“Cala a boca”. Moro diz que Bolsonaro queria controlar Polícia Federal do Rio de Janeiro

Joedson Alves / EPA

O ex-ministro brasileiro Sérgio Moro denunciou, em depoimento à justiça, que o Presidente, Jair Bolsonaro, queria controlar a Polícia Federal do Rio de Janeiro através da indicação de um novo superintendente para aquele departamento.

“Moro você tem 27 superintendências, eu quero apenas uma, a do Rio de Janeiro”, terá dito Bolsonaro ao ex-ministro da Justiça, segundo o depoimento prestado por Moro no último sábado, numa investigação que tenta esclarecer uma suposta interferência ilegal do chefe de Estado na Polícia Federal, um órgão autónomo.

Segundo Moro, a “pressão” para substituir o superintendente da Polícia Federal do Rio de Janeiro começou no final de agosto de 2019 e cresceu até há algumas semanas, quando o mandatário lhe disse que poderia ser demitido caso não aceitasse essa alteração.

As alegadas “pressões” e “interferências” de Bolsonaro na Polícia Federal são investigadas pela Procuradoria Geral da República do Brasil, sob a supervisão do Supremo Tribunal Federal (STF) e, se comprovadas, podem levar o Presidente a ser submetido a um julgamento, ou até mesmo à sua destituição do cargo presidencial.

Moro reiterou que decidiu renunciar ao cargo de Ministro da Justiça, que ocupava desde janeiro de 2019, quando Bolsonaro lhe comunicou a sua irreversível decisão de substituir o então diretor geral da Polícia Federal Mauricio Valeixo, sem motivo aparente.

Como substituto, Bolsonaro disse que indicaria o comissário Alexandre Ramagem, conhecido publicamente como amigo da família Bolsonaro, ao qual Moro se opôs categoricamente e optou por renunciar ao cargo de ministro, em 24 de abril.

Dias depois, Bolsonaro efetivamente nomeou Ramagem como diretor da Polícia Federal, mas a indicação foi anulada após um juiz do STF ter decretado a sua suspensão, devido, justamente, à proximidade do agente à família do governante, principalmente a dois dos seus filhos, investigado por essa instituição.

Bolsonaro nomeou então Rolando De Souza, considerado “braço direito” de Ramagem, que assumiu o cargo apenas uma hora depois de ser nomeado, na segunda-feira.

Logo após ter tomado posse, Rolando De Souza atendeu ao desejo de Bolsonaro, e retirou Carlos Henrique Oliveira do comando da superintendência da Polícia Federal do Rio de Janeiro.

Na manhã de terça-feira, Bolsonaro confirmou que Carlos Henrique Oliveira deixará a superintendência da Polícia Federal do Rio de Janeiro e passará para a subdireção nacional do órgão.

Bolsonaro sustentou que se tratou de uma decisão interna da instituição, na qual não “interferiu”.

Quando anunciou a saída de Mauricio Valeixo da direção da Polícia Federal, Bolsonaro declarou que se tratou de um pedido do próprio, justificado por “cansaço”. Contudo, segundo Moro, a exaustão devia-se às “próprias pressões do Presidente”, e que Bolsonaro comunicou a Valeixo que colocaria, em Diário Oficial da União”, que a exoneração seria “a pedido” do então diretor.

Moro disse ainda que Bolsonaro tentou indicar outros nomes para a Polícia Federal, mas que “não tinham qualificação necessária para o cargo” e tinham também ligações à sua família.

Moro esclareceu que nunca afirmou que Bolsonaro “poderia ter cometido qualquer crime” e “que essa avaliação cabe às instituições competentes”.

De acordo com o testemunho de Moro à justiça, as “pressões” que afirma ter sofrido por parte de Bolsonaro foram testemunhadas por alguns ministros e até gravadas em vídeo pela Presidência, em algumas reuniões do executivo.

“Cala a boca”, gritou Bolsonaro aos jornalistas

Questionado por jornalistas sobre a sua influência na mudança de liderança da Polícia Federal no Rio de Janeiro, Bolsonaro irritou-se e mandou calar um dos jornalistas presentes. “Cala a boca, não perguntei nada”, disse, citado pelo Observador.

