Ministro da Educação não explica ao Parlamento demissão de secretário de Estado

Mário Cruz / Lusa

O ministro da Educação, Tiago Brandão Rodrigues, na Comissão de Cultura, Comunicação, Juventude e Desporto

O ministro da Educação, Tiago Brandão Rodrigues, na Comissão de Cultura, Comunicação, Juventude e Desporto

Depois de uma audição de hora e meia, o ministro da Educação saiu do parlamento sem esclarecer os deputados do PSD e CDS sobre as razões da saída do ex-secretário de Estado do Desporto e Juventude.

Para o ministro Tiago Brandão Rodrigues na Comissão de Cultura, Comunicação, Juventude e Desporto, discutir o processo que levou João Wengorovius Meneses a abandonar, em abril, o cargo de secretário de Estado da Juventude e Desportoé um não assunto“, que não justificava uma audição.

No entanto, os deputados PSD e CDS defendem que o problema não é a demissão do ex-governante mas o facto de ter dito no Facebook que saía por estar “em profundo desacordo com o ministro da Educação”.

Para Tiago Brandão Rodrigues, o processo de saída decorreu “com muita normalidade” e, como tal, não avançou com explicações mais concretas: “A minha política é de causas e não de casos”.

Os deputados da oposição não aceitaram a justificação do ministro e voltaram a questioná-lo sobre as razões que levaram à saída do elemento da sua equipa.

As razões apontadas por Wengorovius Meneses foram “muito diferentes do habitual e bastante graves”, acabando por causar uma “saída estrondosa”, sublinhou o deputado do PSD, Cristóvão Simão Ribeiro, lembrando que o normal é falar em “vida particular ou pessoal”.

“O que é que se passou de tão grave para o senhor secretário de Estado proferir declarações desta natureza?”, questionou o deputado social-democrata, partido que apresentou o requerimento potestativo para a presença do ministro.

Para o CDS-PP, “não é normal dizer que se discorda com a linha política” quando o Governo tem menos de seis meses, lembrou João Almeida.

“Irei sempre interferir para que o programa do Governo seja cumprido juntamente com os secretários de Estado”, afirmou Tiago Brandão Rodrigues, sublinhando que o que aconteceu com o ex-secretário de Estado “são questões que acontecem no dia-a-dia dos partidos e do Governo”.

O ministro aproveitou para responder à letra  – ainda que indiretamente – à provocação de Pedro Passos Coelho, que o acusa de agir respondendo a interesses corporativos e não os da comunidade geral na questão dos contratos-associação: “A minha forma de estar na vida política é a transparência. Os meus interesses também são esses, os do bem público. São só o interesse público”, afirmou.

Na sua declaração final, o ministro voltou a defender que não existia qualquer assunto relevante relacionado com a saída do ex-secretário de Estado: “Agradeço a oportunidade de vir aqui discutir este não assunto“.

“Teatro parlamentar”

Os deputados do PS e do Bloco de Esquerda criticaram a importância dada pela direita a uma opinião publicada no facebook, com o BE a considerar que o PSD quer apenas “tirar nabos da púcara”.

Para Ana Ferreira, do PCP, os deputados decidiram “discutir um não assunto” com o objetivo de conseguir “tirar dividendos políticos”: “Para um fait-divers não contem com o PCP”, afirmou.

“O termo que mais descreve o PSD é pasmo: eu estou absolutamente pasmo com os adjetivos usados nesta casa”, concluiu Cristóvão Ribeiro.

No final, o deputado social-democrata Sérgio Azevedo tentou fazer um requerimento oral pedindo a audição do ex-secretário de Estado, mas o pedido foi recusado.

Em declarações aos jornalistas no final da audição, Cristóvão Simão Ribeiro considerou que os deputados de esquerda voltaram a “boicotar a ação fiscalizadora do parlamento”, tendo em conta a recusa em ouvir o ex-governante.

