Braço-de-ferro por meios aéreos pode fazer disparar fatura do Estado

Nuno André Ferreira / Lusa

Helicóptero Kamov Ka-32A-11BC da frota da Protecção Civil no combate a um incêndio

O Governo disponibilizou 60 milhões de euros para investir em meios aéreos, mas as empresas pediram 130. A 3 meses do verão, o Governo ainda não conseguiu alugar aeronaves para o combate aos fogos em 2018.

O Governo lançou um concurso público para alugar 50 aeronaves para o combate aos incêndios de 2018. Apenas 10 foram alugadas, mas não foi por falta de concorrentes.

De acordo com a TSF, que cita um relatório da Secretaria Geral da Administração Interna, três empresas fizeram questão de apresentar propostas, sabendo de antemão, que iriam perder. Uma atitude que, considera a Proteção Civil, é rara em concursos públicos.

O objetivo era mostrar ao Governo que o preço que propunham – os 60 milhões – estava bastante abaixo dos 130 que as empresas consideravam razoável.

As empresas garantem que quiseram marcar uma posição de força mostrando ao Governo que o preço que este estava a oferecer fica  cerca de 40% abaixo do praticado no passado, num negócio onde afirmam que as margens rondam os 10%. Ou seja, teriam prejuízo.

Dos 10 lotes em jogo, em quatro a proposta mais baixa recebida ronda o dobro do máximo pedido pelo Estado, e em duas o quádruplo.

Fazendo as contas, o Governo queria gastar 60 milhões de euros, mas a soma de todas as propostas mais baixas ultrapassa os 130 milhões de euros – e ainda falta um lote que não teve qualquer proposta.

Se o próximo concurso – de caráter urgente, já aprovado pelo Governo -, não tiver sucesso, o Executivo já admitiu recorrer a ajustes diretos. Mas fontes das empresas de aluguer de meios aéreos admitem que este atraso arrisca colocar em causa o plano para enfrentar os fogos em 2018.

A TSF sublinha que a quantidade de aviões e helicópteros pretendida pelo Estado português não existe em território nacional, e as empresas que aqui voam têm de os ir buscar a Alemanha e França.

Portugal vai ser o último a alugar os helicópteros e aviões, encarecendo o preço das aeronaves mas também dos pilotos, sendo que, em certos casos, as máquinas e pilotos pretendidos podem já nem existir nos mercados internacionais.

O que falhou?

Empresários que alugam meios aéreos dizem não se lembrar de um ano com tanto atraso na contratação destes meios. E o principal problema, admitem, foi o preço muito abaixo do praticado no mercado.

O Governo aumentou as obrigações das empresas, exigindo que estivessem mais tempo disponíveis para voar (por exemplo, do nascer ao por do sol e não apenas 12 horas diárias, obrigando à contratação de mais pilotos no estrangeiro) e menos tempo em manutenção, descendo, em paralelo, muito, o preço pago.

Os empresários ouvidos pela TSF garantem que, com os valores propostos no concurso, teriam prejuízos.

No aluguer de aviões existiu um outro problema.

A Agro-Montiar foi a única empresa a apresentar propostas para os lotes 6 e 7 do concurso público (para alugar 6 aviões anfíbios médios) e até apresentou um preço igual ao máximo aceite pelo Estado.

No entanto, o problema surge quando a empresa faz questão de dizer que não conseguia cumprir um critério previsto, pela primeira vez, no concurso deste ano: usar um aditivo na água (conhecido como GEL) pois o produto pedido no caderno de encargo não está homologado para voar.

A Agro-Montiar diz mesmo que o aditivo pedido “nunca foi testado para mistura em voo por nenhum meio aéreo do mundo” e que, em Portugal, só existia num fornecedor, temendo-se que dispare o custo para a empresa e obrigando o Estado a pagar muito mais pelo aluguer dos aviões.

Quanto aos outros meios aéreos deste concurso, um terceiro lote para contratar duas aeronaves complementares ficou vazio, sem qualquer proposta.

Finalmente, um lote para alugar quatro anfíbios pesados teve uma única proposta: o Governo admitia pagar um máximo de 19,8 milhões, mas a única empresa que apareceu pediu 83 milhões, mais do que em todos os meios aéreos que o Estado quer contratar.

