Muçulmanas obrigadas a casar, maltradas e violentadas: era uma vez, sem final feliz

BBc

-

Tem 15 anos e é muçulmana. Vive no Sri Lanka, onde a idade mínima legal para o casamento são os 18 anos mas, a ela, a lei que se aplica é outra: uma antiga norma local, permite que raparigas e mulheres muçulmanas sejam uma exceção a essa regra. Esta é a história de Shafa – nome fictício -, uma menina de 15 anos que foi obrigada a casar.

“Quando eu estava a estudar apaixonei-me por um rapaz“. É assim que começa o “era uma vez” não tão encantado de Shafa. “Quando os meus pais descobriram, não gostaram e, por isso, mandaram-me para casa do meu tio”.

Na casa do tio, a jovem conheceu um homem, que disse que se queria casar com ela. No Sri Lanka, a lei protege os locais, permitindo o casamento apenas a partir da maior idade – os 18 anos. Mas Shafa teve a infelicidade de nascer muçulmana.

Na comunidade muçulmana, a Lei de Casamento e Divórcio Muçulmano – conhecido como MMDA – impera e permite que líderes muçulmanos, na sua maioria homens, decidam a idade do casamento.

É por causa dessa lei que, apesar de Shafa muito ter resistido ao casamento, os tios continuaram a organizar a união entre os dois. Sempre que a rapariga se insurgia contra o casamento, batiam-lhe e ameaçavam matar-se.

“Cortei os pulsos e tomei medicamentos. Não tinha outra opção”, contava Shafa enquanto exibia, sem orgulho, as cicatrizes que lhe marcam os braços e que não a deixam esquecer.

BBC

Shafa, criança muçulmana obrigada a casar-se

A rapariga de 15 anos exibe as cicatrizes da tentativa de suicídio para fugir ao casamento, para chamar a atenção para esta comunidade

Na verdade, é importante que Shafa não esqueça. Porque, como ela, muitas outras meninas muçulmanos são forçadas a casar e a ter filhos, quando o seu corpo ainda não está preparado para isso.

Ermiza Tegal, advogada de Direitos Humanos, conta à BBC que os casamentos aumentaram de 14% para 22%. Só num ano.

Quando estava no hospital, os tios e “noivo” de Shafa subornaram os médicos. “Levaram-me para um hospital privado e alguns dias depois obrigaram-me a casar com ele”. O destino da rapariga que só queria estudar e ter um namorado estava traçado.

Sem saída, a menina muçulmana casou com o amigo da família. E foi então que o pior começou: o seu agora marido suspeitava que Shafa o traía com o antigo namorado e, por isso, os abusos físicos eram constantes. Quando a jovem de 15 anos engravidou, foi atirada ao chão. “A seguir, disse que só me queria por uma noite, que já me tinha usado e não precisava mais de mim”.

No hospital descobriu que tinha sofrido um aborto espontâneo, resultado da violência sofrida. Quando tentou fazer queixa na polícia, ninguém a quis ouvir.

Todos os anos, centenas de crianças muçulmanas são forçadas a casar por pressão de pais ou de tutores. Vários grupos de apoio acompanham casos de meninas com idades a partir dos 12 que passam pelo mesmo inferno de Shafa.

De acordo com a MMDA, não há idade mínima para o casamento, mas casar com uma criança com menos de 12 anos requer uma autorização especial de uma autoridade islâmica.

As mulheres das comunidades muçulmanas têm sofrido durante décadas. Em silêncio, porque mesmo que falem, (quase) ninguém as ouve.

E para Shafa, depois da tempestade, não houve bonança. Depois de se tentar suicidar, sofrer violência doméstica (pelos tios e pelo marido) e abortar, a menina foi obrigada a manter-se no casamento abusivo.

O marido chamou-a a uma mesquita local e informou-a da decisão de manter o casamento. Quando Shafa se opôs começou a receber chamadas e mensagens de números por identificar que perguntavam quanto é que a menina cobrava para dormir com eles – o homem tinha publicado fotografias suas com o seu número de telefone.

“Gravei todas as chamadas e ainda tenho as mensagens”, conta Shafa que, mesmo a chorar, não quer deixar de ser ouvida. Pelo menos desta vez.

BBC

Shafa, criança muçulmana obrigada a casar-se

Shafa, uma das muitas crianças muçulmanas obrigada a casar-se, chora quando conta a sua história

Reformar a MMDA

O Sri Lanka planeia reformar a Constituição e os ativistas muçulmanos e de direitos das mulheres veem aqui uma oportunidade para agir. A ONU e a União Europeia também já entraram em ação e pediram uma reforma da MMDA e de outras leis discriminatórias vigentes no país.

Há 10 anos foi criado um comité pelo governo para reformar esta lei local. Uma década passada, a lei não só continua em funcionamento, como faz cada vez mais vítimas.

Comunidades islâmicas como Jamiyathul Ulama e Thawheed Jamaath resistiram durante muito tempo aos pedidos de mudança, ainda que BM Arshad, tesoureiro da Thawheed Jamaath tenha dito que a “comunidade não se opõe à reforma da MMDA, quando as propostas vêm de dentro da própria comunidade”. Mas negam-se a estabelecer uma idade mínima para o casamento.

