2015, mas poderá não haver multa. A decisão sobre as sanções – pesadas, leves ou até nulas – poderá depender da capacidade de Portugal para convencer o Ecofin.

Depois de vários adiamentos e de muito se ter especulado sobre o assunto, ontem surgiu a confirmação: Portugal não vai escapar à abertura de um procedimento em função do incumprimento do défice de 2015. Bruxelas abriu as portas e caberá ao Ecofin, o conselho dos ministros das Finanças da União Europeia, avaliar a execução orçamental no período “entre 2013 e 2015” e dar – ou não – a machadada final.

Esta quinta-feira, no debate do Estado da Nação na Assembleia da República, o Primeiro-Ministro António Costa aplaudiu “uma primeira vitória importante da diplomacia portuguesa, garantir que a Comissão se limitasse a dizer um facto”.

“A comunicação da Comissão constata incumprimento, mas não propõe sanções. A aplicação de sanções não é automática”, salientou António Costa.

A forma de o processo ser travado, agora, é através da oposição dos ministros das Finanças às considerações da Comissão Europeia.

O Primeiro-ministro sublinhou que “no Tratado de Lisboa bastava uma minoria de bloqueio, agora é preciso maioria de bloqueio para impedir. Há discussões entre justistas para saber o que se aplica, Tratado de Lisboa ou Tratado Orçamental. Mas estamos a trabalhar para que não haja lugar à aplicação de sanções. Ninguém pode garantir antecipadamente o resultado.”

Esta “minoria de bloqueio” precisaria reunir apoios de pelo menos quatro países, que no seu conjunto reúnam 35% da população total da UE.

À TSF, um diplomata explicou que, tendo em conta as posições manifestadas publicamente por governantes nacionais, Portugal poderia contar com o apoio de França, Itália, Espanha e Grécia. Centeno “não deverá poder votar sobre Portugal”, sublinhou.

“Não há justificação para haver sanções e temos que nos bater em todas as frentes. No PE, no Conselho, na Comissão, na frente diplomática, política e através da comunicação social”, declarou António Costa.

“Reduzidas ou mesmo anuladas”

A Comissão Europeia lançou ontem processos inéditos de sanções a Portugal e Espanha, ao concluir que os dois países não tomaram “medidas eficazes” para corrigir os seus défices excessivos, passando a palavra aos ministros das Finanças da União Europeia.

Em conferência de imprensa esta quinta-feira, o comissário europeu para o Euro, Valdis Dombrovskis, afirmou que “se a decisão for confirmada pelo Conselho dá origem a um procedimento”, salientando que se for decidida a aplicação de sanções, os países em causa – Portugal e Espanha – podem “apresentar motivos para as sanções serem reduzidas ou mesmo anuladas“.

Também o comissário para os Assuntos Económicos e Financeiros, Pierre Moscovici, reforçou a possibilidade de os ministros das Finanças da União Europeia (UE) optarem por “uma multa igual a zero”, sublinhando que a decisão compete ao Ecofin. Ou seja, na prática, o castigo pode vir a ser… um não castigo, poupando o país ao pagamento de uma sanção pecuniária.

“Está em causa uma avaliação objetiva do passado, não estão em causa sanções”, sublinhou Moscovici.

O comissário lembrou que Portugal “devia ter corrigido o défice excessivo em 2015, mas este aumentou para 4,4%”, salientando que mesmo sem o resgate do Banif, este ficaria “ligeiramente acima dos 3,0%”.

Portugal “não cumpriu as metas, nem a nível nominal, nem estrutural“, disse.

Dombrovskis, por seu lado, lembrou que “estamos a lidar com o rescaldo de uma crise económica e financeira”, mas adiantou a necessidade se as finanças voltarem “ao bom caminho”, sem défices excessivos.

Após a Comissão adotar ontem recomendações ao Conselho a constatar que Portugal e Espanha “necessitarão de novos prazos a fim de corrigir os seus défices excessivo” (que no caso português era 2015), por não terem feito os esforços suficientes para atingir as metas estabelecidas, os ministros das Finanças dos 28 (Ecofin) deverão pronunciar-se já na reunião da próxima terça-feira sobre este parecer, após o que o executivo comunitário “tem a obrigação legal de apresentar, no prazo de 20 dias, uma proposta de multa a aplicar“.

ZAP / Lusa

PARTILHAR

RESPONDER

NOS e Vodafone vão partilhar equipamentos de redes móveis

A NOS e a Vodafone fecharam acordos com vista à partilha de infraestruturas e equipamentos de rede móvel, abrangendo as tecnologias 2G, 3G e 4G. A NOS e a Vodafone anunciaram um acordo de partilha de …

Eutanásia começa a ser discutida. Deputados consideram pergunta "confusa" e "não" é quase certo

A discussão sobre a eutanásia começa hoje no Parlamento e estende-se até sexta-feira. A proposta, que conta com o apoio da Igreja Católica, deve ser chumbada, tendo em conta os sentidos de voto já conhecidos, mas …

Cabrita mantém auditoria sobre falhas na GNR e PSP em segredo

A auditoria "Cartografia de Risco", feita pela Inspeção-Geral da Administração Interna (IGAI) que detetou falhas na formação e organização na GNR e na PSP, continua em segredo no gabinete do ministro da Administração Interna, Eduardo Cabrita. Em …

Assassino publicou áudio a dizer que "vingou o profeta". Pai de aluna e dois menores podem ter sido cúmplices

O assassino do professor francês que mostrou caricaturas de Maomé numa aula divulgou uma mensagem de áudio nas redes sociais em que dizia ter vingado o profeta, após publicar uma fotografia da sua vítima, avança …

Avanços e ajustamentos em pezinhos de lã. Sem certezas, Governo tenta aproximar-se à esquerda

A tensão entre o PS e a esquerda já dura há duas semanas. O Governo já fez algumas cedências em troca do "sim" dos parceiros, mas falta a análise que tarda em chegar. Fonte do Governo …

"Bazuca" dá mais mil milhões para "revolução" nos transportes de Lisboa e Porto

O ministro do Ambiente e da Ação Climática, João Pedro Matos Fernandes, diz que estamos perante uma "revolução" que vai mudar muito a circulação das pessoas em Lisboa e no Porto. O dinheiro vindo da União …

"Médicos pela Verdade". Ordem abre processo contra movimento que desvaloriza gravidade da covid-19

A Ordem dos Médicos abriu processos disciplinares a 7 médicos do movimento Médicos pela Verdade, grupo que desvaloriza a gravidade da covid-19 e se mostra contra o uso generalizado de máscaras e de testes de …

"Esta é a crise das nossas vidas". Vieira da Silva diz que chumbo do OE seria "dificilmente compreensível"

O ex-ministro do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social, José António Vieira da Silva, elogiou, em entrevista ao jornal ECO, a proposta para Orçamento de Estado para 2021 (OE2021) e disse que seria "estranho" que não …

Podemos acusado de financiamento irregular, crime eleitoral e falsificação de documentos

O partido espanhol Podemos é acusado de financiamento irregular, crime eleitoral e falsificação de documentos comerciais. A acusação consta num despacho do juiz de instrução Juan José Escalonilla, datado de 10 de setembro, ao qual a …

Shakhtar derrota Real Madrid. Em Espanha, comparam Zidane a Lopetegui

O Shakhtar Donetsk, treinado pelo português Luís Castro, surpreendeu e venceu o Real Madrid, por 2-3, no arranque da fase de grupos da Liga dos Campeões. Os ucranianos chegaram a estar a vencer por três …