ZAP //

PARTILHAR

5 COMENTÁRIOS

  1. Não percebo. As empresas a mostrarem um posição de força num concurso público? Ao que chegámos neste país!? As empresas num concurso público apresentam as suas propostas e aguardam a decisão. Se não gostam não concorrem; agora vir fazer pressão é uma grande falta de ética (e um grande zelo pelo tacho).
    Este tipo de actuação por parte destas empresas já não é novo (tipo cartel), e o estado deve abrir os olhos. Há mais empresas no estrangeiro que fazem este serviço.

    • Os Kamovs são alugados pelo estado, não se entende é porque são operado por privados (ou talvez se entenda). PORQUE a FAP não tem meios aerios, PORQUE é que não são adaptados os meios da FAP ao combate aerio? Porque não se contrata meios do hemisferio Sul, já que no nosso verão eles basicamente estão por lá disponíveis???? só interrogações

  2. Alguem tira o antonio de costa de lá por alguem competente sff? Ate o defice q esta a ser pago com o turismo o homem quer estragar

  3. É apenas má gestão passageira: com as multas que vão sacar ao pagode, acabam por poder pargar muiot mais, e todos saem a ganhar… menos a malta que vier a ser multada…

RESPONDER

Nova Iorque pondera enterrar temporariamente vítimas de covid-19 em parques urbanos

As autoridades de Nova Iorque, nos Estados Unidos, ponderam utilizar parques urbanos locais para enterrar temporariamente vítimas da pandemia de covid-19, anunciou o presidente do comité de saúde do conselho da cidade, Mark Levine. "Em breve, …

Ações de Isabel dos Santos arrestadas na NOS ascendem a 422 milhões

O Tribunal Central de Instrução Criminal arrestou em março 26,07% das ações da NOS, controladas indiretamente por Isabel dos Santos. No total, as ações ascendem a 422 milhões de euros. Segundo o Jornal Económico, a ZOPT, …

Vem aí uma Super Lua Rosa. É a maior de 2020

Na noite desta terça-feira, vai ser possível observar a maior e mais brilhante Lua cheia do ano de 2020. Chama-se "Super Lua Rosa". As superluas ocorrem quando a Lua está a 90% da sua abordagem mais …

Grávidas sem covid-19 voltam a ter acompanhantes no Hospital de Santa Maria

A suspensão, que decorria desde há 2 semanas no Hospital de Santa Maria, foi levantada "a pensar nos enormes benefícios para as grávidas nesse momento único", devido à "introdução de colheitas sistemáticas do novo coronavírus". As …

Miranda Sarmento acusa ministro da Economia de ter faltado à verdade

Joaquim Miranda Sarmento considera que o ministro da Economia "disse duas coisas que não são verdade" ao comentar as 18 propostas apresentadas pelo PSD esta segunda-feira. Em entrevista à Rádio Observador, Joaquim Miranda Sarmento, Presidente do …

Hospital da Cruz Vermelha acusa Francisco George de pôr em risco sobrevivência da unidade

Clínicos do Hospital da Cruz Vermelha Portuguesa (HCVP) acusam Francisco George de estar a colocar em risco "a sobrevivência clínica e económica" daquela unidade de saúde de Lisboa. Mais de 50 clínicos do Hospital da Cruz …

André Ventura acredita que será reeleito

A demissão do líder do Chega deverá ser feita oficialmente esta semana, mas André Ventura acredita que será reeleito com o apoio das distritais, das regionais e dos militantes. O líder da distrital do Porto apresentou …

Primeira linha de crédito de 400 milhões de euros para empresas já esgotou

A primeira linha de crédito criada pelo Governo para apoiar empresas, no âmbito da crise desencadeada pela pandemia de covid-19, já esgotou. De acordo com o semanário Expresso, já não estão a ser aceites candidaturas para …

Recém-nascidos vão poder ser registados pela Internet

O registo de recém-nascidos vai poder ser feito através da plataforma digital dos Serviços da Justiça, de modo a evitar as saídas de casa. Os balcões "Nascer Cidadãos", que garantiam o registo de bebés após o …

Quase 30% dos brasileiros diz não fazer isolamento social

Quase um terço dos brasileiros não faz isolamento social para evitar a proliferação do novo coronavírus, responsável pela pandemia da covid-19, segundo uma sondagem divulgada pelo Instituto Datafolha. De acordo com os inquéritos feitos pelo Instituto …