O chefe de estado mostrou a capa do jornal Folha de São Paulo e explicava-se sobre um dos temas que cavaram um fosso no governo entre si e Sérgio Moro. À publicação, chamou “patifaria” antes de disparar três vezes “cala a boca” contra o jornalista. Por trás, ecoavam os gritos dos apoiantes, que replicavam os insultos do presidente.

Bolsonaro também reagiu ao depoimento e às acusações de Moro. “Eu só quero rebater uma questão do senhor Sergio Moro. Primeiro, em nenhum momento eu pedi relatório de inquéritos. Isso é mentira deslavada por parte dele, mentira deslavada. Tenho até vergonha de falar isso daqui”, afirmou. “Ele disse que eu pedi [relatórios secretos] numa reunião de ministros. Uma reunião de ministros. Ia pedir algo ilegal? Não peço ilegal nem individualmente, que dirá em forma coletiva”.

A troca do superintendente da Polícia Federal do Rio de Janeiro não é a única polémica relativa a nomeações que envolve Bolsonaro.

Esta terça-feira, o Presidente brasileiro reconduziu o maestro Dante Manovani para o cargo de presidente da Fundação Nacional de Arte, depois de este ter sido demitido por Regina Duarte, que comanda a Secretaria da Cultura. Em causa estava uma associação feita por Mantovani em março, ao ligar o rock ao aborto, ao satanismo e às drogas.

Regina Duarte terá sido “desautorizada” e apanhada de surpresa pela recondução, segundo a imprensa brasileira.

ZAP // Lusa

PARTILHAR

8 COMENTÁRIOS

  1. A Era da Estupidez… O grande fenómeno do século 21 é a maioria das pessoas elegerem gente desta para os governar, em vez de pessoas normais e decentes. Dizem que os políticos reflectem a mentalidade e a cultura de um povo. Mas então que povo é o Brasileiro para eleger um animal destes???

    • Animal por animal. tu não podes falar do que não sabes e zurra o quanto queiras. acabou a mamata da esquerdalhada. Limpeza geral! E vê se ao menos consegues pôr um neurónio a trabalhar

      • Tanta agressividade. Não consegue fundamentar sem agredir verbalmente. Só denota a pouca capacidade de raciocínio que possui, aliás coincidente com a nacionalidade.

    • Eu percebo o ponto de vista. Basta atentar um pouco pelo mundo e constatamos que temos Bolsonaros, Trumps, o artista das Filipanas, o Maduro, o Putin, o do México, o da Bielo-Rússia, o Sócrates, o Costa…
      É de perguntar como é que isto é possível? Mas é, infelizmente. E a democracia não pode ser um dia boa e no dia seguinte má. A questão que eu coloco, há muitos anos, é se todas as pessoas deveriam votar. E, pessoalmente, acho que não. Muitas pessoas não fazem a mínima ideia do que estão a fazer quanto estão a votar. Eu até já vi na televisão uma senhora que depois de ter estado a falar com o Paulo Morais do Movimento NÓS qq coisa, disse à entrevistadora no final que ia votar nele porque ele queria ir trabalhar para a NOS (operadora)!!!
      E os brasileiros também não tinham muito por onde escolher. Entre um bando de ladrões e um maluco… ficaram-se pelo maluco. Já tinham experimentado o gangue e nada ganharam com ele. Bem pelo contrário.

  2. É uma vergonha para o Brasil ter um presidente desta estirpe. Homem incapaz, boçal, grosseiro, inculto e mais do que “despreparado”, uma absoluta nulidade. Ou os brasileiros emendam a mão ou correm o risco de ficarem a ser conhecidos também como um povo besta. A Regina Duarte pode ter muito jeito para ser a cabritinha do Sôzinho Malta, mas falta-lhe muita massa cinzenta.