“O que assistimos foi a hora e meia de brincadeira perversa”, afirmou o deputado do PSD, que falou em “teatro parlamentar” onde o ministro respondeu “de forma bastante básica e limitou-se a um conjunto de graçolas”.

Durante a audição, o deputado Amadeu Albergaria, também do PSD, ainda tentou questionar o ministro sobre a polémica em torno dos contratos de associação estabelecidos com as escolas particulares e cooperativas, mas o pedido também foi recusado pela presidente da comissão.

ZAP / Lusa

PARTILHAR

4 COMENTÁRIOS

RESPONDER

Índia pode atingir os 600 milhões de casos de covid-19 em fevereiro, dizem especialistas

Mais de 600 milhões de indianos, mais da metade da população do país, provavelmente serão infetados com o novo coronavírus até fevereiro de 2021, segundo um painel de especialistas que aconselha o Governo do país. Segundo …

Ficheiro apreendido a Rui Pinto tinha número de telemóvel da procuradora

Um ficheiro de um dos dispositivos apreendidos ao criador do ‘Football Leaks’, Rui Pinto, contém o número de telemóvel da procuradora do Ministério Público (MP) envolvida no julgamento, Marta Viegas, confirmou a própria na 15.ª …

Rio anuncia vota contra no OE. "O PSD é mais responsável na oposição do que o PS no Governo"

O presidente do PSD anunciou esta quarta-feira o voto contra do partido na proposta de Orçamento do Estado para 2021, dizendo que esse é “o único voto coerente” e porque outra votação nem sequer “evitaria …

"A pandemia derrubou-me." "Pepe" Mujica, ex-Presidente do Uruguai, abandona a política

O ex-presidente uruguaio José "Pepe" Mujica disse que continuará a ser "conselheiro" dos companheiros de partido. José "Pepe" Mujica, ex-Presidente do Uruguai, renunciou esta terça-feira ao seu lugar no Senado e abandonou definitivamente a política ativa. …

Milhares de reclusos na Nigéria fugiram depois de invasões a prisões

De acordo com as autoridades nigerianas, cerca de 2000 presos fugiram de prisões na Nigéria, após os locais terem sido invadidos por multidões. Foi imposto um recolher obrigatório em resposta à agitação resultante de duas …

Manuel Maria Carrilho absolvido pela terceira vez do crime de violência doméstica

O ex-ministro Manuel Maria Carrilho foi esta quarta-feira novamente absolvido do caso de violência doméstica em que era suspeito de ter agredido a apresentadora de televisão Bárbara Guimarães. Em comunicado Manuel Maria Carrilho explica que o …

Maiores construtoras portuguesas juntam-se contra a "armada espanhola"

As duas maiores construtoras portuguesas, Mota-Engil e Teixeira Duarte, aliaram-se num consórcio, no âmbito de um concurso público lançado pela Infraestruturas de Portugal (IP), para tentar derrotar a concorrência espanhola. Habitualmente concorrentes na disputa pelas grandes …

Novo recorde: SNS24 recebeu mais de 23 mil chamadas só esta segunda-feira

O centro de contactos SNS24 bateu um novo recorde de atendimentos no dia 19 de outubro, com 23.373 chamadas atendidas, revelaram os Serviços Partilhados do Ministério da Saúde (SPMS) ao Público. Os picos de chamadas …

Israel descobre túnel escavado desde a Faixa de Gaza

"O túnel, com várias dezenas de metros de comprimento, foi escavado em Khan Younès, no sul da Faixa de Gaza, e entra no território israelita", afirmou o porta-voz do exército, Jonathan Conricus, durante uma conferência …

Lei aprovada no Parlamento pretende facilitar prescrições de multas a partidos políticos

O projeto foi aprovado na generalidade no Parlamento, e está em discussão na especialidade. A Entidade das Contas e Financiamentos Políticos (ECFP) teme os efeitos da nova legislação sobre as prescrições de multas a partidos …