Médicos sem especialização em cancro estão a avaliar medicamentos oncológicos

Há médicos que não são oncologistas a avaliar medicamentos para o cancro. O Infarmed defende que as avaliações são feitas por equipas que incluem sempre oncologistas.

O presidente do Conselho Regional Norte da Ordem dos Médicos, António Araújo, acusa o Infarmed de ter médicos sem especialização em oncologia a avaliar medicamentos para o cancro. O responsável da Ordem dos Médicos defende que esta é uma das razões que justifica a limitação do financiamento a novos medicamentos oncológicos por parte da ADSE.

António Araújo, que também ele é oncologista, diz conhecer vários doentes a quem foram recusados medicamentos inovadores, apesar de já terem sido aprovados pela Agência Europeia de Medicamentos. O problema alastra-se a vários tipos de cancro, segundo o médico.

“Nós temos uma série de pedidos da área oncológica que são avaliados por especialistas da área da medicina geral e familiar ou de urologia, que nada têm a ver com a área para a qual o medicamento está a ser pedido”, disse, explicando que é um problema preocupante, uma vez que “depois esses especialistas para não autorizar o pedido dão justificações que em nada nada se enquadram com a patologia“.

Contactado pela TSF, o Infarmed defende que as avaliações aos medicamentos inovadores são feitos por “equipas multidisciplinares”. Apesar de não desmentir que hajam médicos sem especialização em oncologia nestas equipas, garante que há sempre oncologistas.

Já na semana passada, a ministra da Saúde, Marta Temido, rejeitou esta que existam dificuldades no acesso a medicamentos inovadores por motivos financeiros em Portugal e remeteu para os peritos e técnicos um entendimento sobre os fármacos para o cancro.

“Não há qualquer restrição ao acesso à inovação por razões de natureza financeira, como casos recentes o mostram de uma forma clara e inequívoca”, afirmou Marta Temido, em declarações aos jornalistas, à margem de uma cerimónia da Direção-Geral da Saúde. “É eventualmente uma questão de divergência entre análises técnicas e clínicas que terão de ser dirimidas entre os próprios [peritos] com mais discussão e maior formulação”.

Também Nuno Miranda, perito da Comissão de Avaliação de Tecnologias de Saúde, realçou que na avaliação não é tido em conta o preço.

O Infarmed reforçou ainda a excelente capacidade de resposta de Portugal na área oncológica, conseguindo resultados que nos colocam a par com os melhores a nível europeu. “Nos últimos anos temos tido mais aprovações e a maior parte é na área oncológica”, acrescentou o Infarmed.

ZAP //

PARTILHAR

1 COMENTÁRIO

  1. O infarmed só precisa de uma pessoa a assinar e despachar. Temos uma identitade da UE que está acima de tudo. É suprimir essas “bengalas chulas”.
    À dois anos o hospital de Aveiro pediu para eu comprar um medicamento para o meu pai. Não o administravam porque não tinham. Tive de ir buscar uma receita ao IPO, dar o meu n° de cartão de cidadão e levar a Aveiro.

RESPONDER

Há uma forma de reduzir erros na computação quântica (e já sabemos qual é)

Na computação quântica, assim como no trabalho em equipa, um pouco de diversidade pode ajudar a melhorar o resultado. Esta pode mesmo ser a chave para pôr fim aos erros na computação quântica. Ao contrário dos …

Coimbrões 0-5 FC Porto | Dragões goleiam e seguem em frente na Taça

O FC Porto venceu hoje o Coimbrões, por 5-0, em jogo da terceira eliminatória da Taça de Portugal que os «dragões» resolveram com três golos nos 12 minutos iniciais. Aproveitando a inexperiência e nervosismo da formação …

Produção de filmes em Hollywood é um inimigo silencioso do ambiente

Hollywood é casa para a maioria dos grandes filmes produzidos que estreiam nas salas de cinema espalhadas por todo o mundo. Contudo, consegue ser bastante prejudicial para o meio ambiente e, mais do que nunca, …

O escorbuto era uma doença comum entre piratas, mas pode estar de regresso

O número de casos de escorbuto no Reino Unido mais do que duplicou nos últimos anos. A desnutrição é um dos principais responsáveis pelo regresso desta doença. O escorbuto está em ascensão no Reino Unido e …

Dois veleiros robotizados vão medir alterações climáticas no Atlântico

Dois veleiros de navegação robotizada vão medir, durante os próximos quatro meses, a pegada das mudanças climáticas no oceano Atlântico e irão passar pela Madeira e Cabo Verde. A Plataforma Oceânica das Canárias (PLOCAN) libertou esta …

A educação científica está sob ataque legislativo nos Estados Unidos

São inúmeros os professores de ciências que trabalham diariamente nas escolas públicas dos Estados Unidos para garantir que os alunos estão equipados com o conhecimento teórico e prático necessário para enfrentar o futuro. No entanto, …

João Félix saiu lesionado com gravidade no jogo contra o Valência

João Félix, avançado português do Atlético de Madrid, saiu este sábado lesionado com "forte torção no tornozelo direito", ao minuto 78 do jogo contra o Valência, da nona jornada da Liga espanhola de futebol, disputado …

As traças ficaram mais escuras por causa da Revolução Industrial? Cientistas já sabem a resposta

No virar do século XIX, na Grã-Bretanha, traças de todo o país começaram a ficar gradualmente mais escuras em resposta à forte poluição provocada pela Revolução Industrial. A Revolução Industrial foi um período de grandes transformações …

Mais de mil médicos foram alvo de processos disciplinares. 45 foram condenados, nenhum foi expulso

Mais de 1.070 processos disciplinares a médicos foram abertos no ano passado pelos conselhos disciplinares da Ordem, tendo sido condenados 45, segundo dados este sábado divulgados. Segundo os dados da Ordem dos Médicos, os conselhos disciplinares …

Publicar no Instagram rende mais a Ronaldo do que jogar na Juve

As publicações pagas no Instagram rendem mais a Cristiano Ronaldo do que jogar na Juventus, revela um estudo do Buzz Bingo. O internacional português foi a personalidade mais bem paga neste rede social em 2018. De …