“Nem o Islamismo nem a nossa organização aceita o casamento infantil  – mas também não vamos estabelecer uma idade mínima para o casamento”, esclareceu BM Arshad.

ZAP //

PARTILHAR

7 COMENTÁRIOS

  1. Não é preciso ir tão longe para ver esta realidade .. com a etnia cigana em Portugal passa-se o mesmo (casamentos infantis) .. e todos fecham os olhos ..

    • Tem razão, mas os ciganos têm liberdade de escolha e os muçulmanos não têm. Pelo que tenho ouvido da boca de ciganos, principalmente no centro de saúde, qdo vejo ciganos jovens na mesma sala de espera que eu, enqto esperamos vamos falando e eles dizem que ao nascer os pais acordam os casamentos dos filhos entre eles, mas qdo chega a altura do casamento se um dos noivos estiver a gostar de outra pessoa, o acordo é anulado sem problemas. Há anos era realmente assim, mas hoje as mentalidades estão mais abertas. Há até ciganos que já poucos traços têm que se notam que são ciganos. Tb já são raros os pais ciganos que combinam os casamentos dos filhos, sinal que nesse aspecto estão a mudar a mentalidades… mas tb deve ser só nesse aspecto, pq qto ao resto têm enraizadas a preguiça, a velhaquice, a ganância pelo RSI, mas trabalhar faz calos. Qto aos muçulmanos, casam e não têm alternativa…ou casam, ou a família mata-os.

  2. Pode estar a mudar .. mas para o tempo que vivem “entre nós” já deviam de ter mudado. As duas miúdas que vi grávidas tinham 14 anos .. e os “maridos” mais de 30. Onde é que isto passa nas leis portuguesas não sei .. no meu entender é crime .. mas todos fecham os olhos. Lá fora é muito pior infelizmente..seja muçulmanos ou Índianos por exemplo é asqueroso tudo o que fazem com miúdas pequenas .. com mulheres .. nascer mulher é em vários países por um alvo na testa..carta branca para todos fazerem o que querem..que geralmente é tudo de mau! Mas se nem sequer dos “nossos” conseguimos “tratar”. Enfim .. o ser humano é mau e isso não há volta a dar .. chamamos animais aos seres errados.. o Homem é o verdadeiro animal.

RESPONDER

"Ponte" biodegradável pode curar lesões nervosas do sistema nervoso periférico

Investigadores da Universidade de Pittsburgh descobriram recentemente uma "ponte" biodegradável que poderá ajudar no tratamento de lesões nos nervos e a recuperar cerca de 80% da função nervosa. As lesões superficiais que ocorrem no sistema nervoso …

Os polegares dos neandertais adaptaram-se a ferramentas com pega

Os polegares dos neandertais adaptaram-se para segurar melhor ferramentas com pega, da mesma forma como utilizamos atualmente um martelo, revela uma nova investigação da Universidade de Kent, no Reino Unido. A mesma investigação sugere ainda …

Sporting 2-1 Moreirense | JackPote rende pontos ao “leão”

O “Leão” soma e segue na liderança do campeonato, depois de vencer o Moreirense por 2-1, graças a um bis Pedro Gonçalves. Neste sábado, na recepção ao Moreirense, num embate relativo à oitava jornada, sofreu, mas conseguiu …

Raro crustáceo parasita descoberto na boca de um tubarão em exibição num museu

Uma equipa de cientistas descobriu uma espécie extremamente rara de Cymothoidae na boca de um espécime de tubarão capturado no Mar da China Oriental e agora em exibição num museu. Os Cymothoidae são uma família de isópodes …

Série da Netflix faz disparar venda de jogos de xadrez nos Estados Unidos

A série "The Queen’s Gambit", da plataforma de streaming Netflix, que retrata a ascensão de uma jovem jogadora de xadrez na década de 1950, fez disparar as vendas deste jogo de tabuleiro nos Estados Unidos. …

Novo comité central do PCP eleito com 98,5%

O novo comité central do PCP foi este domingo eleito no XXI congresso nacional dos comunistas, em Loures, com 98,5% dos votos. Dos 611 delegados, 602 votaram a favor, seis abstiveram-se e três votaram contra na …

Elefante salvo de um poço profundo na Índia. Resgate durou 14 horas

Uma equipa de 50 pessoas ajudou a salvar um elefante que tinha caído num poço profundo em Dharmapuri, no sul da Índia. Moradores locais atiraram folhas de bananeira para o animal comer antes de ser …

Santa Clara 0-1 Porto | Magia de Díaz resolve jogo pobre

Missão cumprida. O Porto viajou até aos Açores para defrontar o Santa Clara e leva na bagagem os três pontos. Mas não o conseguiu com brilhantismo, longe disso. A eficácia foi a palavra de ordem, num …

Raro pinguim totalmente branco encontrado nas Ilhas Galápagos

Um raro pinguim com o corpo totalmente "pintado" de branco foi encontrado no arquipélago das Galápagos, no Equador. Em comunicado, o Parque Nacional das Galápagos detalha que o raro espécime foi encontrado enquanto um guia fazia …

A China tem 8 milhões de cegos, mas apenas 200 cães-guia. Há uma razão

A China tem 8 milhões de cegos, mas apenas 200 cães-guia. As cidades populosas, as vias não adaptadas, as poucas escolas de treino e a própria população são entraves à existência destes companheiros (e verdadeiros …