Evidências mostram qual a melhor forma de travar a Covid-19

Franck Robichon / EPA

O novo surto de coronavírus (Covid-19) está espalhar-se rapidamente, mas a um ritmo diferente nos vários países. Uma variedade de respostas de emergência e estratégias políticas foram implementadas com diferentes resultados até agora.

Os países e territórios asiáticos que foram atingidos pela primeira vez pelo surto basearam-se em respostas a epidemias anteriores, como a SARS. Outros países estão a aprender com isso, mas também a adotar as suas próprias estratégias.

É possível que não exista uma estratégia ideal que funcione para todos, pois as medidas terão resultados distintos em países com diferentes sistemas políticos e de saúde, normas sociais ou procedimentos operacionais. Também parece haver uma falta de consenso entre vários especialistas e governos sobre o que funcionará melhor, em parte graças às evidências limitadas. No entanto, houve uma série de novos estudos que nos dão algumas indicações.

Novo coronavírus não é uma arma biológica criada em laboratório, provam cientistas

Uma das primeiras medidas que muitos países estão a implementar para impedir a chegada do vírus, mas também para limitar a sua propagação, é proibir as viagens. Um estudo sobre restrições na Itália mostrou que reduziram as viagens em 50% nas regiões afetadas após três semanas.

Uma análise global que modelou como as restrições de viagens afetaram a transmissão revelou que a proibição de viagens em Wuhan atrasou a inevitável progressão da epidemia em apenas três a cinco dias na China continental. Contudo, as restrições de viagens foram eficazes na redução da transmissão internacional em quase 80%, sugerindo que essas proibições podem ser eficazes quando combinadas com outras intervenções.

Distanciamento social

Uma estratégia que parece ser eficaz para interromper a transmissão do vírus é o distanciamento social, minimizando o contacto social, limitando os ajuntamentos públicos e levando as pessoas a ficar nas suas casas, a menos que necessário. Vimos evidências disso na desaceleração de novos casos na China e na Coreia do Sul, bem como no número relativamente baixo de casos em Hong Kong, Singapura e Taiwan.

Os países europeus aprenderam as lições difíceis com a rápida disseminação do vírus em Itália e estão a implementar medidas de distanciamento social nos primeiros estágios do surto. Mas há debates em andamento sobre se o distanciamento social deve ser incentivado ou imposto, e se o isolamento social deve ser aplicado a toda a população ou só aos grupos de maior risco.

Estas opções refletem duas abordagens principais: mitigação e supressão. Estas foram modeladas num relatório pelos cientistas do Imperial College de Londres, aconselhando o Governo do Reino Unido na sua abordagem. O objetivo da mitigação é atrasar a propagação da infeção para evitar um grande pico na procura de assistência médica que possa sobrecarregar o sistema de saúde.

A supressão, por sua vez, consiste em interromper a progressão da pandemia num período mais curto, mantendo o número total de casos muito baixo. Envolve um distanciamento social mais extenso, mesmo entre aqueles com baixo risco da doença, proibindo ajuntamentos públicos e potencialmente fechando escolas e outros locais públicos. Isto pode ser feito de forma voluntária ou com uma quarentena forçada, como foi implementado em partes da China com um resultado positivo.

Mas há outros fatores a serem tidos em consideração além do efeito sobre a propagação da doença. As mulheres podem ser mais vulneráveis à infeção, uma vez que compõem a maior parte da força de trabalho na saúde. O fecho das escolas pode forçar os profissionais de saúde e outro pessoal essencial a ficar em casa para cuidar dos seus filhos. Filhos de famílias de baixos rendimentos não terão os mesmos recursos.

As quarentenas podem desencadear ou agravar problemas de saúde mental. Pessoas que vivem com depressão e ansiedade vão sofrer com a falta do contacto social e da psicoterapia. Os agregados familiares idosos vão ser isolados. As vítimas de violência doméstica vão ser confinadas ao mesmo espaço que os seus agressores.

Evidências da China sugerem que a supressão é possível a curto prazo sem um aumento maciço de casos após o levantamento das medidas. Resta saber qual deve ser a duração ideal da quarentena e se é possível que as medidas de supressão funcionem de forma consistente.

É possível seguir uma estratégia combinada de distanciamento social intermitente, guiada por mudanças na propagação da doença. Isto envolve acalmar as restrições por períodos curtos e observar o efeito. Se o número de casos recuperar, é necessário reintroduzir as medidas de supressão.

