Marcelo não falou por uma questão de liberdade. “Os portugueses percebem”

Mário Cruz / Lusa

O presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, disse esta segunda-feira que os portugueses compreenderam as razões pelas quais se manteve em silêncio nos últimos dias, enquanto as forças partidárias discutiam o decreto sobre a aprovação integral do tempo de serviço dos professores.

“Os portugueses percebem o meu silêncio, percebem que tudo o que dissesse limitava a liberdade”, considerou o Chefe de Estado em declarações aos jornalistas, transmitidas pela SIC Notícias, na Fundação Champalimaud, em Lisboa. “Tudo o que eu dissesse naquele período limitava decisão entre promulgar ou vetar a lei“, disse.

Marcelo entende que não se podia pronunciar “sobre uma lei que estava na ponta final para a aprovação”, da qual poderia surgir um “eventual cenário de crise institucional”. Pouco depois, afirmou, “o Presidente poderia ter de intervir”.

“O que dissesse nesse período de tempo acabava por condicionar o Presidente, não o deixar com as mãos livres para as decisões que tivesse de tomar. Não intervir significa não se pronunciar, não receber partidos políticos ou convocar partidos”, justificou.

O Presidente da Repúblico recusou depois comentar a “realidade partidária”, sobretudo no momento em que arranca a campanha eleitoral para as europeias, que se realizam a 26 deste mês. “Não me pronunciei sobre o que aconteceu na altura, não vou fazê-lo agora”.

O Chefe de Estado disse ainda que não falou com os líderes partidários durante o período de crise, ao contrário do que avançaram alguns média. O Presidente da República “intervém muitas vezes para prevenir crises mas, desta vez, entendeu que não devia limitar o seu espaço de manobra”, completou.

Quase duas semanas depois de o primeiro-ministro, António Costa, ter anunciado que se demitia caso o diploma dos professores fosse aprovado na votação final global, Marcelo quebrou o silêncio – nem quando foi operado esteve tanto tempo sem intervir.

Fontes da Presidência tinham já revelado que a agenda do Presidente seria minimizada com o aproximar das eleições. “Devagarinho“, revelaram as mesmas fontes, Marcelo Rebelo de Sousa voltará à sua “normalidade”.

De acordo com uma nota colocada esta segunda-feira publicada no site da Presidência, Marcelo Rebelo de Sousa, vai receber os partidos com assento parlamentar no dia 7 de junho no quadro dos seus “contactos regulares” com as forças políticas.

A Presidência da República enquadra as audiências nos “contactos regulares com os partidos políticos com representação parlamentar e decorridas as eleições para o Parlamento Europeu”, que se realizam no dia 26 de maio em Portugal.

SA, ZAP //

PARTILHAR

1 COMENTÁRIO

  1. O Marcelo aos poucos percebe como tudo isto funciona. Aparecer nos bons momentos para comemorar e tirar selfies e nos maus para tirar selfies e dar abraços. Nos momentos complexos deixar acalmar e depois reaparecer como se nada tivesse acontecido.

RESPONDER

Elon Musk doou 1.000 ventiladores a hospitais (mas eram do tipo errado)

Nos últimos dias, Elon Musk, CEO da Tesla, recebeu muitos elogios por ter doado mil ventiladores a hospitais da Califórnia, que enfrentam um número esmagador de casos de coronavírus. Porém, os ventiladores não eram do …

Coronavírus pode replicar-se na boca e nariz durante uma semana antes de infetar pulmões

O coronavírus pode permanecer e replicar-se na boca e no nariz durante uma semana antes de infetar aos pulmões, à traqueia e aos brônquios, revela um estudo, que mostra igualmente que é expulso do organismo …

PSP vai utilizar câmaras portáteis em drones no estado de emergência

A PSP vai utilizar 20 câmaras portáteis de videovigilância, 18 das quais vão ser instaladas em ‘drones’, durante o estado de emergência devido à pandemia de covid-19, anunciou esta quinta-feira o Ministério da Administração Interna …

Em Nova Iorque, prisioneiros são usados para cavar valas comuns

Nova Iorque está a oferecer seis dólares por hora e material de proteção individual aos prisioneiros de Rikers Island que aceitem ajudar a cavar valas comuns. Projeções da Fundação Gates apontam que, em Nova Iorque, o …

EUA estará a pagar para desviar carregamentos de máscaras adquiridas por França

As autoridades francesas estão a acusar os Estados Unidos de terem pago para desviar um carregamento de máscaras faciais oriundo da China. Este episódio é apenas mais um na saga sobre a escassez de máscaras de …

Cerca de 1200 reclusos podem vir a ser libertados

Cerca de 1200 reclusos podem vir a ser libertados antecipadamente para prevenir a propagação da pandemia de covid-19 no meio prisional, revelou esta quinta-feira a ministra da Justiça, Francisca Van Dunem, em declarações à RTP3. A …

OMS e EUA ponderam alargar recomendação para uso de máscaras

A Organização Mundial de Saúde (OMS) vai reavaliar as suas recomendações sobre o uso de máscaras para prevenir a contaminação com covid-19, disse esta quinta-feira o presidente do grupo de especialistas que vai discutir o …

Covid-19. Mais de 95% das vítimas mortais na Europa tinham mais de 60 anos

O diretor regional para a Europa da Organização Mundial de Saúde (OMS), Hans Kluge, revelou esta quinta-fera que mais de 95% das vítimas mortais da covid-19 na Europa têm mais de 60 anos de idade. Em …

Curva portuguesa mostra abrandamento de novos casos (mas é preciso "cautela")

Portugal tem assistido desde o dia 25 de março a um abrandamento do aumento percentual diário de novos casos de covid-19, segundo dados divulgados pelo Barómetro Covid-19 da Escola Nacional de Saúde Pública (ENSP). Segundo Carla …

"Ganhámos a primeira batalha". Presidente renova estado de emergência

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, anunciou oficialmente a renovação do estado de emergência nesta quinta-feira por mais quinze dias, prolongando-se este estado de exceção até 17 de abril. Numa mensagem ao país a …