Morreu Leonard Cohen

Takahiro Kyono / Wikimedia

Leonard Cohen em Odense, na Dinamarca, 17 de Agosto de 2013

Leonard Cohen em Odense, na Dinamarca, 17 de Agosto de 2013

Leonard Cohen morreu esta quinta-feira, aos 82 anos. A morte foi anunciada pelo seu agente, através da página de Facebook do músico e poeta canadiano .

“É com profunda tristeza que informamos que o poeta, compositor e artista lendário Leonard Cohen morreu”, escreveu o seu agente. “Perdemos um dos visionários mais prolíficos e respeitados do mundo da música”.

Leonard Cohen, que morreu em sua casa, deambulou pelo mundo dentro da sua melancolia e emergiu como uma voz sublime e espiritual da sua geração.

O músico festejou a 21 de setembro os seus 82 anos com um novo álbum, “You Want It Darker“, o 14.º da sua carreira, no qual refletia sobre sua própria mortalidade e, com a sua voz grave, interrogava-se sobre a natureza do homem e de um Deus todo-poderoso.

No mês passado, o músico e poeta aplaudiu a atribuição do Nobel da Literatura a Bob Dylan e considerou que foi como “dar uma medalha ao monte Evereste por ser a montanha mais alta”. O nome do próprio Cohen foi várias vezes apontado como candidato ao Nobel.

Nascido a 21 de setembro de 1934 numa família judaica em Montreal (Canadá), Leonard Cohen compôs algumas das músicas mais inesquecíveis das últimas décadas.

Ainda no Canadá licenciou-se em literatura na Universidade McGill, em 1955, e integrou o grupo musical The Buckskin Boys.

Mudou-se para Nova Iorque com uma bolsa para a Columbia Graduate School, e aos 24 anos recebeu outra, do Canada Council, para escrever um livro, o que lhe permitiu viajar para a Europa.

Músico, escritor e poeta, Cohen acompanhou sempre a música com a literatura, a sua grande paixão, que começou aos 16 anos, quando escreveu os seus primeiros poemas.

Publicou o primeiro álbum, “Songs of Leonard Cohen”, em 1967, já depois de ter feito trinta anos e de ter revelado a faceta literária, em particular com o livro de poesia “Let us compare mythologies” (1956) e o romance “O Jogo preferido”, (1963), editado em Portugal em 2010.

Leonard Cohen é também autor do livro de poesia “Flowers for Hitler” (1964).

Em Portugal estão também publicados “Filhos da Neve” e “O livro do desejo”, que reúne poemas dispersos escritos ao longo dos últimos vinte anos, alguns dos quais durante um retiro budista de Cohen nos Estados Unidos e na Índia.

Alguns dos poemas desse livro foram adaptados para letras de canções.

Considerado um dos mais importantes nomes da música popular do século XX, Cohen escreveu músicas simbólicas da sua geração, incluindo “Hallelujah.”

“Suzanne” ou “So Long Marianne” ilustram, em 1967, uma primeira coleção de canções marcadas pelo sofrimento amoroso.

Aos 77 anos, foi distinguido com o Prémio Príncipe das Astúrias das Letras pelo “imaginário sentimental” da escrita e da música, justificou o júri.

No mesmo ano, em 2011, foi galardoado com o 9.º Prémio Glenn Gould, atribuído de dois em dois anos a artistas que contribuam para enriquecer a condição humana e representem os valores da inovação, inspiração e transformação.

Apesar da idade, estava mais ativo desde 2008, quando iniciou uma nova digressão internacional, depois de uma ausência de 15 anos, e editou o álbum “Old Ideas” (2012).

Em 2014, lançou o álbum “Popular Problems”, que aborda preocupações e dilemas do mundo atual.

Sobre este álbum, marcado pela sua voz cavernosa e grave, Leonard Cohen afirmou que é atravessado por um sentimento identificável por todos.

“Toda a gente sofre e toda a gente luta por ser alguém, por ser reconhecido. É preciso perceber que a luta de um é igual à luta de qualquer outro; e o sofrimento também. Creio que nunca se chegará a uma solução política se não se perceber esta ideia”.

Questionado se uma canção pode oferecer soluções para problemas políticos, respondeu: “Eu penso que a canção é, ela mesma, uma espécie de solução”.

