Militares da GNR feridos em Mourão “foram abandonados no meio do incêndio”

Paulo Cunha / Lusa

Nesta segunda-feira, cinco militares da GNR ficaram feridos num incêndio rural em Évora, em circunstâncias ainda não conhecidas. O representante dos militares da GNR diz que a situação tem de ser “muito bem explicada”, afirmando que os militares foram “abandonados” no meio das chamas.

O vice-presidente Associação Sócio-Profissional Independente da Guarda (ASPIG), Adolfo Clérigo, disse, em declarações à TSF, que vai ser necessário explicar muito bem o que se passou no incêndio que feriu cinco militares em Mourão, três dos quais em estado grave.

Adolfo Clérigo, também ele militar do Grupo de Intervenção de Proteção e Socorro (GIPS) da GNR, revelou que foram contrariadas as regras básicas.

“Nunca tinha acontecido um comandante largar ou ‘despejar’ os homens no terreno e não voltar a aparecer. Eles tiveram de literalmente correr enquanto conseguiram porque ficaram entregues à sua sorte. Foram largados e abandonados no meio do incêndio”, frisou Afonso Clérigo à TSF.

O vice-presidente da Associação cita relatos de populares e de militares que estiveram próximos da operação em Mourão e sublinha que o comandante do helicóptero vai ter de explicar “muito bem” o que o levou a deixar os militares sozinhos. Com isto, o comandante deixou-os sozinhos na cabeça de incêndio, contrariando “todas as práticas” utilizadas neste tipo de operações.

Para Adolfo Clérigo, se as regras tivessem sido cumpridas os homens não teriam sido apanhados de surpresa pelo fogo, pois “não é possível colocar os militares em frente ao fogo e ficar à espera dele”, afirmou.

A empresa de meios aéreos que alugou o helicóptero ao Estado, citada pela RTP, garante que a decisão de sair do local foi do chefe da brigada dos cinco militares colocados no terreno. No relatório, o piloto garante que alertou os militares para o avanço das chamas, mas que foram estes que decidiram continuar a combater o fogo em terra.

As explicações deverão agora ser dadas pelo inquérito já anunciado nesta terça-feira pelo Ministério da Administração Interna.

MAI abriu inquérito

Face ao incidente, o ministro da Administração Interna (MAI) determinou a abertura, pela Inspeção-Geral da Administração Interna, de um inquérito para apurar as circunstâncias em que ocorreu o acidente que envolveu os militares da GNR.

O ministro Eduardo Cabrita quer saber em que circunstâncias ocorreu o acidente que feriu os militares.

O incêndio rural, numa área de pasto, deflagrou na segunda-feira à tarde, no Monte do Canhão, no concelho de Mourão, e foi considerado dominado às 18h57. No combate às chamas estiveram envolvidos 74 operacionais, apoiados por 25 viaturas e cinco meios aéreos, segundo a ANPC.

Destes operacionais, cinco elementos do GIPS da GNR sofreram queimaduras na sequência do combate às chamas. Dos feridos, todos do sexo masculino, com idades entre os 30 e 39 anos, três sofreram queimaduras graves, enquanto os outros dois “foram assistidos no local e não necessitaram de mais cuidados”, revelou à Lusa o INEM.

Um deles foi encaminhado para os Hospitais Universitários de Coimbra, outro para o Hospital de S. João, no Porto, e outro para Hospital de S. José, em Lisboa. Todos ficaram feridos com gravidade, mas não correm risco de vida.

ZAP // Lusa

PARTILHAR

4 COMENTÁRIOS

  1. Simples,
    O SIRESP grava as comunicacoes na rede, e so consultar e ja se sabe ao certo se as afirmacoes do piloto estao correctas!!!!!

  2. Engraçado, no incendio em que ficou conhecida uma situaçao como (estrada da morte) pelo que se soube foi a GNR que encaminhou os populares por essa via a qual veio resultar numa das maiores tragedias em incendios de que á conhecimento o MAI ficou em silencio, o ministerio publico ficou em silencio, o governo estava de ferias…e como ja algume um dia disse “ a culpa nao morre solteira”….

  3. No caso dos GNR creio que trabalham com poucos meios e neste caso largados por um helicóptero nem sequer água teriam por perto apenas talvez uns paus com uma espécie de tecido para bater as chamas, largá-los isolados nestas situações penso que é irresponsabilidade a mais e total falta de conhecimento se foi assim de facto que as coisas aconteceram.

"Não pôr o dedo no nariz". Livro medieval ensinava as regras de etiqueta às crianças do século XV

Um livro de boas maneiras do século XV, digitalizado recentemente pela Biblioteca Britânica, está cheio de regras de etiqueta que não são muito diferentes das de hoje. O manuscrito chama-se "The Lytille Childrenes Lytil Boke", as …

Abanca pagou menos de 250 milhões pelo EuroBic

O Abanca ofereceu menos de 250 milhões de euros por 95% do EuroBic, segundo avança o Jornal Económico, o que significa que o banco espanhol avaliou o EuroBic ligeiramente abaixo do múltiplo a que transaciona …

Alegado escritor-fantasma confessa que recebeu pagamentos de Sócrates

Domingos Farinho, alegado escritor-fantasma do livro de José Sócrates "A Confiança no Mundo", confessou que recebeu pagamentos do ex-primeiro-ministro através da RMF Consulting. No requerimento de abertura de instrução que apresentou em janeiro de 2020, o …

Os cavalos perdem quatro dedos no útero

Os cavalos têm apenas um dedo em cada pata, sendo os cascos o equivalente à falange dos nossos dedos médios. No entanto, os seus ancestrais tinham mais dedos em cada pata, variando entre três e …

"Década perdida". Novo Banco com prejuízos de 1.058,8 milhões em 2019

O presidente executivo do Novo Banco disse esta sexta-feira que os últimos dez anos foram uma "década perdida" para a empresa que começou por ser BES e passou em 2014 a Novo Banco, mas …

Estados Unidos assinam acordo de paz com os talibãs no Afeganistão

O presidente norte-americano, Donald Trump, pediu esta sexta-feira aos afegãos para "aproveitar a oportunidade de paz", ao abrigo do acordo de paz que os Estados Unidos vão assinar no sábado com os rebeldes talibãs. A …

Portugal poderá ter um milhão de infetados (e ser decretada quarentena obrigatória)

A diretora-geral da Saúde, Graça Freitas, admite que poderá haver um milhão de portugueses infetados pelo Covid-19, 21.000 na semana mais crítica, assegurando que as autoridades de saúde estão a preparar-se para esta possibilidade. “Estamos a …

Descobertos na Sibéria vestígios do Evento de Tunguska, um dos maiores impactos na Terra

Um grupo de investigadores russos que investigam o fenómeno de Tunguska de 1908, o maior impacto terrestre registado na história moderna, descobriu camadas em sedimentos locais que podem conter substâncias de origem extraterrestre. A 30 de …

Exoplaneta gigante pode ter as condições ideais para abrigar vida

Uma equipa de cientistas da Universidade de Cambridge, no Reino Unido, descobriu que o enorme exoplaneta K2-18b - tem duas vezes o tamanho da Terra - pode reunir as condições ideais para abrigar vida. Depois de …

A Terra pode ter uma nova (e temporária) mini-lua

A Terra pode ter um novo vizinho, ainda que temporário. Astrónomos do Catalina Sky Survey, programa financiado pela NASA, acreditam ter identificado um asteróide que ficou preso na gravidade da Terra - pode ser a …