    • O analfabeto, ladrão, cachaceiro, mijão e tudo o mais de ruim, deve ser o seu ídolo, mas infelizmente para os filhos da educação do Paulo freire, detestam um HOMEM ÍNTEGRO, HONESTO, SÉRIO e que não compactua com ladrões nem políticos corruptos. BOLSONARO 2022 e +

      • Que tal comprar um bilhete de avião de uma só ida para o maravilhoso País e apoiar de mais perto este lamentável “Presidente”, que de Presidente, com os qualificativos que lhe atribui, só o titulo tem ????…….vá coragem , dé o exemplo !

      • Nem tenho ídolos no Brasil, além de admiração por Caetano Veloso, Maria Bethânia, Gilberto Gil e alguns poucos mais. O que queria mesmo era que o grande Brasil tivesse uma pessoa decente na Presidência, que representasse com alguma dignidade o povo brasileiro porque nenhum povo por pior que seja merece ter um Presidente como aquela absoluta vergonha, uma total nulidade que dá pelo nome de Bolsonaro.

RESPONDER

EMA aprova uso da vacina da Moderna para jovens entre os 12 e 17 anos

A Agência Europeia do Medicamento (EMA) aprovou, esta sexta-feira, a administração da vacina da Moderna em jovens dos 12 aos 17 anos. Foi aprovada a administração da vacina da Moderna para jovens menores de idade. A …

Dizer que MAI autorizou festejos do Sporting é "delírio"

Esta sexta-feira, no Funchal, o ministro da Administração Interna, Eduardo Cabrita, voltou a distanciar-se do modelo adotado pelo Sporting para os festejos do campeonato. Os festejos do Sporting, do passado dia 11 de maio, não cumpriram …

"Não tem emenda." PSD e Bloco de Esquerda criticam relatório do Novo Banco

O Bloco de Esquerda defende que a versão entregue do relatório da comissão do Novo Banco, redigida por um deputado do PS, tem uma "parcialidade evidente" a favor do Governo. O PSD diz que "não …

Frederico Morais falha Jogos Olímpicos. Testou positivo à covid-19

O português Frederico Morais vai falhar a estreia do surf nos Jogos Olímpicos Tóquio2020, por estar infetado pelo novo coronavírus, informou esta sexta-feira o Comité Olímpico de Portugal (COP). O surfista natural de Cascais, de 29 …

Governo propõe que todas as freguesias possam ter pelo menos um autarca a meio tempo

O Governo aprovou uma proposta para que todas as freguesias do país possam ter um autarca a meio tempo independentemente da sua dimensão, anunciou esta sexta-feira a ministra da Modernização do Estado, que tutela as …

Espanha vai administrar terceira dose da vacina

Espanha anunciou esta sexta-feira que será administrada uma terceira dose da vacina contra a covid-19, embora ainda não haja data prevista. Carolina Darias, ministra da Saúde espanhola, anunciou esta sexta-feira que será administrada uma terceira dose …

Portugal com mais 3.794 casos de covid-19 e 16 mortes

Portugal registou, esta sexta-feira, 3.794 novos casos e 16 mortes na sequência da infeção por covid-19, de acordo com o boletim epidemiológico da Direção-Geral da Saúde (DGS). Segundo o último boletim da Direção-Geral da Saúde, o …

Deputada expulsa do parlamento britânico por chamar “mentiroso” a Boris Johnson

A deputada do Partido Trabalhista, Dawn Butler, foi esta quinta-feira expulsa da Câmara dos Comuns, a câmara baixa do Parlamento britânico, por chamar "mentiroso" ao primeiro-ministro, Boris Johnson. Butler foi expulsa pela presidente adjunta temporária, Judith …

UGT dispara contra o Governo. "Exemplo vem sempre de quem está no topo"

Numa carta aberta ao primeiro-ministro, a UGT criticou a atitude de vários ministros, a destruição de milhares de postos de trabalho durante a pandemia e alertou para a suspeita de existir cartelização entre os grandes …

Greve de fome de 470 pessoas em Bruxelas termina 60 dias depois

Em Bruxelas, mais de 470 pessoas deram por terminada uma greve de fome que durou dois meses. O governo belga disse que não pode ceder a chantagens e saudou a boa decisão. Nos últimos dois meses …