Morreu o pintor Manuel Amado

(dr) www.manuelamado.com

O pintor Manuel Amado

O pintor Manuel Amado morreu, esta segunda-feira, em Lisboa, aos 81 anos, vítima de cancro, disse à Lusa fonte da família.

Nascido em Lisboa, em 1938, formado em arquitetura, foi no entanto a pintura que o moveu desde muito cedo, e à qual se dedicou em exclusivo desde 1987, num exercício de “perceção do invisível”, como a Casa das Histórias Paula Rego definiu o seu percurso.

“É como se ele pintasse para erradicar um fantasma, algo que nunca conseguirá fazer”, disse Paula Rego, quando fez a curadoria de uma retrospetiva do artista, em 2016.

Autor de “Quarto Interior”, que faz parte da Coleção Moderna da Fundação Calouste Gulbenkian, e do tríptico da Casa Fernando Pessoa, em Lisboa, Manuel Amado fez o curso do liceu no Colégio Moderno, período durante o qual se dedicou ao teatro. Iniciou-se na pintura em 1956, e concluiu arquitetura, em 1965.

Em 1975, participou pela primeira vez numa exposição coletiva, na Sociedade Nacional de Belas Artes, a que se sucedeu uma outra, na antiga Galeria Ottolini, em Lisboa, organizada por Mário Cesariny e Cruzeiro Seixas.

Em 1978, a convite de Cruzeiro Seixas, fez a sua primeira exposição individual, a que se seguiu nova mostra em nome próprio, no início da década de 1980, na Galeria São Mamede, em Lisboa, e, depois, na Cooperativa Árvore, no Porto.

Desde então, expôs com regularidade em Portugal e no estrangeiro, destacando-se a presença no Smithsonian, em Washington, na ARCO Madrid, na Galeria Anne Berthoud, em Londres, na Mouvances, em Paris, na China Art Gallery, em Pequim, na Fundação Telefónica, em Madrid, que acolheu a sua primeira retrospetiva, em 1994, e na Fundação Calouste Gulbenkian, na capital francesa, onde levou “A Grande Cheia”, em 2001.

Executou diversos cenários em colaboração com diferentes grupos de teatro, entre os quais o Teatro Universitário de Lisboa, o Teatro da Malaposta e o Grupo 4/Teatro Aberto.

Manteve uma regular colaboração com a Manufactura de Tapeçarias de Portalegre, a partir da década de 1990.

A sua obra está representada em diversas coleções públicas e privadas, como Fundação Calouste Gulbenkian, Fundação das Descobertas (Centro Cultural de Belém), Fundação Millennium BCP, Fundação Oriente, Fundação EDP, Fundação Portugal Telecom, Fundação Cupertino de Miranda, Casa Museu Fernando Pessoa, Fundação Berardo e, no estrangeiro, na Fundação Jacqueline Vodoz e Bruno Danese (Itália), e na Fundação António Perez Museu de Arte Contemporânea (Espanha).

Em maio de 2016, a Casa das Histórias Paula Rego, em Cascais, acolheu a sua exposição “O Verão era assim como uma casa de morar onde todas as coisas estão…”, uma das mais importantes na recente carreira do artista, retrospetiva com curadoria da própria pintora Paula Rego, com a coordenadora da Casa das Histórias, Catarina Alfaro.

Os quadros de Manuel Amado “possuem todos uma simplicidade ameaçadora”, disse então Paula Rego sobre a obra do pintor, durante o trabalho de seleção dos quadros para a mostra, como recorda a Casa das Histórias, na página dedicada ao artista.

E prossegue a instituição: “Não há dúvida de que a obra de Manuel Amado se constrói a partir de um mistério que é, à partida, simples: as coisas normais veem-se sobre um ângulo diferente, e por isso os modos de conceção da subjetividade na apreensão do mundo podem tornar-se a verdadeira fonte do enigma. Cada uma destas pinturas será, então, um exercício de perceção do invisível no visível da obra“.

“As suas ligações afetivas aos espaços que habitou, e que são reveladas através da memória, não fotográfica, mas uma memória reconfigurada que contém ressonâncias que derivam do passado e do presente, do momento em que esses espaços estão a ser relembrados pelo artista”, traduzem então essas “forças invisíveis” da pintura de Manuel Amado, segundo a Casa das Histórias.

“Em Manuel Amado o silêncio faz-se palavra pela celebração da luz. Vai mais longe: confere vida à cidade com a discretíssima insinuação de poesia e de segredo, que paira nesse mundo deserto de personagens”, escreveu José Cardoso Pires (1925-1998), no catálogo de umas primeiras exposições individuais de Manuel Amado, na Galeria de São Mamede.

