Mina de urânio da era da Guerra Fria continua a causar cancro a índias Navajo

Várias índias Navajo continuam a sofrer as consequências de uma mina de urânio a céu aberto da altura da Guerra Fria. Cancro e insuficiência renal são algumas das mazelas associadas.

Os Navajo são um povo indígena que vive no Novo México, nos Estados Unidos. Este é um Estado que foi palco de muitas das ambições nucleares do Governo americano: foi onde se testou a primeira bomba atómica e onde foram exploradas várias minas de urânio nos anos 50.

Décadas depois, a tribo Navajo continua a sofrer com as consequências da radioatividade. A Universidade do Novo México divulgou uma investigação que indica que das 781 mulheres Navajo analisadas, 26% tinham uma concentração de urânio elevada. Também os seus bebés continuaram a estar expostos um ano depois de nascerem, apesar de a mina ter encerrado há mais de 20 anos.

“Isto obriga-nos a reconhecer os prejuízos associados a uma sociedade orientada para a energia nuclear”, disse a deputada Deb Haaland, citada pela Associated Press.

“O Governo é injusto connosco”, diz Leslie Begay, antiga mineira de urânio e membro da tribo Navajo. “O Governo não reconhece que construímos a sua liberdade”, acrescentou.

Begay é obrigada a transportar um tanque de oxigénio consigo, continuar a sofrer mazelas dos seus dias como mineira, mesmo que já tenha abandonado o ofício há vários anos. Os pulmões são o principal problema. Segundo o All That’s Interesting, a mina de céu aberto de urânio em Laguna Pueblo fez com que os níveis de radiação também afetassem a sua família, que vivia nas redondezas.

A tribo Navajo tem mais de 250 mil pessoas e está espalhada por vários Estados norte-americanos. Cerca de 70 mil quilómetros quadrados do seu território era ocupado por estas minas. De lá foram retirados pelo menos 4 milhões de toneladas de urânio para produzir armamento atómico.

Um relatório da rádio americana NPR contabiliza dezenas de mortes de índios Navajo por insuficiência renal e cancro — sintomas típicos da contaminação por urânio.

“Quando se fazia a mineração, havia umas piscinas que se enchiam até cima. E todas as crianças nadavam nelas. E o meu pai também“, contou Maria Welch, investigadora no Southwest Research Information Center e membro de tribo Navajo. Além disso, o gado também bebia água destas chamadas “piscinas”.

Apesar das trágicas consequências, há ainda quem insista que estas minas deveriam de ser reabertas e exploradas novamente como no passado. Como tal, vários ativistas se têm manifestado contra isto.

ZAP //

PARTILHAR

4 COMENTÁRIOS

    • Caro leitor,
      Segundo as nossas fontes, as minas cobrem 27.000 milhas quadradas no Arizona, Utah e Novo México. O que se traduz por, sensivelmente, 70.000 quilómetros quadrados.

RESPONDER

Descobertas rochas brilhantes no lado oculto da Lua

O veículo lunar chinês Yutu-2 encontrou "rochas brilhantes" relativamente jovens durante as suas expedições de exploração no lado oculto da Lua. De acordo com o portal de divulgação científica Our Space (de língua chinesa), citado …

A famosa estrela Betelgeuse está a recuperar o seu brilho

Novas observações revelaram que a famosa estrela Betelgeuse, cujo brilho diminuiu de forma inexplicável desde outubro, está a conseguir reverter este efeito de escurecimento, recuperando o seu brilho.  A estrela, uma super-gigante vermelha pertencente à …

Sardenha vai cobrar entrada em praia invadida por turistas

Sardenha, em Itália, quer limitar a entrada de turistas numa das suas famosas praias, La Pelosa. A praia vai ter lotação limitada e a entrada vai ser paga para maiores de 12 anos. As medidas de …

Se não quer que a Alexa e a Siri ouçam a sua vida privada, basta usar uma "pulseira do silêncio"

Uma equipa de professores de ciência da computação da Universidade de Chicago inventou uma pulseira especial que interfere com todos os microfones próximos, incluindo os dos altifalantes e assistentes inteligentes. As câmaras de segurança e altifalantes …

Algoritmo analisa textos de Edgar Allan Poe e indica que autor pode não ter cometido suicídio

Através de um algoritmo que identifica marcadores linguísticos de depressão e cognição suicida, investigadores norte-americanos que o escritor Edgar Allan Poe pode não ter cometido suicídio. Nesta análise, investigadores da Universidade do Texas, nos Estados Unidos …

Mudanças climáticas estão a secar um rio que fornece água a milhões de pessoas nos Estados Unidos

As mudanças climáticas reduziram drasticamente o fluxo do rio Colorado, nos Estados Unidos, deixando em risco o abastecimento de cerca de 40 milhões de pessoas e milhões de hectares de terrenos agrícolas. O alerta consta …

Trump vai vender helicópteros militares à Índia no valor de 2,7 mil milhões de euros

O Presidente dos Estados Unidos (EUA), Donald Trump, anunciou na segunda-feira que vai vender helicópteros militares à Índia no valor de 2,7 mil milhões de euros, à chegada à cidade de Ahmedabad, para uma visita …

Vale e Azevedo livre de processo de desvio de fundos do Benfica

O Tribunal Judicial de Lisboa declarou a prescrição do processo em que o antigo presidente do Benfica João Vale e Azevedo era acusado de ter desviado dinheiro do clube. O Tribunal Judicial de Lisboa declarou, na …

O Pentágono acabou de simular uma guerra nuclear com a Rússia

O Pentágono realizou um exercício de treino na semana passada, no qual simulou uma guerra nuclear com a Rússia. Apesar de ser comum passar por conflitos simulados, é incomum divulgá-los.  De acordo com a National Defense …

Novo passaporte britânico é desenhado em França e feito na Polónia

A ministra do Interior britânica, Priti Patel, apresentou no sábado os novos passaportes. Começam a ser emitidos em março e recuperam a cor azul que tinham antes de 1988, quando o Reino Unido se juntou …