Cohen foi precedido na morte, em julho, por Marianne Ihlen, a norueguesa com quem viveu na ilha grega de Hydra e que inspirou “So Long, Marianne”.

Numa carta para Ihlen revelada por um amigo, Cohen declarou o seu “amor sem fim” por ela, escrevendo: “Acho que vou seguir-te muito em breve.”

Estará agora a dançar com ela até ao fim do amor.

ZAP / Lusa

PARTILHAR

2 COMENTÁRIOS

  1. Este é o nosso fim, uns mais que outros pela natureza daquilo que nos deixa. Mas em contrapartida fica o legado riquíssimo daquilo que foi a sua obra, seja na música, na voz , como alguns diziam “Cavernosa”. Sinto-me triste, porque Cohen foi um “Senhor em toda a sua dimensão, e deixou-nos.
    Como curiosidade no ano em que nasci este já era um brilhante licenciado em literatura na Universidade McGill, em 1955. Diria muito breve sobre a sua obra que destaco Hallelujah, é intemporal…
    Finalmente despeço-me deste “Monstro” e quedo-me com o devido respeito que merece de todos nós. Condolências à família. RIP.

RESPONDER

Conhecido medicamento para diabetes pode conter um carcinógeno

A Food and Drug Administration, agência federal e reguladora do Departamento de Saúde e Serviços Humanos dos Estados Unidos, está a testar amostras de metformina, um medicamento para diabetes que pode conter o carcinógeno N-Nitrosodimetilamina …

Nobel da Física diz que o ser humano não está concebido para viver fora da Terra

Didier Queloz disse, este sábado, estar convencido de que o ser humano não está concebido para viver fora da Terra, razão pela qual está "zangado" com alguns argumentos do cofundador da Tesla, Elon Musk. Os suíços …

Ford está a reciclar palha de café do McDonald's. Quer transformá-la em peças de carro

https://vimeo.com/377768195 A Ford está a fabricar peças de carro através de palha de café reciclada do McDonald's. A iniciativa contribui para a redução da pegada ecológica e do desperdício alimentar. O combate às alterações climáticas cabe um …

Comité da ONU preocupado com condições das prisões em Portugal

As condições de detenção, a sobrelotação das prisões, o alegado uso da força e outros abusos contra pessoas pertencentes a grupos raciais e étnicos são as principais preocupações do Comité da ONU contra a Tortura …

Cientistas identificaram organismo que prospera ao comer meteoritos

O micróbio Metallosphaera sedula tem uma propensão para comer minerais. E não estamos a falar de granito ou giz, mas de rochas muito mais especiais como meteoritos. Segundo o Science Alert, uma equipa internacional de cientistas …

Médicos estrangeiros em Portugal atingem o valor mais alto da última década

O número de médicos estrangeiros registados em Portugal atingiu, em 2019, o valor mais elevado da última década, situando-se em 4192, mais 9,1% face a 2009, revelam dados da Ordem dos Médicos (OM). A maioria dos …

O único carro-avião do mundo vai ser vendido em leilão

O Taylor Aerocar, aquele que é o único carro-avião legalizado em todo o mundo, vai a leilão no início do próximo ano. Este modelo da marca data do ano de 1954. Se é um apaixonado por …

Marcha pelo Clima. Polícia espanhola deteve duas pessoas com facas e martelos

A Polícia Nacional de Espanha deteve, na sexta-feira, duas pessoas que pretendiam perturbar a manifestação pelo clima em Madrid, tendo apreendido vários materiais, como facas e martelos. Um homem e uma mulher foram detidos e enviados …

Reflexão, ritual ou mundo idealizado. Um Natal sem filmes, não é Natal

Se é daquelas pessoas que passa a noite da Natal com uma chávena na mão, meias nos pés e um filme na televisão, saiba que não está sozinho. Nesta altura do ano, os filmes tornam-se …

Musk ilibado depois de ter chamado "pedófilo" a mergulhador no resgate da gruta da Tailândia

O magnata fundador da Tesla, Elon Musk, foi absolvido na sexta-feira no processo por difamação movido pelo espeleólogo britânico Vernon Unsworth, que alegava ter sido chamado de pedófilo. Após cerca de uma hora de deliberações, o …