/

Médicos alemães vão trabalhar no Hospital da Luz em Lisboa. BE questiona decisão

A equipa clínica alemã, formada por 26 profissionais de saúde, que chegou hoje a Portugal vai trabalhar no Hospital da Luz, em Lisboa, confirmou à Lusa fonte do ministério da Saúde.

A ajuda médica alemã que vem dar apoio ao sistema de saúde português face à pressão provocada pela pandemia de covid-19 chega ao início da tarde a Lisboa.

O processo de auxílio alemão a Portugal arrancou em 25 de janeiro, na sequência de um pedido de ajuda da ministra da Saúde, Marta Temido, à ministra da Defesa alemã, Annegret Kramp-Karrenbauer.

A notícia da vinda da equipa alemã para um hospital particular, foi inicialmente avançada pelo jornal Expresso. Agora, sabe-se que se trata do Hospital da Luz

A equipa é constituída por 26 profissionais de saúde, entre os quais seis médicos, que trazem também 40 ventiladores móveis e 10 estacionários, 150 bombas de infusão e outras tantas camas hospitalares.

De acordo com um comunicado conjunto dos Ministérios da Saúde e da Defesa de Portugal, os profissionais de saúde alemães permanecerão no país “durante um período de três semanas, estando prevista a sua substituição a cada 21 dias, até ao final de março, caso seja necessário”.

Em declarações à agência Lusa, o médico que vai estar à frente da missão já tinha dito que a equipa de profissionais de saúde militares, com competências ao nível da Medicina Intensiva, vai centrar-se principalmente em Lisboa, garantindo que também pode vir a ser dado apoio a outros do país.

O avião que transportou a equipa médica alemã aterrou na capital às 14:10, no aeroporto de Figo Maduro, e foi recebida pelos ministros da Defesa, João Gomes Cravinho, e da Saúde, Marta Temido, que agradeceram a sua disponibilidade.

“Quero saudar a disponibilidade do Governo alemão neste momento difícil para Portugal”, disse Temido numa declaração aos jornalistas, minutos antes da chegada da equipa.

A governante adiantou que com a chegada da ajuda alemã o Serviço Nacional de Saúde dispõe de mais oito camas de cuidados intensivos.

A ministra da Saúde disse ainda que Portugal tem conseguido responder ao aumento de doentes com covid-19, e que esta semana se começou a verificar uma desaceleração de novos casos, mantendo-se uma grande pressão sobre os cuidados hospitalares.

BE exige esclarecimentos

O BE questionou hoje o Governo sobre o facto da equipa clínica alemã que chegou hoje a Portugal ir trabalhar no Hospital da Luz, considerando urgente esclarecer esta decisão e se esta unidade hospitalar fica sob gestão do SNS.

Numa pergunta enviada ao Ministério da Saúde e a que a agência Lusa teve acesso, o BE considerou que “esta é uma situação que precisa de ser urgentemente esclarecida”, referindo que “essa ajuda deveria servir para reforçar a capacidade de resposta do SNS e, através desse reforço aliviar a pressão”.

“A ministra da Saúde tem dito que o problema é a falta de profissionais e que se eles existissem seria possível expandir as repostas de internamento e de UCI [Unidade de Cuidados Intensivos]. Há hospitais do SNS que foram expandindo, ao longo da pandemia, os seus espaços de cuidados intensivos e que se tiverem reforço de profissionais podem maximizar as duas respostas. Mas, a decisão parece ter sido, afinal, colocar estes profissionais no hospital da Luz. Porquê? Este hospital e seus recursos foram requisitados e estão agora sob gestão do SNS?”, questionou o deputado Moisés Ferreira.

Assim, o BE pretende que o ministério liderado por Marta Temido esclareça “que hospitais públicos foram auscultados para a integração destes profissionais” e quais os hospitais do SNS “referem a necessidade de mais profissionais para aumentar a sua resposta em UCI”.

“Foi estabelecido algum protocolo ou acordo com o hospital da Luz ou proceder-se-á à requisição dos recursos necessários, sob gestão do SNS, neste e noutros hospitais do setor privado e social, de forma a aumentar a capacidade de internamento no país?”, pergunta ainda.

  ZAP // Lusa

Deixe o seu comentário

Your email address will not be published.