Governo destaca um dos “mais singulares” nomes da pintura portuguesa

A ministra da Cultura, Graça Fonseca, lamentou a morte do pintor, considerando-o “um dos mais singulares e coerentes da pintura portuguesa”, numa mensagem de pesar, enviada às redações.

“Arquiteto de formação, cujo percurso é dos mais singulares e coerentes da pintura portuguesa”, a obra de Manuel Amado (1938-2019) está hoje “representada em quase todas as grandes coleções nacionais de pintura”.

“O seu olhar sobre o país e a passagem do tempo, rigoroso na representação da luz e das sombras, formou um modo de ver Portugal e, muito em particular, a cidade de Lisboa onde nasceu, erguida a partir de uma memória ao mesmo tempo real e profundamente afetiva”, escreve Graça Fonseca, na mensagem divulgada.

“Com uma ligação pessoal e familiar às artes cénicas, foi graças à sua obra pictórica, vasta e imediatamente reconhecível, que se afirmou como um dos pintores mais emblemáticos da arte contemporânea portuguesa, com um trajeto sempre diverso e diferente das correntes dominantes”, acrescenta o comunicado da ministra da Cultura.

Graça Fonseca recorda Manuel Amado como filho do autor, encenador e ator Fernando Amado, fundador da Casa da Comédia e do Teatro Ginásio, para lembrar a ligação do artista ao teatro: “Ator nos seus anos de estudante, [quando] colaborou com António Manuel Couto Viana, Manuel Amado foi também um pintor do tempo e dos ritmos próprios das artes cénicas”, conclui.

// Lusa

PARTILHAR

RESPONDER

Navios em Portugal poluem tanto quanto as oito cidades com mais carros

O transporte marítimo deve integrar o regime de comércio de licenças de emissão da União Europeia (UE), defendeu, esta segunda-feira, a associação ambientalista ZERO, exigindo limites de emissão de dióxido de carbono (CO2) para navios …

Já são conhecidos os nomeados aos Globos de Ouro. Netflix lidera com "O Irlandês" e "Marriage Story"

A cerimónia de entrega de prémios realiza-se a 5 de janeiro de 2020 no hotel Beverly Hilton, em Los Angeles, e será apresentada por Ricky Gervais. Já são conhecidos os nomeados à 77ª edição dos Globos …

Falhas na formação de médicos levam ministra a criar grupo de trabalho

A ministra da Saúde determinou a constituição de um grupo de trabalho para criar um manual de regras e procedimentos para a avaliação das capacidades de formação de médicos no SNS, depois de falhas apontadas …

Surto de sarampo leva Samoa a fechar escolas e serviços. Ativista anti-vacinação detido

Com o objetivo de conter o surto de sarampo que já matou 60 pessoas, o governo de Samoa está a pedir à população que coloque uma bandeira vermelha em frente às casas nais as pessoas …

Poluição do ar leva Sarajevo a cancelar todos os eventos públicos

As autoridades bósnias consideram que a poluição na capital do país, Sarajevo, atingiu níveis perigosos nos últimos dias. Perante a densa nuvem de nevoeiro que paira na cidade, o governo regional decidiu cancelar todos os …

A banana colada à parede que custou 108 mil euros foi comida

A banana mais cara do mundo, presa a uma parede com fita adesiva, foi descascada e comida por um artista que visitava o stand da galeria Perrotin, na feira de arte contemporânea Art Basel, nos …

Empresas norte-americanas reforçam domínio na venda global de armas

O Instituto Internacional de Estudos de Paz de Estocolmo (SIPRI) revelou esta segunda-feira que as empresas norte-americanas aumentaram o domínio no comércio global de armas em 2018, para 59% do volume total entre as 100 …

Faltam medicamentos para doenças crónicas nas Farmácias (e ninguém sabe porquê)

Há medicamentos para doenças crónicas que estão, constantemente, em falta nas Farmácias Portuguesas. Uma situação preocupante, sobretudo para os pacientes que deles precisam, e que não tem uma explicação. A Associação Nacional de Farmácias está …

Mais de dois mil coalas mortos devido aos incêndios na Austrália

O presidente da Aliança das Florestas do Nordeste da Austrália disse que os incêndios florestais que deflagram no leste do país, desde o início de novembro, provocaram a morte a mais de dois mil coalas. O …

Regionalização sem referendo é “golpe de estado palaciano”

Luís Marques Mendes falou este domingo, no habitual espaço de comentário político na SIC, sobre a regionalização, os "tempos difíceis para a direita", Greta Thunberg e Joe Berardo. Houve ainda tempo para falar sobre o …