Marcelo não falou por uma questão de liberdade. “Os portugueses percebem”

Mário Cruz / Lusa

O presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, disse esta segunda-feira que os portugueses compreenderam as razões pelas quais se manteve em silêncio nos últimos dias, enquanto as forças partidárias discutiam o decreto sobre a aprovação integral do tempo de serviço dos professores.

“Os portugueses percebem o meu silêncio, percebem que tudo o que dissesse limitava a liberdade”, considerou o Chefe de Estado em declarações aos jornalistas, transmitidas pela SIC Notícias, na Fundação Champalimaud, em Lisboa. “Tudo o que eu dissesse naquele período limitava decisão entre promulgar ou vetar a lei“, disse.

Marcelo entende que não se podia pronunciar “sobre uma lei que estava na ponta final para a aprovação”, da qual poderia surgir um “eventual cenário de crise institucional”. Pouco depois, afirmou, “o Presidente poderia ter de intervir”.

“O que dissesse nesse período de tempo acabava por condicionar o Presidente, não o deixar com as mãos livres para as decisões que tivesse de tomar. Não intervir significa não se pronunciar, não receber partidos políticos ou convocar partidos”, justificou.

O Presidente da Repúblico recusou depois comentar a “realidade partidária”, sobretudo no momento em que arranca a campanha eleitoral para as europeias, que se realizam a 26 deste mês. “Não me pronunciei sobre o que aconteceu na altura, não vou fazê-lo agora”.

O Chefe de Estado disse ainda que não falou com os líderes partidários durante o período de crise, ao contrário do que avançaram alguns média. O Presidente da República “intervém muitas vezes para prevenir crises mas, desta vez, entendeu que não devia limitar o seu espaço de manobra”, completou.

Quase duas semanas depois de o primeiro-ministro, António Costa, ter anunciado que se demitia caso o diploma dos professores fosse aprovado na votação final global, Marcelo quebrou o silêncio – nem quando foi operado esteve tanto tempo sem intervir.

Fontes da Presidência tinham já revelado que a agenda do Presidente seria minimizada com o aproximar das eleições. “Devagarinho“, revelaram as mesmas fontes, Marcelo Rebelo de Sousa voltará à sua “normalidade”.

De acordo com uma nota colocada esta segunda-feira publicada no site da Presidência, Marcelo Rebelo de Sousa, vai receber os partidos com assento parlamentar no dia 7 de junho no quadro dos seus “contactos regulares” com as forças políticas.

A Presidência da República enquadra as audiências nos “contactos regulares com os partidos políticos com representação parlamentar e decorridas as eleições para o Parlamento Europeu”, que se realizam no dia 26 de maio em Portugal.

SA, ZAP //

PARTILHAR

1 COMENTÁRIO

  1. O Marcelo aos poucos percebe como tudo isto funciona. Aparecer nos bons momentos para comemorar e tirar selfies e nos maus para tirar selfies e dar abraços. Nos momentos complexos deixar acalmar e depois reaparecer como se nada tivesse acontecido.

RESPONDER

Na África do Sul, há uma associação entre violência sexual e gravidez indesejada

Na África do Sul, as meninas que sofreram violência sexual têm maior probabilidade de relatar uma gravidez indesejada em comparação com aquelas que nunca sofreram violência sexual. Na África do Sul, a taxa de gravidez na …

Hackers russos associados ao ataque em hospital alemão que resultou na morte de uma paciente

O ataque informático num hospital alemão na semana passada, que resultou na morte de uma paciente em estado crítico, pode ter sido causado por um grupo russo com ligações ao crime cibernético. A informação é …

Paços 0-2 Sporting | “Leão” competente estreia-se com triunfo

Após o adiamento do jogo da primeira jornada ante o Gil Vicente, devido a vários casos de Covid-19 nas duas equipas, o Sporting estreou-se na Liga NOS 2020/21 e não vacilou. Na visita ao Paços de …

Medicamentos para a tensão arterial diminuem mortalidade em doentes com covid-19

Um estudo de meta-análise concluiu que medicamentos para a tensão arterial, ao contrário do que se pensava, reduzem a mortalidade em pacientes com covid-19. No início da pandemia, havia a preocupação de que certos medicamentos para …

A ilha mais povoada do Hawai pode perder 40% das suas praias até 2050

A subida do nível das águas do mar pode fazer com que a ilha mais povoada do Havai perca 40% das suas praias, alerta uma nova investigação. Em causa está a ilha de Oahu, a …

Pela primeira vez em 10 anos, a Wikipédia vai mudar de aparência

A icónica Wikipédia vai, pela primeira vez em 10 anos, ser modificada para tornar o site mais acessível - e menos "assustador" - para novos utilizadores. A Wikipédia tem sido parte integrante da cultura da web …

Encontrados medicamentos ilegais em suplementos para o cérebro

Cientistas encontraram medicamentos ilegais, não aprovados nos Estados Unidos, em suplementos que alegadamente melhoram o desempenho cognitivo. Clareza mental, criatividade aprimorada e uma memória extremamente nítida são algumas das promessas feitas a quem compra suplementos de …

Voluntários oferecem-se para cumprir pena de jovem acusado de blasfémia

Num ato de solidariedade, 120 voluntários pediram para cumprir a pena de um jovem nigeriano condenado a 12 anos de prisão por blasfémia. Entre os voluntários está o diretor do Memorial de Auschwitz. Ao todo, 120 …

ADN ajuda a identificar assassino em série num dos mais infames casos da Austrália

Uma amostra de ADN ajudou a justiça australiana a considerar um homem como culpado pelo assassinato de duas mulheres na década de 1990, encerrando um caso que permaneceu sem solução durante quase 25 anos. Durante quase …

Mais 665 casos e nove mortes por covid-19 em Portugal

Portugal regista, este domingo, mais 665 novos casos positivos e nove mortes por covid-19, segundo boletim epidemiológico da Direção-Geral da Saúde (DGS). Assim, desde o início da pandemia, Portugal conta com 73.604 infetados e 1.953 …