No México, está-se proibir a venda de “junk food” aos jovens. A culpa é da covid-19

Vários estados mexicanos estão a impor uma proibição de venda de “junk food” a menores de 18 anos. A pandemia de covid-19 deixou o México preocupado com os problemas cardíacos a que este tipo de dieta leva.

“Junk food” é o termo inglês para caracterizar toda a comida não saudável, como guloseimas, chocolates, refrigerantes ou hambúrgueres. Este tipo de comida não é recomendável para ninguém, mas especialmente não é aconselhável para crianças e jovens, que são os seus principais consumidores. No México, há quem esteja decidido a fazer algo em relação a isto.

Alguns estados mexicanos estão a proibir a venda de “junk food” a menores de 18 anos. Oaxaca deu o exemplo e, no dia 5 de agosto, foi o primeiro estado a proibir a venda de produtos embalados com alto teor calórico e bebidas açucaradas para menores de idade.

Um par de semanas depois, Tabasco também aprovou a proibição. Agora, há mais uma dúzia de estados a seguir o mesmo caminho e a ponderar implementar esta proibição, escreve a NPR.

“Eu sei que pode soar um pouco drástico, mas tivemos que agir agora”, disse Magaly López, uma legisladora do Congresso de Oaxaca que comandou o movimento da proibição.

Curiosamente, em causa está a covid-19. Ao todo já morreram mais 70 mil mexicanos devido ao novo coronavírus. Dois terços deles morreram com condições de saúde pré-existentes, como obesidade, diabetes, hipertensão e outros problemas cardiovasculares.

Como tal, mudar a dieta dos mais jovens é uma necessidade urgente. Segundo a UNICEF, um em cada três mexicanos com idades entre os seis e os 19 anos têm excesso de peso ou obesidade.

“Os danos deste tipo de dieta são ainda mais visíveis por causa da pandemia”, disse López, que é membro do partido Morena do presidente Andrés Manuel López Obrador.

O secretário adjunto da Saúde, Hugo López-Gatell, chamou aos refrigerantes de “veneno engarrafado”. Na sua ótica, o problema de obesidade da população não é culpa das pessoas, é “deste ambiente nutricional que foi desenvolvido para favorecer esses produtos [junk food] em vez da saúde”.

Magaly López diz que implementar esta proibição a nível nacional não será fácil. “Existem interesses comerciais poderosos que não querem que isso aconteça, mas devemos priorizar o bem-estar dos nossos filhos”, diz a especialista.

ZAP //

PARTILHAR

2 COMENTÁRIOS

  1. Agora continuem a dizer que o México é um país subdesenvolvido e que a América é a mentora da humanidade. O muro que o Trump anda a construir (e que já começou a ruir, devido à corrupção,) devia servir, apenas, para que as companhias causadoras destas doenças, como a McDonald a Coca cola e outras não exportassem os seus produtos geradores de doença. A medida tomada pelo governo mexicano não é totalmente razoável. Se está provado que a fast food prejudica a saúde das pessoas ela devia pura e simplesmente ser proibida!

RESPONDER

Homicídio com 32 anos resolvido com a menor amostra de ADN de sempre

Um caso de homicídio ocorrido há 32 anos, que muitos consideraram impossível de ser resolvido, foi finalmente desvendado (e tudo graças à amostra de ADN mais pequena de sempre usada para decifrar um caso). De acordo …

Braços robóticos controlados remotamente podem vir a realizar cirurgias delicadas

Um equipa de investigadores está a trabalhar para eliminar movimentos rígidos nos braços robóticos, de modo a torná-los mais ágeis. O objetivo é que no futuro estes possam empilhar pratos ou até realizar cirurgias delicadas. Os …

Alemão foi forçado a remover estátua do pai por esta se parecer com Hitler

Um alemão foi obrigado a retirar uma figura de madeira de um cemitério, que seria para homenagear o seu falecido pai, por ter semelhanças com o antigo ditador nazi. As autoridades do município de Weil im …

Podcast evita morte de um condenado (seis vezes)

Curtis Flowers foi julgado seis vezes pelo mesmo promotor de justiça. Um programa de investigação mudou o seu destino. O promotor continua a acreditar que Curtis é culpado. A própria equipa responsável pelo 60 Minutes, programa …

EUA venderam álbum único dos Wu-Tang Clan (que pertencia a Martin Shkreli)

O álbum do grupo Wu-Tang Clan, confiscado em 2018 ao antigo gestor de fundos Martin Shkreli, também conhecido como "o empresário mais odiado do mundo", foi agora vendido pelo Governo norte-americano. Num comunicado divulgado esta terça-feira, …

Bezos ofereceu 1,7 mil milhões de euros à NASA para entrar na corrida da próxima viagem à Lua

O empresário norte-americano ofereceu 1,7 mil milhões de euros à NASA numa tentativa de reacender a batalha espacial entre a sua empresa, a Blue Origin, e a do "rival" Elon Musk, a SpaceX. De acordo com …

Clientes com certificado digital válido impedidos de entrar em restaurantes

Estão a ser reportados vários casos de clientes que, ao apresentarem o certificado digital para poderem entrar num restaurante, não conseguem fazê-lo porque o documento está a ser considerado inválido pelos dispositivos eletrónicos. Segundo a rádio …

Covid-19 trouxe "paranoia" ao mercado

Diretor do Norwich City, da Premier League, acha que os responsáveis por alguns clubes não sabem bem o que estão a fazer nos últimos tempos. O Norwich City iria jogar contra o Coventry City, num encontro …

Israel cria "task force" para reverter boicote da Ben & Jerry's na Cisjordânia

Israel criou uma task force para pressionar a empresa de gelados norte-americana Ben & Jerry's e a sua proprietária, Unilever, a reverterem a decisão de boicotar a ocupação israelita na Cisjordânia. "Precisamos de aproveitar os 18 …

Violência armada. 430 mortos na última semana nos EUA e 2021 pode ser dos piores anos de sempre

Só na semana passada registaram-se cerca de 430 mortos e mais de 1000 feridos associados a tiroteios, num ano que está a ser marcado pelo aumento da violência armada nos Estados Unidos. O ano passado foi …