Isto poderia ajudar a impedir que as pessoas fiquem tão psicologicamente cansadas pelas restrições que começam a ignorá-las, embora os cientistas comportamentais tenham argumentado que não há evidências que sustentem este problema.

Testar

Um elemento final sugerido pelo sucesso da Coreia do Sul em limitar a propagação da doença é o teste de casos suspeitos. As evidências de um dos grupos iniciais de Covid-19 em Itália apoiam a ideia de que testes generalizados, juntamente com pacientes em quarentena, podem reduzir significativamente o número de pessoas infetadas e interromper a progressão da doença.

Sem descobrir quem tem a doença e garantir que eles se isolem, é muito mais difícil quebrar a cadeia de infeção. A Organização Mundial da Saúde está a incentivar testes generalizados, mas muitos cientistas discordam, porque testar todos é desnecessário, pode induzir pânico e levanta a questão de como aconselhar os pacientes sobre os seus resultados.

Também há escassez de kits de teste nalguns países e as capacidades de triagem estão no limite em países com muitos casos. Isto não apenas dificulta a interrupção da propagação da doença, mas também significa evidências menos precisas sobre se as medidas estão a funcionar.

PARTILHAR

RESPONDER

Há falhas no sistema que regista casos de covid-19. A "esmagadora maioria" não vai ser notificada

O sistema que regista os casos de covid-19 em Portugal é "um pesadelo burocrático", denunciam os infecciologistas. A "esmagadora maioria" dos casos vai acabar por não ser notificada, acrescentam. O problema tornou-se público quando a Direção-Geral …

Mais de 3600 empresas já pediram acesso ao lay-off simplificado

O Governo já recebeu 3600 pedidos de empresas para aderirem ao regime lay-off lançado na semana passada, disse, esta terça-feira, a ministra do Trabalho e da Segurança Social. Ana Mendes Godinho, que falava aos jornalistas no …

Em tempos de crise, os emprestados podem ser a solução do Benfica

Bruno Varela, Cristián Lema, Filip Krovinovic, Gedson Fernandes e Diogo Gonçalves são hipóteses que Bruno Lage tem a seu dispor para regressar dos empréstimos. A suspensão das competições desportivas deixa muitos clubes entre a espada e …

Trump muda de discurso. Próximas duas semanas serão "dolorosas" e podem morrer 100 mil pessoas

Esta terça-feira, o Presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, falou ao país com um discurso mudado, mais pessimista e alarmista. Com o número de doentes infetados com covid-19 nos Estados Unidos a superar os 187 mil …

Autódromo do Algarve já pode receber corridas de Fórmula 1

Pista de Portimão deverá receber ainda este ano testes privados de uma das equipas do pelotão da Fórmula 1 e pretende candidatar-se a receber os testes de inverno a partir de 2021. O Autódromo Internacional do …

Medidas de contenção já salvaram 120 mil pessoas na Europa

As medidas de contenção adotadas por vários países europeus salvaram a vida de cerca de 120 mil pessoas na Europa, revela um novo relatório de investigadores britânicos. Um estudo do Imperial College London revela que as …

Ronaldo pode regressar a Manchester. PSG também está na corrida

O Manchester United pondera trazer Cristiano Ronaldo de volta ao clube. O internacional português também está a ser seguido atentamente pelo Paris Saint-Germain. Com a Juventus a enfrentar problemas financeiros devido à pandemia de covid-19, o …

Presidente da República prepara-se para renovar estado de emergência

O Presidente da República decide, esta quarta-feira, sobre o prolongamento do estado de emergência por novo período de 15 dias, com parecer do Governo que reunirá o Conselho de Ministros para esse efeito. A reunião do …

Fisco não se compromete com reembolsos rápidos do IRS

O prazo de entrega da declaração de IRS relativa a 2019 arranca esta quarta-feira e prolonga-se até 30 de junho. Neste momento, a Autoridade Tributária e Aduaneira não se compromete com reembolsos rápidos. De acordo com …

ASAE abre processos crime por preços de álcool, luvas e máscaras inflacionados em 400%

A Autoridade de Segurança Alimentar e Económica (ASAE) abriu nove processos crime após encontrar situações em que os preços praticados de álcool, luvas e máscaras estavam inflacionados em 300% ou 400%. Estes são produtos maioritariamente usados …